Com 35 anos de história, Grupo Galpão com temporada inédita do espetáculo NÓS

O Grupo Galpão, uma das companhias mais importantes do cenário teatral brasileiro, completa 35 anos de trajetória em 2017. Para comemorar, o grupo, com sede em Belo Horizonte (MG), programou uma turnê especial, passando por várias cidades do país. Em Brasília, o grupo mineiro chega com sua montagem mais recente, o espetáculo NÓS, que será apresentado pela primeira vez na cidade, dentro da programação do Teatro da CAIXA. Em curta temporada, o público brasiliense poderá assistir ao espetáculo, dirigido por Marcio Abreu, de 24 de novembro a 3 de dezembro, de sexta a domingo, com duas sessões aos sábados. Os ingressos custam R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia) e estarão à venda a partir do dia 18 de novembro, na bilheteria do teatro.

“O espetáculo NÓS somos nós, o Galpão, esse coletivo que comemora 35 anos de existência e nós, seres humanos e artistas de teatro para lá dos cinquenta, com suas perplexidades, questões, angústias, algumas esperanças e muitos nós”, explica o ator Eduardo Moreira, sobre o que o público pode esperar do mais recente trabalho do Galpão e 23ª montagem da companhia. No espetáculo, os atores Antonio Edson, Beto Franco, Eduardo Moreira, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André e Teuda Bara celebram a vida, enquanto preparam a última sopa e debatem, sob um prisma político, questões do mundo contemporâneo – a intolerância, a violência, a diversidade, a convivência com a diferença.

Em cena, noções de proximidade e convivência. Proximidade entre ator e espectador, cena e plateia, ator e personagem, ser-social e ser-poético, realidade e ficção. Convivência entre diferenças, onde o outro dá a dimensão da nossa existência. Pontes entre teatro, performance, música e literatura. E, ainda, entre as dimensões do que é privado e o que é público, do que está dentro e do se apresenta fora. NÓS propõe uma encenação que afirma a convivência com o público, no momento da apresentação, como elemento dramatúrgico, e ao mesmo tempo, sua presença, como ato criativo.

Para chegar nesse resultado, tudo começou em 2014, quando Marcio Abreu foi convidado para a direção de NÓS. Na época os atores se entregavam a exercícios solo, com o objetivo de contemplar desejos individuais e criar alternativas para um projeto coletivo. O diálogo e o confronto entre o coletivo e os anseios de cada artista se manifestavam de maneira urgente, num grupo de atores com mais de três décadas de convivência artística diária.

Assim que começaram os ensaios em agosto de 2015, o diretor foi indagado sobre que tipo de espetáculo vislumbrava construir em parceria com o Galpão. A resposta foi direta e precisa: “um trabalho político”. Segundo o artista carioca, responsável pela direção de produções recentes como “Krum” e “projeto brasil”, ambos realizados em 2015 com a companhia brasileira de teatro, “o Galpão é um dos primeiros grupos de trabalho continuado, com patrocínio em longo prazo, planejamento, turnês internacionais e circulação por todo país”, e acrescenta: “em tanto tempo de estrada, o Grupo criou um centro cultural, o Galpão Cine Horto, onde muita gente se forma e se recicla, onde festivais acontecem, espetáculos de toda parte se apresentam, artistas se encontram, ideias são fomentadas e reverberam na cidade de Belo Horizonte e pelo Brasil afora. Por tudo isso, assumiu uma dimensão política e hoje pertence ao imaginário teatral brasileiro como uma referência”.

Esse desejo essencial norteou a elaboração de uma dramaturgia própria, criada a partir de improvisos, tomando como tema a reação do coletivo de atores diante das pressões exercidas pelo mundo sobre cada um deles. Durante o processo, foi experimentado o significado de estar dentro e ser colocado para fora e vice-versa. Situações intimamente conectadas à utopia de se conviver com as diferenças, sem que fossem emitidos juízos de valor.

Os atores mergulharam ainda em diversas leituras de textos contemporâneos, como “Programa de Televisão” de Michel Vinaver e “Ódio à Democracia” de Jacques Rancière, entre outros. Marcio provocou questões que foram fundamentais para definir qual caminho seguir na estruturação do texto e da encenação: “o que podemos fazer juntos?” e “de que maneira respondemos ou reagimos ao mundo como ele nos chega hoje?”, perguntas às quais sempre recorria no decorrer dos ensaios. Para o diretor, “buscar uma abordagem política num trabalho de criação é pensar não só no que dizer, mas como dizer, e nesse sentido, a forma dos textos é tão fundamental quanto o conteúdo. Assim podemos encontrar uma zona de diálogo mais intenso entre nós e entre nós e o mundo lá fora”.

Nesse contexto, a criação teatral seria um ato de pura incompletude, em que se faz necessário recomeçar sempre, mesmo que não se saiba nem como, nem por quê. “Obstinado como o próprio “fazer teatral”, ofício de que não desistimos nunca e continuamos em frente, mesmo que os tempos pareçam demasiado sombrios. Ato pelo qual esperamos sempre reafirmar que seguimos vivos, ato de reinvenção”, completa, Eduardo Moreira.

Márcio Abreu
Dramaturgo, diretor e ator. Fundador e integrante da Companhia Brasileira de Teatro, sediada em Curitiba. Desenvolve projetos de pesquisa e criação de dramaturgia própria, releitura de clássicos e encenação de autores contemporâneos inéditos no país. Realiza ações de intercâmbio com artistas do Brasil e da França. Entre seus trabalhos recentes estão Vida (2010), texto e direção, baseado em Paulo Leminski; Oxigênio (2010), do russo Ivan Viripaev, adaptação e direção; Isso te interessa? (2011), da francesa Noëlle Renaude, tradução, adaptação e direção; Enquanto estamos aqui (2012), dramaturgia e direção, solo de dança e teatro com a coreógrafa Marcia Rubin; Esta Criança (2012), do francês Joël Pommerat, direção, pareceria entre a companhia brasileira e Renata Sorrah. “Krum” (2015) também veio como fruto deste encontro com a atriz. Escreveu uma versão de Os três porquinhos para a Commedie Française, dirigida por Thomas Quillardet, com temporada de estreia em 2012, em Paris. Autor de A história do rock por Raphaelle Bouchard, que estreou em Limoges, na França, também em 2012, com a Compagnie Jakart Mugiscué. Recebeu inúmeros prêmios e indicações. Entre eles o prêmio Bravo!, o prêmio Shell, o APCA, o prêmio Governador do Estado, no Paraná, o APTR e o Questão de Crítica. Foi escolhido pelo jornal Folha de São Paulo como personalidade teatral do ano, em 2012.

Ficha Técnia
Elenco:Antonio Edson, Beto Franco, Eduardo Moreira, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André, Teuda Bara.
Direção: Marcio Abreu
Dramaturgia: Marcio Abreu e Eduardo Moreira
Cenografia: Play Arquitetura – Marcelo Alvarenga
Figurino: Paulo André
Iluminação: Nadja Naira
Trilha e Efeitos Sonoros: Felipe Storino
Assistência de Direção: Martim Dinis e Simone Ordones
Preparação musical e arranjos vocais/instrumentais: Ernani Maletta
Preparação vocal e direção de texto: Babaya
Colaboração artística: Nadja Naira e João Santos
Assistência de Figurino: Gilma Oliveira
Assistência de Cenografia: Thays Canuto
Cenotécnica e construção de objetos: Joaquim Pereira e Helvécio Izabel
Operação e assistência de luz: Rodrigo Marçal
Operação de som: Fábio Santos
Assistente técnico: William Teles
Assistente de produção: Cleo Magalhães
Confecção de figurino: Brenda Vaz
Técnica de Pilates: Waneska Torres
Fotos de divulgação: Guto Muniz
Imagens escaneadas: Tibério França e Lápis Raro
Registro e cobertura audiovisual: Alicate Conteúdo Audiovisual
Projeto gráfico: Lápis Raro
Design web: Laranjo Design – Igor Laranjo
Direção de produção: Gilma Oliveira
Produção executiva: Beatriz Radicchi
Produção: Grupo Galpão

Equipe Grupo Galpão
Gerente Executivo – Fernando Lara
Coordenadora de Produção – Gilma Oliveira
Coordenadora de Planejamento – Larissa Scarpelli
Coordenadora de Comunicação - Bárbara Prado
Coordenadora Administrativa - Wanilda D’artagnan
Coordenador Técnico e de Luz - Rodrigo Marçal
Produtora Executiva - Beatriz Radicchi
Cenotécnico - Helvécio Izabel
Técnico de Som - Fábio Santos
Assistente Financeiro – Cláudio Augusto
Assistente de produção – Cleber Bordinhon
Assistente Administrativa - Andréia Oliveira
Estagiária de Comunicação - Letícia Leiva
Auxiliar Técnico – William Teles
Recepcionista - Cídia Edvania Santos
Serviços Gerais - Danielle Rodrigues
Gestor Financeiro de Projetos – Artmanagers
Assessor Contábil - Maurício Silva


SERVIÇO:

NÓS - Espetáculo do Grupo Galpão
24 de novembro a 3 de dezembro
Sexta, às 20h, sábado, às 17h e às 20h, e, domingo, às 19h
CAIXA Cultural Brasília - Teatro da CAIXA (SBS Quadra 4 Lotes 3/4 - Asa Sul)
Ingressos: R$20 (inteira) e R$10 (meia)
Vendas somente na bilheteria do Teatro da CAIXA, a partir do dia 18 de novembro
Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira e domingo, das 13h às 21h e; sábado, das 9h às 21h
Classificação indicativa: 16 anos
Duração: 90 minutos
Gênero: teatro contemporâneo
Mais informações: (61) 3206-9448 /3206-6456
A Petrobras é patrocinadora do Grupo Galpão.
Esta temporada em Brasília tem o patrocínio CAIXA e Governo Federal.

==> Foto: Guto Muniz

PROGRAMAÇÃO OFICIAL DO PORÃO DO ROCK 2017

O Porão do Rock chega à 20ª edição no dia 25 de novembro de 2017 (sábado), a partir das 15h, no Estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha (Eixo Monumental, centro de Brasília), reunindo 26 atrações (12 nacionais e 14 do Distrito Federal) em três palcos, das quais 15 são inéditas na história do festival. Serão 12 horas de evento, que contará também com praça de alimentação/food trucks, praça de esportes radicais, loja com produtos oficiais (camisetas, CDs, bonés, etc), camarote lateral (com acesso à frente dos palcos – apenas para convidados), stands Porão Sustentável (com ações voltadas para sustentabilidade, acessibilidade e inclusão social) e Rodas da Paz (para quem for de bicicleta).

Os ingressos de pista, a R$ 20 (meia-entrada social) + 1kg de alimento não-perecível (menos sal e fubá), podem ser adquiridos nas lojas Chilli Beans (Conjunto Nacional, Pátio Brasil, Boulevard Shopping, Alameda Shopping, Taguatinga Shopping e JK Shopping) e Made in Brazil (ParkShopping) ou online pelo portal Bilheteria Digital (https://goo.gl/BuxPgc). Todos que forem de bicicleta (independente do horário) terão desconto de 50% no ingresso pagando somente R$ 10 na bilheteria. As bikes ficarão abrigadas no stand da ONG Rodas da Paz localizado logo na entrada da arena. Em todos os casos, a doação do alimento deverá ser entregue somente na portaria e na hora do evento, sendo revertido à campanha “Rock contra a Fome”, desenvolvida desde 2003 pela ONG Porão do Rock em parceria com o SESC-DF e que já arrecadou mais de 240 toneladas desde então. A classificação indicativa é 16 anos. Menores de 16 somente entrarão acompanhados por pais ou responsáveis maiores de 18 anos. Até 11 anos a entrada é franca.

Como nas edições anteriores, dois palcos (este ano chamados Budweiser e Claro) estarão dispostos lado a lado – ao terminar o show de um começa o do seguinte. Já o Palco Brasília Capital do Rock, destinado às bandas de rock pesado, ficará posicionado atrás dos outros dois, com programação independente – confira abaixo a programação completa de shows..

Em 19 edições consecutivas realizadas em Brasília desde 1998, o Festival Porão do Rock já foi assistido por mais de 1,1 milhão de pessoas e reuniu 443 bandas/artistas diferentes, sendo 229 somente do Distrito Federal e Entorno, 179 de 17 estados brasileiros e 35 nomes internacionais de oito países.

Link com perfis das 26 atrações: www.sendspace.com/file/4jx0x7
Link com videoclipes das 26 atrações: www.poraodorock.com.br/?p=283


PROGRAMAÇÃO DE SHOWS 

PALCO BUDWEISER
15h – Lupa (DF)
16h10 – Maria Sabina & a Pêia (DF)
17h20 – Toro (DF)
18h40 – Finger Fingerrr (SP)
20h – Elza Soares (RJ)
22h05 – Rocca Vegas (CE)
23h40 – Alf Sá (DF)
1h45 – Black Alien (RJ)

PALCO CLARO
15h35 – Eufohria (DF)
16h45 – O Tarot (DF)
18h – Alarmes (DF)
19h20 – Braza (RJ)
21h10 – Ego Kill Talent (SP)
22h45 – Dona Cislene (DF)
0h35 – Baiana System (BA)

PALCO BRASÍLIA CAPITAL DO ROCK
15h – Agressivo Pau Pôdi (DF)
15h45 – Mofo (DF)
16h30 – ARD (DF)
17h20 – Water Rats (SP)
18h10 – Black Pantera (MG)
19h – Eminence (MG)
20h05 – The Grindful Dead (DF)
20h55 – Sepultura (MG)
22h30 – Dark Avenger (DF)
23h35 – Deceivers (DF)
0h40 – Krisiun (RS)


SERVIÇO:

FESTIVAL PORÃO DO ROCK 2017
Dia: 25 de novembro (sábado)
Horário: a partir das 15h
Local: Estacionamento do Estádio Mané Garrincha (Eixo Monumental)

26 atrações: Elza Soares (RJ), Sepultura (MG), Baiana System (BA), Braza (RJ), Black Alien (RJ), Krisiun (RS), Ego Kill Talent (SP), Alf Sá (DF), Alarmes (DF), ARD (DF), Black Pantera (MG), Dark Avenger (DF), Deceivers (DF), Dona Cislene (DF), Eminence (MG), Finger Fingerrr (SP), Rocca Vegas (CE), The Grindful Dead (DF), Toro (DF), Water Rats (SP), Agressivo Pau Pôdi (DF), Eufohria (DF), Lupa (DF), Maria Sabina & a Pêia (DF), Mofo (DF) e O Tarot (DF)

Ingressos: R$ 20 (meia-entrada) + 1kg de alimento não-perecível

Pontos de Vendas
. Bilheteria Digital (https://goo.gl/BuxPgc)
. Lojas Chilli Beans (Conjunto Nacional, Pátio Brasil, Boulevard Shopping, Alameda Shopping, Taguatinga Shopping e JK Shopping)
. Loja Made in Brazil (ParkShopping)

Classificação: 16 anos*
(*) Menores de 16 anos apenas acompanhados de pais ou responsáveis maiores de 18 anos
Até 11 anos a entrada é franca

==> Foto: Divulgação

O líder, Daniel Serra (#29), é o pole position da Stock Car Goiânia 500

Grid definido para a Goiânia 500, a 11ª e penúltima etapa da temporada, e a última rodada dupla do ano na Stock Car. Pela quarta vez na atual disputa, Daniel Serra larga na frente. O piloto da Eurofarma-RC foi o último dos seis pilotos classificados no Q3 a ir para a pista e marcou 1min24s270, desbancando por 65 milésimos de segundo o campeão de 2015 Marcos Gomes.

“A meta era fazer a pole”, destacou Daniel. “Tenho que agradecer a equipe, que tem feito um trabalho muito legal durante o final de semana”, disse, antes de lembrar que não completou tantas voltas durante os treinos sob uma condição que não fosse de chuva.

“Tivemos pouco tempo de pista seca: eu só andei assim no primeiro treino e depois choveu. Hoje consegui dar uma volta no seco e depois choveu de novo. Mesmo assim, pude ver que eu tinha um dos melhores acertos que usei na temporada. Para a classificação o tempo mudou, a pista esquentou e a equipe conseguiu me dar um carro muito bom e competitivo. Estou muito feliz”, resumiu. E mais uma vez, levou o troféu Pole Position HERO ao lado de seu filho Lucas.

Companheiro de equipe de Serra, Ricardo Maurício larga em terceiro com um tempo apenas 80 milésimos de segundo pior que o da pole, com Ricardo Zonta em quarto e o adversário mais próximo de Serrinha na luta pelo título, Thiago Camilo, sai da quinta posição. O surpreendente português António Félix da Costa sai em sexto, tendo passado ao Q3 em sua primeira classificação na Stock Car.

Apesar da chuva que caiu durante o treino livre da manhã deste sábado (18) em Goiânia, a temperatura subiu e a pista secou-se por completo para a classificação disputada no início da tarde. E já começou reservando algumas surpresas: Cacá Bueno e Átila Abreu, por exemplo, ficaram de fora já na primeira parte da sessão, quando Diego Nunes foi o mais rápido.

No Q2, os quinze melhores voltaram à pista para tentar passar ao Q3. Passaram Daniel Serra, Ricardo Maurício, Ricardo Zonta, o estreante António Félix da Costa e Marcos Gomes. Em ordem inversa, eles foram à pista. O português, que faz sua primeira corrida pela HERO após duas participações na Corrida de Duplas (em 2015 e 2016) como convidado de Allam Khodair, foi o melhor piloto do time neste sábado e vai largar em sexto. Denis Navarro, Rubens Barrichello, Max Wilson e Galid Osman fecham os dez primeiros do grid.

A largada da primeira corrida da Goiânia 500 acontece neste domingo (19) às 13 horas; a segunda corrida começa às 14h10 e ambas terão transmissão ao vivo pelo SporTV.

Classificação - Grid de Largada Goiânia 500:
1. 29 Daniel Serra (Eurofarma RC) - 1:24.270
2. 80 Marcos Gomes (Cimed Racing) - 1:24.335 (0.065)
3. 90 Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) - 1:24.350 (0.080)
4. 10 Ricardo Zonta (Shell Racing) - 1:24.357 (0.087)
5. 21 Thiago Camilo (Ipiranga Racing) - 1:24.360 (0.090)
6. 444 Felix da Costa (Hero Motorsport) - 1:24.446 (0.176)

Fora no Q2 (Mais rápido: Daniel Serra)
7. 5 Denis Navarro (Cimed Racing Team) - 1:24.413
8. 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) - 1:24.446
9. 65 Max Wilson (RCM Motorsport) - 1:24.451
10. 28 Galid Osman (Ipiranga Racing) - 1:24.456
11. 30 Cesar Ramos (Blau Motorsport) - 1:24.503
12. 70 Diego Nunes (Hero Motorsport) - 1:24.506
13. 40 Felipe Fraga (Cimed Racing Team) - 1:24.528
14. 4 Julio Campos (Prati-Donaduzzi Racing) - 1:24.590
15. 18 Allam Khodair (Full Time Sports) - 1:24.654

Fora no Q1 (Mais rápido: Diego Nunes)
16. 0 Cacá Bueno (Cimed Racing) - 1:24.430
17. 51 Átila Abreu (Shell Racing) - 1:24.439
18. 46 Vitor Genz (Eisenbahn Racing Team) - 1:24.454
19. 12 Lucas Foresti (Full Time Academy) - 1:24.545
20. 31 Marcio Campos (Blau Motorsport) - 1:24.558
21. 110 Felipe Lapenna (Cavaleiro Sports) - 1:24.598
22. 117 Guilherme Salas (Vogel Motorsport) - 1:24.604
23. 73 Sergio Jimenez (Bardahl Hot Car) - 1:24.622
24. 3 Bia Figueiredo (Full Time Academy) - 1:24.628
25. 83 Gabriel Casagrande (Vogel Motorsport) - 1:24.629
26. 77 Valdeno Brito (Eisenbahn Racing Team) - 1:24.740
27. 8 Rafael Suzuki (Cavaleiro Sports) - 1:24.847
28. 1 Antonio Pizzonia (Prati-Donaduzzi Racing) - 1:24.866


PROGRAMAÇÃO:

Domingo, 19 de novembro
08h25 - Largada (Corrida 2) Campeonato Brasileiro de Turismo
10h00 – Largada Mercedes-Benz Challenge
11h00 - 12h00 – Visitação aos boxes e Volta Rápida na Pista
13h00 – Largada (Corrida 1) Stock Car
14h10 – Largada (Corrida 2) Stock Car
15h35 – Largada (Corrida 2) Copa Petrobras de Marcas

==> Foto: Duda Bairros / Vicar

Cantora Ana Sucha retorna a Brasília com novo show, amanhã (19/11)

O domingo, 19 de novembro, será regada a boa música na Capital. A data marca mais um show da cantora carioca Ana Sucha em Brasília, dessa vez em novo formato, com banda e com repertório repaginado. A apresentação está marcada para às 20h, no Canteiro Central (Setor Comercial Sul). A abertura do show estará a cargo da cantora Mari Blue.

Sucha é uma jovem cantora, compositora e multi-instrumentista carioca. Viveu parte da adolescência em Brasília e, ao voltar para o Rio de Janeiro, com intuito de estudar Psicologia na UFRJ, acabou vendo na música seu caminho possível. Experiente baterista até então, encarou o violão e o canto como desafios, que hoje são seu maior ofício. Foi então que o reconhecido produtor Eugenio Dale – que já trabalhou com Ana Carolina, Elba Ramalho, Ney Matogrosso, Baby do Brasil e Dominguinhos – juntou-se a ela para a gravação do disco “Inês”, seu primeiro de carreira.

A cantora já esteve em Brasília apresentando seu disco de estreia, "Inês”, num formato de show solo onde ela conta com auxílio de loopers e pedais de efeito. Dessa vez, estará muito bem acompanhada por sua banda, apelidada carinhosamente de "Such-a band", numa brincadeira com seu nome. Com Eugênio Dale na bateria, Mari Blue nos teclados e Mario Wamser no baixo, Ana promete um show revigorado e com mais pressão, além de repertório renovado. Com clipe recém lançado da música "Uma mulher feliz” e com novo single, “Todo dia”, o show promete boas surpresas.

Além dela, Mari Blue sobe ao palco para abrir a noite. Cantora carioca em ascensão, ela traz ao palco as canções de seu álbum "Fruto da flor”, lançado em 2016. Os ingressos para a apresentação estão à venda online pelo valor promocional de R$ 15 (https://goo.gl/ah7RdC). Quem decidir comprar no dia pagará R$ 25.


SERVIÇO:

Ana Sucha em Brasília
Quando: 19 de novembro, a partir das 20h
Local: Canteiro Central
Ingressos: Antecipados (online) – R$ 15 – Sympla: https://goo.gl/ah7RdC
Na hora: R$ 25
Mais informações: umnomecomunicacao@gmail.com

Saiba mais sobre Ana Sucha e o disco “Inês”
A originalidade e o talento de Ana Sucha, em pouco tempo de estrada, já a levaram para grandes palcos dentro e fora do Brasil. Depois de tocar no maior festival de música brasileira da Holanda – por onde também passaram Caetano Veloso, Gilberto Gil e Maria Gadú, Ana Sucha apresenta seu disco de estreia, “INÊS”, com produção de Eugenio Dale, que trata de suas vivências enquanto “ser mulher”, dotado de sentimentalidades, ironia e boas doses de diversidade musical.

O nome do disco é inspirado pela história de Inês de Castro, uma jovem mulher que vivia um amor proibido com D. Pedro I de Portugal. Ela foi brutalmente assassinada a mando do pai do seu amado – anos após ser morta, foi coroada como rainha. "Inês" trás consigo essa mensagem de que a mulher mesmo sendo preterida, agredida ou morta dentro desse um sistema extremamente machista em que vivemos - ela tambem é rainha. E no disco, ela busca e entende sua força.

Autodidata, Ana Sucha toca – junto com Eugenio Dale – praticamente todos os instrumentos no disco. Nas faixas "Seis sentidos" e "Eu sorrio bem mais", eles contam com a participação dos incríveis Frederico Puppi (violoncelo) e Gustavo Corsi (guitarra). Já na canção "Onde você está?" e “Bagatelas”, quem participa é Dennis Novaes (cavaquinho).

Ana assina sete das 10 faixas do disco, ora sozinha, ora acompanhada por parceiros como Eugenio, Dennis, Suely Mesquita ou Zerzil. Também assinam canções, João Paulo Gusmão e Dennis Novaes, parceiros da cantora da época em que vivia em Brasília, e Zerzil.

“Doze temporadas”, balada de Ana Sucha, abre o disco sentenciando a superação de um relacionamento – consigo mesma - por meio da música. A canção dá o tom da poética de Sucha, onde há espaço para sentimentalidades e ironia. A “volta por cima” e o sentimento de libertação para ser quem e o que quiser ser, pode ser ouvido na faixa seguinte, “Do Fundo do Poço”, um pop-rock assinado por Sucha e Zerzil.

“Uma mulher feliz”, terceira faixa do disco, tem assinatura de Ana Sucha, Eugenio Dale e Suely Mesquita, e remonta influências da música paraense, com sintetizador bem marcado, para falar de uma relação homossexual com o “eu-lírico” do disco, a Inês. Divertida, a faixa promete encabeçar as preferidas do público, com seguinte a frase: “Ô mamãe/Há mais de um mês/Tô namorando a Inês/Nem reparei no rapaz”. A sequência traz “Meu nome é tchau”, de Ana Sucha e Suely Mesquita, e traz um funk carioca irônico sobre o término de uma relação opressora.

A balada “Seis sentidos” é uma boa declaração de amor à carioca e confere ao disco caráter popular, com promessas de boa aceitação radiofônica. Emenda-se a esta, “Sobre pássaros, flores e espinhos”, do compositor brasiliense Dennis Novaes. A faixa, que originalmente foi composta como samba, ganha, no disco, um potente arranjo roqueiro e traz uma bela reflexão sobre o amor: “Amor/A vida é feito um passarinho/É como a flor e o espinho/Tem o cantar e o sofrer”.

“Onde você está?” tem linha melódica doce e se apresenta como uma balada que versa sobre a solidão de forma muito criativa e contemporânea. Em “Vermelho cor de sangue”, de Zerzil, Ana Sucha empunha campanha feminista com letra forte e depoimentos de mulheres sobre o primeiro assédio que sofreram colados em pastiche ao longo da canção, a exemplo do videoclipe da música - lançado no dia internacional da mulher.

No “samba quadrado” “Eu sorrio bem mais”, uma composição de Dennis Novaes e João Paulo Gusmão, encontra-se outra volta por cima, com bela linha de violoncelo em diálogo com a voz de Ana Sucha. O disco termina com “Bagatelas”, canção de mensagem positiva que remete ao blues e tem na “fofura” e na brincadeira seu eixo central, com coro bem marcado, gravado por amigos da cantora. Inês está disponível em todas as plataformas digitais.

==> Foto: Bárbara Lopes

Victor & Leo em Brasília, com a turnê em comemoração aos 25 anos de carreira

Poucos artistas podem se dar ao luxo de ter um show formado de praticamente apenas canções de seu próprio repertório. Desde março, é isso que Victor & Leo apresentam por todo país numa turnê especial, em comemoração aos 25 anos de carreira. Em Brasília, a dupla faz show no dia 25 de novembro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Com novidades no cenário e na iluminação, o show é um verdadeiro passeio por cada etapa da carreira da dupla, desde os primeiros hits, como “Amigo apaixonado”, “Fada”, “Vida boa” e “Fotos”, passando pelas consagradas “Borboletas”, “Tem que ser você”, “Deus e eu no sertão” e “Quando você some”, até sucessos mais recentes como “Na linha do tempo”, “10 minutos longe de você” e “Momentos”.

Conhecidos como uma das maiores e mais versáteis duplas do país, Victor & Leo deram início à carreira musical em 1992, na cidade em que foram criados, Abre Campo-MG. Compositores, produtores, cantores e arranjadores, os irmãos são responsáveis pela construção de quase todos os seus trabalhos.

A dupla que despontou no cenário nacional a partir do final de 2006 com um folk e uma identidade inconfundíveis, trouxe uma profunda renovação para a música como um todo e, de lá para cá, são 14 CDs, 4 DVDs ao vivo e 2 DVDs documentário. Mesmo em tempo de intensa pirataria, Victor & Leo venderam mais de 3,5 milhões de discos, somam quase 500 milhões de visualizações no YouTube, e acumulam diversas premiações na carreira, entre elas, a do Grammy Latino e do Prêmio da Música Brasileira.


SERVIÇO:

Victor e Leo: "comemorando 25 anos de carreira”

Data: 25 de novembro (sábado) 
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães - Eixo Monumental
Horário: 21h
Duração: Aproximadamente 2h - abertura do teatro 1h antes do início.

Ingressos:
POLTRONA SUPERIOR - R$ 90,00 (meia)
POLTRONA ESPECIAL B- R$ 120,00 (meia)
POLTRONA ESPECIAL A- R$ 150,00 (meia)
POLTRONA VIP LATERAL - R$ 180,00 (meia)
POLTRONA VIP - R$ 220,00 (meia)
VIP LOUNGE - R$ 2.000,00
SOFÁ DE 4 LUGARES COM MESA DE CENTRO Incluso whisky Chivas 12 anos, água de coco e água.
*Valores de Ingressos: Meia entrada sujeitos à alteração sem aviso prévio.
 

FORMAS DE PAGAMENTO: Dinheiro, cartões de débito e crédito em até 3x - parcelado em até 12x somente pela internet.
*meia-entrada: Estudantes, professores, idosos, deficientes físicos e doadores de 1kg de alimento.
*Assinantes do Correio Brasiliense: Desc. de 50% na compra de até 4 ingressos inteiros, mediante apresentação do cartão (Clube do Assinante), somente na loja Conjunto Nacional.

Pontos de Vendas: Em até 3x nos cartões
Segunda a sábado das 10h às 22h, domingos e feriados 14h às 20h

Conjunto Nacional – Térreo
Sem taxa de serviço

Bras
ília Shopping: Central de Ingressos - G2

P
átio Brasil - 3º piso

Pelo site: www.bilheteriadigital.com - em at
é 12x no cartão
Sujeito a taxa de serviço

Informa
ções: 3364-2694 / 3248-5221
Classificação indicativa: 14 anos

==> Foto: Divulgação

JK Shopping traz Espetáculo Teatral (Neia e Nando) e Show de Mágica (Tio André)

Para a alegria da criançada, a época mais esperada do ano, o Natal, está chegando. E como não podia ser diferente, o JK Shopping já entrou no clima. Por isso, no dia 26 de novembro, a Cia. Néia e Nando estreia o lindo e emocionante espetáculo, “O Natal da Barbie”, que vai falar sobre o verdadeiro significado desse dia tão especial. As músicas que embalam essa história, são uma verdadeira atração à parte e foram escolhidas a dedo. E tem mais! A mágica também promete ser uma programação imperdível de domingo no Tardes Divertidas.

Os espetáculos são gratuitos e acontecem aos domingos, a partir das 15h, na praça da C&A, piso L1.

Confira a programação:

19/11 – Show de Mágica do Tio André
A garotada vai se divertir com muita música, e aparição de bichinhos como coelhos, pombos e periquitos, todos de verdade. E o melhor, a criançada participa da maioria dos números que são pra lá de divertidos e engraçados. No Grand Finale, para surpreender o público, o Tio André vai fazer uma das crianças da plateia levitar.

26/11 – “O Natal da Barbie” com a Cia. Néia e Nando
Barbie e suas irmãs Skipper, Stacie e Chelsea estavam de viagem marcada para Nova York. Junto com a bagagem da trupe, sonhos e ideias fabulosas para o Natal. Porém, os planos de cada bonequinha eram individuais, nada feito em família. Mas uma grande nevasca, no entanto, impede que as irmãs cheguem ao destino, fazendo com que o acaso revele o verdadeiro significado do Natal.

JK Shopping
Endereço: Avenida Hélio Prates, QNM 34 – entre Taguatinga e Ceilândia
Horário praça de alimentação e lazer: segunda-feira a sábado das 10h às 22h. Domingos e feriados das 12h às 22h.
Informações: (61) 3246-8601

==> Foto: Divulgação

Artigo: Do veneno ao remédio

Conheci aquele jovem quando estudava em Ribeirão Preto - SP, em 1960. Depois, já como professor, ele ficou famoso pelos estudos que fazia com veneno da temida Bothrops jararaca. Só mais tarde fiquei sabendo de suas descobertas com aquelas amostras de veneno colhidas das serpentes que só são encontradas aqui na América do Sul e eram transportadas no fusquinha do professor. A história é interessante.

O laborioso professor de Farmacologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, Dr. Sérgio Henrique Ferreira (Franca-SP, 1934 – 2016, Rib.Preto-SP), estava interessado nos efeitos daquele veneno no corpo humano. Levou amostras do material biológico para a Inglaterra onde faria estagio em laboratórios de pesquisa e, lá, conseguiu proceder à separação das frações proteicas daquele veneno. Uma das frações separadas mostrou-se efetiva na redução da pressão arterial de mamíferos, testada em camundongos e cobaias. Estava descoberto o princípio biológico (o inibidor do enzima conversor da angiotensina II) que facilitaria o desenvolvimento posterior do medicamento que iria revolucionar o tratamento da hipertensão arterial (captopril e outros vinte derivados).

Conto essa história justamente para enaltecer a persistência e capacidade de superação de cientistas que trabalham a vida inteira na busca incessante de contribuições científicas que ficam marcadas na história das ciências. O caso daquele professor foi um deles.

O Prof. Ferreira estudava uma serpente que só é encontrada aqui na América, descreveu toda a biologia e ação das frações proteicas descobertas a partir do seu veneno levado aos laboratórios estrangeiros; partilhou seu conhecimento com outros pesquisadores; publicou seus dados observados em revistas científicas prestigiadas e... verificou posteriormente que laboratórios de pesquisa outros produziram a molécula sintética que possibilitou transformar sua pesquisa básica em um medicamento de uso mundial. Conta-se que ele ficou feliz... e continuou trabalhando.

O desenvolvimento da nova droga constituiu um marco no tratamento moderno do síndrome hipertensivo e também na insuficiência cardíaca, felizmente, mas o nome do Prof. Ferreira só foi reconhecido décadas depois pelas sociedades científicas internacionais como o pioneiro descobridor do novo princípio biológico que possibilitou a revolucionária descoberta terapêutica moderna anti-hipertensiva.

Nunca recebeu ele compensação monetária nenhuma pelas descobertas científicas que resultaram em bilionárias vantagens comerciais com os produtos medicamentosos decorrentes.

Até recentemente o professor era visto com o mesmo fusquinha... E feliz!

Francisco Habermann é professor da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu: Contato: fhaber@uol.com.br

==> Foto: Divulgação

Acadêmicos da Asa Norte convida para o Círculo do Samba

A atual tricampeã do Carnaval do DF, Acadêmicos da Asa Norte em conjunto com o Grupo Recreativo Carnavalesco Unidos de Vicente Pires, realizam no próximo sábado, 18, com entrada franca, mais uma edição do Círculo do Samba, com direito a apresentação de vários artistas locais e nacionais.


SERVIÇO:

Círculo do Samba
Data: 18/11
Horário: 21h
Local: Quadra da Acadêmicos da Asa Norte
Endereço: SCEN - Trecho 3 – Lote 9 (ao lado do Minas Tênis Clube)
Atrações Musicais: Charles André-RJ, Grupo Amor Maior, Luciano Ibiapina e Bebeto Cerqueira.

==> Foto: Divulgação

APÓS ANÚNCIO DE PAUSA NA CARREIRA, O RAPPA VOLTA À BRASÍLIA PARA SHOW DE DESPEDIDA

Uma das maiores bandas do pop rock nacional pegou a todos de surpresa ao anunciar uma pausa “sem previsão de volta”, o derradeiro show está marcado para abril no Rio de Janeiro, mas antes, O Rappa se apresenta em Brasília, em 02 de dezembro, no ginásio Nilson Nelson, despedindo-se da cidade com esta emocionante turnê, que tem ingressos a partir de R$ 50,00.

Como toda despedida merece uma grande festa, além d’O Rappa, o evento contará com show de abertura da banda Nação Zumbi, que está de volta ao Brasil, depois de uma turnê de sucesso na Europa, apresentando todos os sucessos de uma carreira de mais de vinte anos.

O evento conta com três setores: o setor superior, localizado na arquibancada; o setor arena palco, localizado na arena em frente ao palco e o camarote, localizado na tribuna de honra do Ginásio em posição privilegiada, com vista frontal do palco. O camarote contará com entrada, bares e banheiros exclusivos, além de pista de dança com DJ e festa após o show. 

O Rappa
O sucesso do grupo fluminense formado por Marcelo Falcão (vocal), Lauro Farias (baixo), Marcelo Lobato (teclados) e Xandão (guitarra), pode ser traduzido em números: 20 anos de carreira, 10 álbuns lançados, 3 milhões de discos vendidos e 5 milhões de curtidas na fanpage do facebook.

A banda apresentará em Brasília o álbum ‘Acústico Oficina Francisco Brennand’, recém-lançado e gravado em Recife, que registra a versatilidade do grupo, atestada pelo vocalista Falcão que faz questão de avisar: “É um acústico diferente, pra cima”.

O público pode esperar clássicos da banda como “Pescador de Ilusões”, “Anjos (Pra Quem Tem Fé)”, “Reza Vela” e “Linha Vermelha”, dentre vários outros. O Rappa apresentará também as inéditas “Uma Vida Só” e “Sentimento”, que já estão entre as tocadas nas rádios de todo o país, juntas, estas duas canções tem mais de 15 milhões de visualizações no YouTube.

Nação Zumbi
Há exatos 20 anos, um dos grupos mais importantes do país lançava seu primeiro registro para a posteridade. Da Lama ao Caos, álbum de estreia de Chico Science & Nação Zumbi saiu em abril de 1994. O trabalho foi um marco de uma turma que criou uma cena que criou um movimento que, enfim, desestabilizou o eixo da produção musical no Brasil.

O segundo álbum, Afrociberdelia, foi lançado em junho de 1996, e em menos de um ano, a banda – e o mundo – perdeu Chico Science. Apesar do baque gigantesco, não foi o fim. “Quando fica a cicatriz, fica difícil de esquecer…”, mas a Nação Zumbi se reestruturou e soube se reinventar ano após ano, disco após disco até chegar aqui. Acumulou então mais seis álbuns de estúdio, além de dois álbuns ao vivo que também viraram vídeos em DVD.

O lançamento do décimo álbum da carreira vem perto do show da Nação Zumbi no Lollapalooza, oportunidade para mostrar as músicas novas e relembrar tantas outras desses 20 anos.

Milhares de passos e milhões de outros lugares, o que era leitmotiv então ficou na essência. Hoje, a banda suscita o manguebeat, mas também faz nascer outros sons, de uma seara lavrada por tantos anos. Não é acaso a Nação Zumbi ser até hoje uma das bandas mais influentes e respeitadas na música brasileira.
Como toda despedida merece uma grande comemoração, a  festa de despedida d´O Rappa em Brasília é um dos eventos mais esperados do ano. Corra e compre seu ingresso!


SERVIÇO:

O Rappa - Último show em Brasília
Data: 02 de Dezembro (sábado)
Horário: abertura dos portões às 20h. Horário dos shows: a definir
Local: Ginásio Nilson Nelson.

Ingressos* (2º lote): 
Setor superior -  R$ 50,00
Arena Palco - R$ 80,00
Camarote - R$130,00
*Valores dos ingressos sujeitos à alterações sem aviso prévio.
*Valores referentes a meia entrada

Pontos de Vendas:
SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA: 
- Loja Bilheteria Digital no Conjunto Nacional
- Lojas Cool Cat (Taguatinga Shopping, JK Shopping e Shopping Sul)
- Lojas KONI (Águas Claras e Sudoeste)
COM TAXA DE CONVENIÊNCIA (R$5,00 por convite):
- Lojas Bilheteria Digital (Alameda Shopping, Brasília Shopping, Pátio Brasil, Liberty Mall)

Call center: 4003-6136
Informações: Telefone: (61) 3554-4005
Classificação indicativa: 16 anos

==> Foto: Divulgação