Capital na Tela - A capital em primeiro plano

Em setembro, nos dias 1º, 2, 7 e 8, a área externa do CCBB Brasília recebe o Capital na Tela. Mostra de cinema que vai exibir uma série de curtas, médias e longas-metragens, todos filmados em Brasília. Entre as propostas da mostra, segundo o idealizador e curador Fernando Toledo, está a de evidenciar o potencial da cidade para produção cinematográfica. “Brasília conta com um conjunto de elementos e condições que, combinados, convergem em valores para a produção de audiovisual tanto na cidade como na região”, comenta.

Cidade monumento, tombada pela Unesco como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade, Brasília esbanja beleza em produções cinematográficas, para tevê assim como para a publicidade. “Síntese da modernidade, a Capital do nosso país é um marco da arquitetura e do urbanismo mundial, e muitos diretores, produtores e realizadores, em nível nacional e internacional, já se deram conta disso e, cada vez mais, procuram a cidade como locação para suas produções”, relata Fernando.

            É uma cidade jovem, multicultural, plural e, já, com histórias levadas para as grandes telas do cinema como em “O Último Cine Drive-In”, “As Vidas de Maria”, “Faroeste Caboclo” e “Somos Tão Jovens”, longas-metragens que estão na programação do Capital na Tela. Também compõem a programação da mostra os documentários “Rock Brasília - Era de Ouro”, “Geração Baré-Cola - Usuários de Rock” e “Sonho 100 Dimensão”. E, com a proposta de dar visibilidade aos novos cineastas da cidade, o Capital na Tela apresenta uma Mostra Universitária: Curta-Capital, com a exibição de filmes produzidos por alunos das faculdades de cinema da UnB e do Iesb, que representam a futura geração que vai colocar Brasília nas grandes telas Brasil e mundo afora.

            A programação conta ainda com uma exposição interativa de um set de cinema, que estará aberta a visitação no feriado do dia 7 de setembro, das 14h às 18h. Oportunidade única para o público experimentar o universo da produção de cinema em um verdadeiro set de filmagem com grua, dolly, tripés, câmeras, refletores e claquete. Todos os equipamentos da exposição foram utilizados nos filmes exibidos na programação e profissionais farão demonstrações do seu funcionamento. Os visitantes serão, inclusive, convidados a manusearem os equipamentos, podendo assim experimentar um pouco da magia da produção de cinema.

            Para os quatro dias de mostra, o Capital na Tela convidou Food Trucks e Bikes e, após a exibição dos filmes, bandas da cidade se apresentarão em um palco, também montado na área externa do CCBB Brasília. Os shows estão programados para começarem às 21h e sobem ao palco as bandas Saurios e Trampa, na noite do dia 1º, Mdnght Mdnght e Expresso 061, no dia 2, Almirante Shiva e Vintage Vantage, no dia 7, e Joe Silhueta e Rios Voadores, no dia 8.

            O Capital na Tela está nas redes sociais - Instagram: @capitalnatela; Twitter: @capitalnatela; Youtube: capitalnatela; e Facebook: capitalnatela. Leve cadeiras, cangas... e aproveite uma noite de cinema ao ar livre!


SERVIÇO:

Local: Área externa do CCBB Brasília.
Endereço: SCES Trecho 2 – Brasília/DF

Programação:
Quinta-feira, 1º de setembro:
16h – 23h: Food trucks e bikes.
18h – 19h: Mostra Universitária: Curta-Capital de filmes de alunos da UnB: “A menor distância entre dois pontos” (2010, 18min); “Babilônia Norte” (2013, 15min); “Braxília” (2010, 17min30); e Brasília em Retratos” (2015, 1min).
19h15 – 21h: Exibição do longa-metragem “Somos Tão Jovens” (2013. Drama. 1h44. 14 anos. trailer); e
21h – 23h: Bandas: Saurios e Trampa.

Sexta-feira, 2 de setembro:
16h – 23h: Food trucks e bikes.
18h30 – 19h45: Exibição do longa-metragem “As Vidas de Maria” (2005. Drama. 16 anos. trailer);
20h – 21h45: Exibição do longa-metragem “Rock Brasília - Era de Ouro” (2011. Documentário. 1h51. 12 anos. trailer); e
21h45 – 23h: Bandas: Mdnght Mdnght e Expresso 061.

Quarta-feira, 7 de setembro:
Meio-dia: Food trucks e bikes
14h – 18h: Exposição Interativa “Um Set de Cinema”;
16h – 23h: Food trucks e bikes.
18h – 19h: Mostra Universitária Curta-Capital de filmes de alunos do Iesb: “Um outro dia” (2015, 16min07); "Mohamed" (2015, 15min44);Hasta la vista” (2011, 14min37); e Alisar pra que?”  Vídeo Clipe de Thabata Lorena (2014, 3min46).
19h – 19h26: Exibição do média-metragem “Sonho 100 Dimensão” - (Documentário. 26min. Livre. trailer);
19h45 – 21h45: Exibição do longa-metragem “O Último Cine Drive-In” (2014. Drama/Comédia. 1h40. 12 anos. trailer); e
21h25 – 23h: Bandas: Joe Silhueta e Vintage Vantage.

Quinta-feira, 8 de setembro:
16h – 23h: Foodtrucks e bikes.
18h15 – 19h28: Exibição do longa-metragem "Geração Baré Cola - Usuários de Rock" (2014, Documentário. 1h13. 14 anos).
19h45 – 21h33: Exibição do longa-metragem “Faroeste Caboclo” (2013. Drama/Romance. 1h48, 16 anos. trailer); e
21h33 – 23h: Bandas: Almirante Shiva e Rios Voadores.

Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia para professores, estudantes, pessoas com mais de 60 anos, clientes BB e doadores de agasalhos).
Venda de ingressos: na bilheteria do CCBB e através do site guicheweb.com.br.
Classificação indicativa: Ver programação da mostra de filmes.
Informações: 61 3108-7600.

==> Foto: Divulgação

Aberta venda de ingressos: Seleção Olímpica Brasileira x Portugal, no Mané Garrincha

A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) comunica que está aberta a venda de ingressos para o Desafio de Ouro, em Brasília (DF), entre a seleção brasileira masculina de vôlei campeã dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e a equipe de Portugal, no próximo domingo (04.09), às 10h. O jogo acontecerá no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Data: 04/09/2016
Desafio de Ouro: Brasil x Portugal
Horário de abertura dos portões: 04/09 às 08h00
Horário início da partida: 04/09 às 10h00
Confira abaixo informações de venda:

Classificação etária: LIVRE
*** Menores de 18 anos somente acompanhados dos pais ou responsável legal.
*** Cada torcedor poderá comprar até quatro ingressos. Sendo o limite máximo de 3 ingressos meia entrada por torcedor.
*** Será indispensável a apresentação do ingresso de todos os torcedores para acessar ao estádio.
*** Crianças até 3 anos não pagam entrada. A gratuidade deverá ser retirada na bilheteria oficial no dia do jogo.
*** Qualquer gratuidade prevista por lei deverá ser retirada na bilheteria oficial no dia do jogo.
*** Estudantes (Lei Federal 12.933/2013), jovens de até 29 (vinte e nove) anos pertencentes a famílias de baixa renda (Lei Federal n° 12.852/13 - Estatuto da Juventude), pessoas com deficiência, inclusive seu acompanhante quando necessário, e idosos com idade igual ou superior a 60 anos (Lei Federal nº 10.741/03 - Estatuto do Idoso) terão direito a meia-entrada para o Desafio de Ouro, que será realizado no dia 04 de setembro no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. Será necessária, no ato da compra e na entrada do ginásio, a apresentação dos documentos de identificação comprobatórios da condição. Igualmente informamos que as pessoas com deficiências físicas que utilizem cadeira de roda, juntamente com 01 (um) acompanhante caso seja necessário, terão um local reservado e apropriado.
A concessão do direito ao benefício da meia-entrada é assegurada em 40% (quarenta por cento) do total dos ingressos disponíveis para cada evento.
*** O acesso de gestantes, pessoas acompanhadas de crianças no colo, idosos, pessoas com deficiência e pessoas com obesidade mórbida ou grave será feito com, no mínimo, 30 (trinta) minutos antes do acesso geral.


Capacidade de público do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha: 70.000 pessoas

Preços dos ingressos
Cadeiras Nível inferior - Inteira R$ 80,00 - Meia R$ 40,00
Cadeiras Hospitalidade - Inteira R$ 60,00 - Meia R$ 30,00
Cadeiras Nível superior - Inteira 40,00 - Meia R$ 20,00
Cadeiras Camarote - Inteira R$ 300,00 - Meia R$ 150,00. Neste setor está incluso serviço de catering (kit lanche e bebidas) e estacionamento.
Cadeiras Pista Premium - Inteira R$ 500,00 - Meia R$ 250,00. Neste setor está incluso serviço de catering e estacionamento.


• Abertura de vendas internet, pontos de venda e bilheteria oficial (sujeito à cobrança de taxa de conveniência)

Internet: www.bilheteriadigital.com
Período: Segunda-feira (dia 29/08) às 20h00 a Domingo (dia 04/09) às 10h00 (ou até os ingressos se esgotarem).
Pagamento somente com cartão de crédito (VISA, Mastercard e Elo)
*** Sujeito à cobrança de Taxa de Conveniência
*** Pagamentos realizados com cartão de crédito Ouro Card Banco do Brasil terão 50% de desconto (Sujeito à disponibilidade)
*** Pagamentos realizados com cartão de crédito Ouro Card Banco do Brasil ELO terão 60% de desconto (Sujeito à disponibilidade)
*** Os descontos acima não são cumulativos com os benefícios previstos na legislação brasileira.


Pontos de venda físico:

Horário de funcionamento das lojas nos shoppings - De 30/08/2016 a 03/09/2016 de Segunda a Sábado das 10h00h às 22h00.

Loja Bilheteria Digital - Shopping Pátio Brasil, 3º piso, SCS QD. 07 bl. A Setor Comercial Sul
Loja Bilheteria Digital - Shopping Liberty Mall, piso térreo, W1 Norte, s/número
Loja Bilheteria Digital - Alameda Shopping, quarta loja (subsolo), CSB 2 s/n, PM26A Taguatinga
Loja Bilheteria Digital - Central dos Ingressos - Brasília Shopping SCN QD. 05 bl. A
Loja Bilheteria Digital - Boulevard Shopping, 1º Piso, Loja SS11, Setor Terminal Norte Conj. J - Asa Norte
Loja Centauro - Shopping Conjunto Nacional. SDN CNB, Conjunto A, s/número - Asa Norte

Horário de funcionamento da Bilheteria do Estádio Mané Garrincha- De 02/09/2016 a 04/09/2016 Sexta e Sábado das 10h00h às 18h00 e Domingo das 07h00 às 10h00.

Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha - Av. N1 s/número, bilheteria do portão 17.

Pagamento em dinheiro, cartão de débito e crédito (VISA, Mastercard e Elo)
*** Sujeito à cobrança de Taxa de Conveniência
***Permite retirada de ingressos adquiridos pela internet.
*** Pagamentos realizados com cartão de crédito Ouro Card Banco do Brasil terão 50% de desconto (Sujeito à disponibilidade)
*** Pagamentos realizados com cartão de crédito Ouro Card Banco do Brasil ELO terão 60% de desconto (Sujeito à disponibilidade)
*** Os descontos acima não são cumulativos com os benefícios previstos na legislação brasileira.

==> Foto: Divulgação / CBV

RENATO BORGHETTI NO CLUBE DO CHORO

Renato Borghetti e seu quarteto estão lançando um novo trabalho, “Gaita na Fábrica”, gravado inteiramente no espaço cultural onde ele desenvolve seu projeto social “Fábrica de Gaiteiros”, na cidade da Barra do Ribeiro, às margens do Rio Guaíba. Um local mágico e inspirador, onde jovens e crianças aprendem a tocar e construir o instrumento símbolo de seu estado, a gaita-ponto (ou gaita de oito baixos) e desenvolvem o amor pela música.

Impregnado desta atmosfera, o trabalho feito em áudio e vídeo (direção de René Goya Filho), na sua grande maioria autoral, com Renato Borghetti e amigos que tocam juntos há mais de 20 anos, resultou em 12 gravações inéditas, fruto de experiências, andanças, viagens e relacionamentos ao longo do tempo.

Um registro maduro e contemporâneo, composto de um mosaico de ritmos como Milongas, Vaneiras, Xote e Chamamés, tão característicos do sul de Brasil e executadas por uma formação quase erudita, pouco comum no instrumental gaúcho: por piano (Vitor Peixoto), Sax Alto /Flauta (Pedro Figueiredo) e Violões (Daniel Sá, que também assina a direção musical).

As apresentações acontecem dias 31.08, 01 e 02 de Setembro de 2016 – quinta-feira a partir das 21:00 horas. Ingressos: R$ 15,00 (meia) e R$30,00 (inteira)

Informações: Tel.: 3224.0599. Ingressos: Clube do Choro de Brasília – SDC BLOCO “G” - Funcionamento da bilheteria: 2ª a 6ª feira: 10:00 às 22:00 horas. Sábado a partir de 19:00 as 21:30 horas, ou através do site: www.clubedochoro.com.br

O Clube do Choro de Brasília fica entre a Torre de TV, o Centro de Convenções e o Planetário.
Não recomendado para menores de 14 anos

==> Foto: Werner Maresch

CIRCUITO MUNDIAL: Pedro e Evandro vencem donos da casa e levam o ouro na última etapa

O Brasil encerrou de ótima maneira a temporada 2016 do Circuito Mundial, com sua décima medalha de ouro. Pedro Solberg e Evandro (RJ) tiveram atuação sólida e venceram os norte-americanos Dalhausser e Lucena na final do Grand Slam de Long Beach, na noite deste domingo, na casa dos adversários. Foi o segundo ouro para o time carioca no ano.

Pedro e Evandro, que ficaram no nono lugar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, fizeram um torneio exuberante em Long Beach, com sete vitórias em sete jogos e apenas três sets perdidos. A dupla, unida desde o final de 2014, soma agora oito medalhas no Circuito Mundial, sendo três de ouro, três de prata e duas de bronze.

Feliz pelo título, Pedro comentou o ouro no estado onde o vôlei de praia foi criado, onde viu muitos de seus ídolos, como o capixaba Loiola, brilharem.

"É um sentimento incrível (vencer no berço do vôlei de praia), um sonho tornando-se realidade. Todos os meus ídolos brasileiros começaram aqui, é uma vitória muito boa e estou muito feliz por vencer nos Estados Unidos", declarou Pedro após o ouro.

"É um torneio muito charmoso, jogar e conquistar essa medalha de ouro é importante para Pedro e eu darmos continuidade ao nosso procedimento, nossos projetos", completou Evandro.

Com o ouro de Pedro/Evandro, o Brasil encerra a temporada 2016 do Circuito Mundial com 24 medalhas nos dois naipes. Foram dez de ouro, nove de prata e cinco de bronze nos 18 eventos realizados (veja abaixo). Agora ocorre o World Tour Finals, no Canadá, com os oito melhores times da temporada em cada naipe, além de dois convites. O torneio será de 13 a 18 de setembro.

A vitória em um Grand Slam rende 800 pontos ao time campeão, além de uma premiação de 57 mil dólares. Long Beach é o segundo torneio da temporada 2016 do Circuito Mundial disputado nos Estados Unidos. O país também recebeu o Open de Cincinnati, em maio. Até hoje, 15 etapas do Circuito Mundial (nos dois naipes) foram disputadas nos Estados Unidos. O Brasil soma, com o ouro deste domingo, 21 medalhas no feminino e 16 entre os homens.

O Jogo
Os norte-americanos começaram bem, abrindo 4 a 2 em ace de Lucena. Dalhausser também começou a se destacar no bloqueio e a equipe dos EUA anotou 10 a 7. Um ace de Evandro e uma diagonal muito potente de Pedro, porém, recolocaram o Brasil no jogo, empatando o jogo em 10 a 10. No tempo técnico, os donos da casa venciam por um ponto de vantagem.

Uma falta no saque de Evandro, um ace de Lucena e um ataque para fora do Brasil fizeram os EUA abrirem 14 a 11 no set. Pedro Solberg cresceu no momento de dificuldade da dupla, fez boas defesas e virou bolas importantes, encostando no placar.

Em erro de ataque de Lucena, os brasileiros deixaram igual: 17 a 17. Dois bloqueios seguidos de Evandro viraram a vantagem para o Brasil, que liderava por 19 a 17, forçando pedido de tempo dos rivais. Virando suas bolas, Pedro e Evandro fecharam o set por 21 a 19.

Evandro começou inspiradíssimo no segundo set. Anotou seguidamente um ponto de ace e outro de bloqueio, anotando 5 a 3 para os brasileiros. Os EUA empataram rapidamente, após ace de Dalhausser, mas os brasileiros retomaram a vantagem em erro de ataque de Dalhausser e bloqueio de Evandro sobre Lucena: 10 a 8 no placar.

Os norte-americanos não desistiram, se aproveitaram de erros brasileiros e viraram para 13 a 12. Dalhausser, no bloqueio, abriu dois pontos importantes, fazendo 18 a 16. Em ataque de Dalhausser na diagonal, que ainda chegou a tocar na fita, os norte-americanos fecharam o segundo set por 21 a 17, levando o jogo para o tie-break.

Os times começaram o set de desempate trocando pontos e com o Brasil vencendo um ralli eletrizante com grande defesa de Lucena. Na jogada seguinte, em contra-ataque de Evandro, os brasileiros abriram 5 a 3. A vantagem subiu para três pontos em toque de Lucena na rede.

Na jogada seguinte, bloqueio de Evandro sobre Lucena, vantagem de quatro pontos e pedido de tempo dos EUA. Os brasileiros mantiveram a pressão, forçando o saque e mantendo regularidade no ataque. Sem sustos, anotaram 14 a 9, com quatro pontos do jogo. Em toque na rede de Dalhausser, fecharam o tie em 15 a 9 e o jogo em 2 sets a 1.

BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2016

Open de Maceió
Duda/Elize Maia - ouro
Pedro Solberg/Evandro - prata
Ágatha/Bárbara Seixas - bronze
Guto/Saymon - bronze

Grand Slam do Rio de Janeiro
Pedro Solberg/Evandro - prata

Open de Vitória
Alison/Bruno Schmidt - ouro
Larissa/Talita - ouro

Open de Fortaleza
Duda/Elize Maia - ouro
Oscar/André Stein - ouro
Juliana/Taiana - prata
Lili/Rebecca - bronze

Open de Cincinnati
Guto/Saymon - ouro

Grand Slam de Moscou
Alison/Bruno Schmidt - prata
Larissa/Talita - prata

Major Series de Hamburgo
Ágatha/Bárbara Seixas - prata
Larissa/Talita - bronze

Grand Slam de Olsztyn
Larissa/Talita - prata
Alison/Bruno Schmidt - prata
Guto/Saymon - bronze

Major Series de Porec
Alison/Bruno Schmidt - ouro

Major Series de Gstaad
Larissa/Talita - ouro
Pedro Solberg/Evandro - ouro

Major Series de Klagenfurt
Guto/Saymon - prata

Grand Slam de Long Beach
Pedro Solberg/Evandro - ouro

==> Foto: Divulgação / FIVB

Editora Unesp lança grandes nomes nacionais e internacionais na 24ª Bienal do Livro

Instalada no estande coletivo da ABEU (Associação Brasileira das Editoras Universitárias), a Editora vai levar mais de mil títulos de outras áreas, como letras, educação, ciências exatas, biológicas e divulgação científica. Tudo isso com 20% de desconto. E, para quem é professor, a redução é de 30%. Basta se identificar no caixa. O estande fica na L049. Confira a seguir os lançamentos:  

Um dos lançamentos que estarão na Bienal é O que é história do conhecimento?, de Peter Burke. O renomado historiador inglês mapeia não apenas as histórias da ciência ou da sociologia dos conhecimento, mas as suas histórias, no plural, desde a invenção da escrita ao uso de mecanismos digitais de busca, passando por centros de aprendizado em Bagdá e Damasco, e as questões e dilemas para armazenar o conhecimento no início da era moderna europeia. Traça as origens e os fundamentos desse novo domínio da ciência histórica, passa pelos processos que transformam informação em conhecimento e conclui discutindo os problemas recorrentes e as perspectivas nesse campo.

Já em Uma história social do morrer, o médico Allan justifica seu interesse no morrer porque ao estudá-lo vemos oreflexo do tipo de pessoa que somos. Ou seja, a conduta no morrer revela as forças sutis, íntimas e desapercebidas em nossa vida cotidiana que moldam nossa identidade e individualidade. Essa experiência, simultaneamente complexa e natural, é investigada em um voo panorâmico de 2 milhões de anos, da alvorada da consciência da mortalidade, na Idade da Pedra, à Era Cosmopolita, identificando e descrevendo os padrões típicos do morrer em cada período, com suas características morais e culturais, tensões e contradições.

Neste exame grande-angular da história humana do fim, identifica e descreve os padrões típicos do morrer em cada período histórico, com suas características morais e culturais, as tensões e contradições “que puxam ou empurram o moribundo à medida que ele aspira a criar ou a resistir à morte arquetípica do seu tempo”, assim como a “psicologia social por trás do modo como os morrentes se comportavam” e a responsabilidade social no final da vida.

Ao final do século XIX, alguns sintomas desafiavam o saber racional da medicina. Incapazes de identificar fisicamente o que ocorria com algumas mulheres, estas eram classificadas como histéricas. O quadro só se tornou mais claro quando Freud desbravou um novo campo da ciência médica e propôs uma nova forma de tratamento, a psicoterapia. O professor e psicanalista José Artur Molina, em O que Freud dizia sobre as mulheres, investiga o entorno dessa revolução, que acontece justamente no momento em que o mundo dos homens desaba na antiga Viena, para entender como a modernidade é construída desde a desestruturação da antiga hierarquia entre os sexos.

Em Jusnaturalismo e positivismo político, Norberto Bobbio esmiúça e esclarece os aspectos do direito natural e do direito positivo, eliminando falsas oposições e se contrapondo a toda forma de dogmatismo. Bobbio apresenta sua concepção de filosofia do direito, propondo que se deixe de considerá-la como uma disciplina unitária e que ela seja dividida em várias disciplinas particulares, de acordo com os problemas de que tratam. O livro, reconhecido como um clássico da filosofia do direito, trata da controvérsia entre jusnaturalismo e positivismo jurídico, definindo-os claramente e distinguindo seus diferentes sentidos. 

Casos de confrontos entre marxistas e anarquistas são abundantes. Eventualmente, resgatam-se histórias de colaboração e convergência. Olivier Besancenot e Michael Löwy vão além em Afinidades Revolucionárias: querem, sob o signo da I Internacional, salientar a solidariedade histórica entre militantes anticapitalistas de todas as vertentes. Descrevendo a trajetória dos movimentos sociais da Comuna de Paris aos nossos dias, discutem ecossocialismo, planificação, federalismo, democracia direta e a relação sindicato/partido. Trata-se de uma obra sensível, entremeada pela esperança de que o futuro seja construído com cores vermelhas e negras.

Embora sua definição clássica seja “governo do povo”, a democracia sempre manteve uma relação ambígua com a igualdade. Se na Grécia Antiga imperavam múltiplas exclusões, nos regimes contemporâneos a extensão da cidadania convive com o alcance reduzido da vontade popular, cujas decisões influem menos nos rumos da vida coletiva. Os ensaios organizados por Luis Felipe Miguel, em Desigualdades e democracia, desvelam uma radiografia plural com textos que não só apresentam possíveis enquadramentos das “desigualdades”, mas também propõem uma reflexão abrangente sobre os diversos significados do que se entende por “democracia”.

Veja os livros que vão chegar diretamente na Bienal 

Nietzsche considerava este livro o melhor já escrito em alemão. Walter Benjamin, um dos maiores livros de prosa de todo o século XIX. Resultado das zelosas anotações diárias e de argutas observações de seu secretário particular Johann Peter Eckermann, Conversações com Goethe nos últimos anos de sua vida 1823-1832 definiu a imagem de Goethe para a posteridade. A imersão no cotidiano do grande poeta em seus últimos nove anos de vida possibilita conhecer melhor tanto o literato quanto a sua época. Entre comentários sobre assuntos variados – literatura, pintura, música, teatro, filosofia, ciências, religião, política –, surgem as frases que se tornariam referências para toda a cultura ocidental. 

A correspondência entre Adolfo Casais Monteiro e Ribeiro Couto marca o início de uma nova fase nas relações entre escritores portugueses e brasileiros. As cartas acompanham a introdução dos autores brasileiros em Portugal e a publicação dos ensaios de Monteiro sobre a poesia de Couto, Manuel Bandeira e Jorge de Lima. Correspondência - Casais Monteiro e Ribeiro Couto mostra ainda, por exemplo, a cumplicidade deles em momentos difíceis, como quando Monteiro foi preso, a sua indicação pelo brasileiro para lecionar, o desentendimento entre os amigos em meados dos anos 1940 e a posterior reaproximação.

Em suas histórias independentes, Brasil e Argentina nutriram uma rivalidade notada na persistente competição pela preponderância regional.  Diplomacia e defesa na gestão Fernando Henrique Cardoso (1995-2002)  busca compreender essa relação no campo da Defesa durante os dois mandatos do presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), refletindo sobre as condicionantes históricas e circunstanciais. Érica Cristina Alexandre Winand faz um panorama histórico da competição e seus reflexos, aborda as percepções brasileiras sobre colaboração regional para se relacionar com a Argentina e discute as particularidades da dinâmica decisória de nossa política externa.

Linhas cruzadas sobre as relações entre os Estados Unidos e a Alemanha, de Sebastião C. Velasco e Cruz, é uma coletânea que trata das relações que há muito vinculam os dois países. O autor reflete sobre a peculiaridade das imbricações entre os países, procurando entender os elementos que atuaram no passado e que possam ainda estar agindo para transformar o futuro desse relacionamento. Isso permite uma compreensão mais profunda dos pontos em que essas duas nações se tangenciam e se distanciam no cenário mundial. A obra, amparada em rica e vasta bibliografia, preenche a lacuna de estudos e propõe-se a abrir portas para trabalhos posteriores sobre a relação entre alemães e estadunidenses.

Em O ofício alheio, reunião de textos publicados esparsamente entre 1964 e 1984, o químico, escritor e testemunha do Holocausto Primo Levi faz “incursões nos ofícios alheios, caça ilegal em zonas proibidas”, transitando pela zoologia, astronomia, a literatura e pelas ciências naturais. Revelando-se o mais caprichoso dos botânicos, dos zoólogos e dos linguistas, também fala dos autores que lhe são caros, explica-nos por que escreve e reflete sobre a ligação entre o mundo natural e o cultural. E termina por nos oferecer uma forma oblíqua – mas preciosa – de autobiografia. Com prefácio de Italo Calvino e nota biográfica de Ernesto Ferrero.

==> Foto: Divulgação

LULU SANTOS APRESENTA SEU Clube£ux NA CAPITAL FEDERAL, EM SETEMBRO

Um dos maiores artistas brasileiros de todas as gerações, com mais de oito milhões de discos vendidos, o cantor, compositor, guitarrista e produtor Lulu Santos apresenta em Brasília, no NETLIVE, em 16 de setembro, Clube£ux, seu novo show repleto de hits para fazer o público cantar e dançar do começo ao fim.

Apostando na mistura de elementos eletrônicos em sua sintaxe musical, em Clube£ux Lulu convidou o DJ Sany Pitbull para se juntar à formação. O show conta também com o retorno de Milton Guedes no sax, flauta e vocal, além de Sergio Melo na bateria, Jorge Ailton no baixo, Pedro Augusto nos teclados, Hiroshi Mizutani nos teclados e programações, Silvio Charles no violão e percussão e Andrea Negreiros no backing vocal e percussão.

No repertório, músicas de seu mais recente CD, Luiz Mauricio (Sony, 2014); Entre elas, “Sócio do Amor” e “Luiz Maurício”, e seus grandes sucessos, como “Toda Forma de Amor”, “Um Certo Alguém”, “O Último Romântico”, “Sereia”, “De Repente, Califórnia”, “Apenas Mais uma de Amor”, “Assim Caminha a Humanidade” e “Como uma Onda”, entre outras.

Clube£ux estreou em Porto Alegre e já passou por outras cidades do Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Distrito Federal e Bahia, além de Miami e Nova York, nos Estados Unidos.

SERVIÇO:
Data: 16/09 (SEXTA-FEIRA)
Hora: a parti das 21h
Local: NET LIVE - Próximo ao Hotel The Sun e Clube Motonautica. Local 100 % coberto 
Ingressos: 
- Área Premium (meia-entrada) - R$ 120,00 - 1 ingresso. 
Na compra de 2 Ingressos da Área Premium: R$ 200 (promoção válida apenas no site: www.verrieverri.com.br)

- Área Pista (meia-entrada) - R$ 80,00 - 1 ingresso. 
Na compra de 2 Ingressos da Área Pista: R$ 120 (promoção válida apenas no site: www.verrieverri.com.br)

- Área Bistrôs - Bistrôs para 4 pessoas, numerados, com direito a 1 combo de Chivas 12 ou Absolut com 6 energéticos ou 6 águas de coco. 1 Cadeira extra: R$ 250,00. Á venda somente na Central de Ingresso do Brasília Shopping.

*Nos pontos de venda não temos a promo acima citada. Somente o Preço normal do ingresso.

Pontos de Venda:
Lojas Mormaii - Pontão, Pátio, Bsb Shopping e Conjunto.
Bilheteria Digital do Pátio Brasil, Liberty Mall e Taguatinga Shopping.
Central de Ingressos no Brasília Shopping.

*Ingresso Inteira (serão comercializados somente nos pontos de venda).

Mais informações:

*Meia-entrada para estudantes, Clientes NET, Idosos, professores e DOADORES de 1 KG de alimento. (Efetuar a entrega na entrada do show no dia do evento)

*Nenhuma das áreas é Open Bar.

*A Área Premium fica em frente ao palco, a área Bistrôs na lateral direita ao palco e a pista atrás da área premium. Mapa disponível no site: www.verrieverri.com.br 

*Doe 1 Kg de alimento e pague meia. 
Efetuar a entrega na chegada ao show no local do evento.
*Informações: 98121-0800

==> Foto: Site Verri & Verri

ESDRAS NOGUEIRA NO CLUBE DO CHORO

Esdras Nogueira tem 37 anos e nasceu em Brasília. Toca sax barítono e é integrante da banda Móveis Coloniais de Acaju, uma das mais ativas bandas independentes brasileiras. Também tem um trabalho solo com o sax barítono.

Em 2000, antes de começar o trabalho de pesquisa com seu instrumento, atuou como músico em espetáculos de circo durante dois anos, na Alemanha e Itália.

Em 2002 retornou ao Brasil para se dedicar à carreira. Desde então, com o Móveis e com seu show solo, já tocou por todo o Brasil e em importantes festivais como Rock’n Rio, Planeta Terra, Instrumenta Brasília e Bananada, bem. No exterior já se apresentou no palco do Primavera Sound, em Barcelona, Pukkelpop, na Bélgica, Daka Jazz & Blues festival, em Bangladesh, no Niceto Club em Buenos Aires, República Tcheca e Suíça. Tem cinco discos e dois DVDs gravados.

Em julho de 2016 lançou seu mais recente trabalho” Na Barriguda”, seu segundo trabalho solo de sax barítono na música brasileira. O disco conta com cinco composições autorais e em parceria com o guitarrista Marcus Moraes, mais "O Mundo é um Moínho“, de Cartola, “Lôro”, de Egberto Gismonti, e “Capricho de Raphael”, de Hamilton de Holanda.

Além da participação do grande trombonista Bocato, participaram ativamente do disco, Marcus Moraes na guitarra, Léo Barbosa na percussão, Rodrigo Balduino no baixo e Thiago Cunha na bateria. O disco é instrumental e bem dançante, com influência da música feita no norte do Brasil, das guitarradas, do forró Nordestino, com a liberdade musical do jazz, e também um pouco da experiência nas viagens pelo mundo, com a certeza de que a música Brasileira é o seu Norte.

Em dezembro de 2014 lançou o “Capivara”, seu primeiro trabalho solo com o saxofone barítono, interpretando as composições de Hermeto Pascoal,, com a aprovação do próprio compositor.

"Ouvi, está muito bom. Fiquei contente com a interpretação das músicas. Elas ficaram diferentes sem perder a essência. Eu componho com vontade que as pessoas toquem. Se ele tivesse conversado comigo antes, eu até teria dado algumas ideias. Mas o Esdras começou bem, ele vai longe", disse Hermeto Pascoal.

A apresentação acontece dia 30 de Agosto de 2016 – Terça-feira a partir das 21:00 horas. Ingressos: R$ 15,00 (meia) e R$30,00 (inteira).

Informações: Tel.: 3224.0599. Ingressos: Clube do Choro de Brasília – SDC BLOCO “G” - Funcionamento da bilheteria: 2ª a 6ª feira: 10:00 às 22:00 horas. Sábado a partir de 19:00 as 21:30 horas, ou através do site: www.clubedochoro.com.br

O Clube do Choro de Brasília fica entre a Torre de TV, o Centro de Convenções e o Planetário.
Não recomendado para menores de 14 anos

==> Foto: Joana França

CIRCUITO MUNDIAL: Pedro e Evandro vão à final de Long Beach contra norte-americanos

O Brasil está novamente na final do Grand Slam de Long Beach, nos Estados Unidos. Atual campeão do torneio, o país agora terá Pedro Solberg e Evandro (RJ) na disputa da medalha de ouro. Os cariocas venceram seus duelos pelas quartas e semifinais neste sábado (27.08) e encaram os norte-americanos Dalhausser e Lucena na decisão, neste domingo (28.08).

A final acontece às 19h35 (de Brasília), com transmissão ao vivo do SporTV. Será o terceiro encontro entre as duplas, com uma vitória para cada lado. Pedro e Evandro somam duas medalhas de ouro em etapas internacionais, e buscam o segundo título em 2016, após vencerem o Major Series de Gstaad (Suíça) em julho.

Para avançar à final, Pedro e Evandro superaram os letões Samoilovs e Smedins na semifinal da competição, vencendo de virada, por 2 sets a 1 (21/14, 14/21, 11/15), em 51 minutos de jogo. Antes, nas quartas de final, ainda neste sábado, tinham superado os mexicanos Juan Virgen e Lombardo Ontiveros por 2 sets a 0 (21/17, 21/15), em 35 minutos de jogo.

Foi a segunda derrota em poucas semanas dos cariocas sobre os letões. As duas duplas estavam no mesmo grupo durante os Jogos Olímpicos, com triunfo dos brasileiros, que eliminaram os europeus da competição. Do outro lado da chave, Dalhausser e Lucena avançaram com triunfo sobre os italianos Alex Ranghieri e Marco Caminati.

A vitória em um Grand Slam rende 800 pontos ao time campeão, além de uma premiação de 57 mil dólares. Long Beach é o segundo torneio da temporada 2016 do Circuito Mundial disputado nos Estados Unidos. O país também recebeu o Open de Cincinnati, em maio. Até hoje, 15 etapas do Circuito Mundial (nos dois naipes) foram disputadas nos Estados Unidos. O Brasil soma 21 medalhas no feminino e 15 entre os homens.

==> Foto: Divulgação / FIVB