LIGA MUNDIAL: Sempre presente em finais, Brasil é medalha de prata em 2017

As quase 23.200 pessoas que encheram o Estádio Atlético Paranaense, em Curitiba (PR), na noite deste sábado (08.07) podem não ter comemorado o título, mas fizeram a festa e tiveram emoção de sobra diante de uma final extremamente disputada, equilibrada e com grandes lances. No final, melhor para a França, que venceu o Brasil somente no set desempate, por 3 sets a 2, com parciais de 21/25, 25/15, 25/23, 19/25 e 15/13 depois de 2h04 de partida. O Canadá bateu os Estados Unidos por 3 sets a 1 e ficou com a medalha de bronze.

O oposto Wallace e o ponteiro Lucarelli dividiram o posto de maiores pontuadores da seleção brasileira, com 22 acertos cada um. O ponteiro francês Ngapeth foi quem mais pontuou na partida, com 29 pontos.

Wallace destacou o bom desempenho do adversário na noite deste sábado. “Fizemos grandes partidas e soubemos lidar com cada situação adversa. Hoje não foi diferente. Não dá para tirar os méritos da França. Eles jogaram muito bem. Agora é seguir em frente, com o mesmo orgulho de representar a seleção brasileira”, disse o oposto da seleção braisleira.

Logo após a partida, o central Lucão analisou a partida. “Perder sempre é ruim, mas foi uma bela campanha da seleção brasileira e hoje um grande jogo de voleibol. Tivemos nossas chances tanto no terceiro set, como no tie-break, mas temos que lembrar que eles têm uma grande equipe também. Acredito que esse ciclo que se inicia agora vai ter Brasil e França brigando sempre em finais”, opinou Lucão.

O técnico Renan também fez elogios a grande final disputada no Estádio Atlético Paranaense. “Foi um jogo espetacular. Eles defenderam muito bem, nos colocaram em muita dificuldade e nós sabíamos que seria assim, um jogo decidido lá em cima, no detalhe. Queria muito agradecer a cada um desses jogadores. Todos se entregaram ao máximo, lutaram e o placar de hoje mostra o nível da competição”, disse Renan.  

O Brasil encerrou a Liga Mundial com nove vitórias em 13 jogos disputados. Mesmo com o resultado negativo nesta final, a seleção brasileira segue como a maior vencedora da Liga Mundial, com nove títulos, conquistados em 1993, 2001, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009, 2010.

Melhores da competição
Dois brasileiros estiveram na seleção do campeonato: o ponteiro Lucarelli e o oposto Wallace. Os melhores da Liga Mundial ainda foram o levantador Toniutti, da França, o outro ponteiro foi o francês Ngapeth, os centrais foram Le Roux, também da França, e Graham Vigrass, do Canadá, e o líbero foi o canadense Blair Bann.

O JOGO
Wallace abriu o placar do jogo em ponto de contra-ataque. A França respondeu. As duas seleções trocaram pontos até os franceses assumirem o comando do placar em 5/4. No bloqueio de Maurício Souza, a seleção brasileira marcou 7/6. Com Lucão, o Brasil fez 10/9. O adversário reassumiu o comando do placar em 11/10. Em um pedido de desafio confirmou o ponto do Brasil, que chegou a 15/14. No lance seguinte, Maurício Borges fez 16/14. A equipe da casa manteve dois de vantagem em 17/15. Contando com um erro do adversário, o Brasil colocou três de vantagem (19/16). Maurício Souza fez 22/19. No bloqueio de Bruninho, 23/19. Neste momento, a França pediu tempo. Com Maurício Souza, o Brasil fechou em 25/21.

A França começou melhor e abriu 5/1 logo no começo da segunda parcial. Neste momento, Renan pediu tempo. A vantagem francesa chegou a cinco pontos em 8/3. No ace de Wallace, a seleção brasileira reduziu a diferença no placar para 6/8. A França voltou a abrir em 12/7. Renan pediu tempo. No segundo tempo técnico, o time visitante tinha 16/9. O Brasil reduziu para 11/16, mas a França voltou a pontuar bem e abriu 20/12. A vantagem passou a ser de 10 pontos em 23/13. A França fechou em 25/15.

A seleção francesa abriu o terceiro set com ponto de saque. Maurício Borges respondeu no ataque pela saída de rede. No bloqueio de Lucão, o Brasil fez 2/1. O placar ficou igual em 3/3. Na bola de segunda do levantador francês, a equipe marcou 5/3. Explorando o bloqueio brasileira, a França marcou 7/4. Renan pediu tempo. O time visitante teve cinco de vantagem em 11/6. Depois de uma bola bastante disputada, Wallace pontuou e o Brasil fez 10/13. O placar ainda foi a 11/13 e a França pediu tempo. O adversário voltou a abrir e fez 15/11. Com Wallace, 14/17. Depois de bom saque de Bruninho, o Brasil pontuou no bloqueio: 16/18. No lance seguinte, 17/18. Com Wallace, o placar ficou igual em 20/20. Ele mesmo virou o marcador para 21/20. A França fez 23/22, o Brasil empatou 23/23 e o adversário marcou 24/23. E, no bloqueio, a França fechou em 25/23.

A França esteve na frente, mas, com Lucarelli e depois com Wallace, o Brasil fez 4/2. Com o apoio da torcida, o time da casa ainda chegou a 6/3. No bloqueio simples de Éder, 7/3. Maurício Borges marcou 8/3. Os franceses reagiram e fizeram 7/10. No ace, a França marcou 9/11, forçando Renan a pedir tempo. Em um super ataque de Wallace, o Brasil fez 13/9. Éder marcou 16/13. Depois de grande passe de Thales, Bruninho levantou para Lucão, que marcou 17/14. A vantagem brasileira foi a quatro pontos (19/15) e o adversário pediu tempo. No bloqueio de Wallace, 20/15. Com mais um bloqueio simples de Éder, o Brasil chegou a 22/16. Embalada, a seleção brasileira fechou com Éder: 25/19.

Lucarelli abriu o marcador do set decisivo. A seleção brasileira ainda abriu 3/1. Na sequência, i time de Renan fez 5/3. Em boa passagem de Bruninho pelo saque, o Brasil chegou a 7/4 e o adversário pediu tempo. A França encostou no placar em 6/7 e ainda chegou ao ponto de empate em 7/7. O técnico brasileiro parou o jogo com pedido de tempo. Lucão marcou 8/7. Lucarelli fez 9/8. No bloqueio, Éder marcou 10/8. O Brasil fez 11/9. A França chegou ao empate em 11/11 e virou em 12/11. Renan pediu tempo. Na volta, os franceses fizeram 13/11 e fecharam em 15/13.

EQUIPES

BRASIL – Bruno, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Maurício Borges e Lucarelli. Líbero – Thales
Entraram – Renan, Raphael, Éder, Tiago Brendle
Técnico: Renan Dal Zotto

FRANÇA – Toniutti, Trevor, Ngapeth, Le Roux, Boyer e Chinenyese. Líbero – Grebennikov
Entraram – Brizard, Rossard, Lyneel
Técnico: Laurent Tillie

ARBITRAGEM
1º árbitro: FABRIZIO PASQUALI (Itália)
2º árbitro: DENNY FRANCISCO CESPEDES LASSI (República Domunicana)

GALERIA DE FOTOS

TABELA

Grupo J – Brasil, Canadá e Rússia
Grupo K – Sérvia, França e Estados Unidos

Dia 4 (terça-feira)
15h05 – Brasil 3 x 1 Canadá (jogo 55) (25/21, 17/25, 25/19 e 25/19)
17h40 – França 3 x 2 Estados Unidos (jogo 56) (27/25, 20/25, 26/24, 17/25 e 15/12)

Dia 5 (quarta-feira)
15h05 – Rússia 0 x 3 Canadá (jogo 57) (23/25, 27/29 e 17/25)
17h40 – Sérvia 1 x 3 Estados Unidos (jogo 58) (22/25, 23/25, 25/19 e 22/25)

Dia 6 (quinta-feira)
15h05 – Brasil 3 x 2 Rússia (jogo 59) (25/18, 18/25, 25/19, 22/25 e 16/14)
17h40 – França 3 x 2 Sérvia (jogo 60) (25/21, 25/20, 17/25, 18/25 e 15/11)

Dia 7 (sexta-feira) - Semifinais
15h05 – Brasil 3 x 1 Estados Unidos (jogo 61) (25/20, 23/25, 25/20 e 25/19)
17h40 – França 3 x 1 Canadá (jogo 62) (25/19, 22/25, 25/19 e 25/21)

Dia 8 (sábado)
20h – Estados Unidos 1 x 3 Canadá (disputa de 3º) (25/18, 20/25, 22/25 e 21/25)
23h05 – Brasil 2 x 3 França (FINAL) (25/21, 15/25, 23/25, 25/19 e 13/15)

==> Foto: Valterci Santos / MPIX / CBV

0 comentários:

Postar um comentário