Exercício etnográfico sobre políticas culturais dos e para os índios

“Há políticas culturais para os índios e há políticas culturais dos índios. Não são a mesma coisa”, afirma a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, organizadora, juntamente com Pedro de Niemeyer Cesarino, do livro Políticas culturais e povos indígenas, ganhador do Prêmio Jabuti em 2015 na categoria Ciências Humanas, agora lançado pela Editora Unesp.

O livro reúne 19 ensaios que procuram distinguir e debater as políticas culturais feitas para os índios, as feitas pelos índios e aquelas que de alguma maneira os envolvem. São observadas não apenas tais políticas, mas também seus pontos de cruzamento e seus efeitos conjugados. 

São efeitos às vezes claros e às vezes sutis. Por isso, a obra é assentada em etnografias. Seu valor, portanto, é acautelar-se diante de generalizações. “Se há semelhanças, sem dúvida, entre sociedades indígenas no Brasil, até entre aquelas distantes no espaço e linguisticamente desconectadas, essas conexões não resultam em homogeneidade. Não se podem generalizar conclusões”, alerta a organizadora da obra, num elogio do estranhamento. É dessa perspectiva que se desenvolve esse livro, ao apontar o insólito sob a aparência do familiar, permitindo-nos exercitar a capacidade de estranhar. 

O direito dos índios de formular suas próprias políticas culturais só foi instituído com a Constituição de 1988. Até então, os projetos existentes visavam ao que se entendia como a “integração” das populações indígenas. Mas “integração” não passava de um eufemismo para um programa de assimilação cultural e de dissolução étnica, afirmam os autores.

Dirigido a quem se envolve em políticas culturais, o livro levanta e comenta difíceis questões como: Qual são as relações adequadas entre a escola e as sociedades indígenas, entre o saber que capacita os índios a melhor se mover na sociedade brasileira e os conhecimentos e práticas tradicionais que se quer valorizar, entre uma tradição oral e uma tradição escrita? É possível ensinar “cultura” na escola? 

Sobre os organizadores - Manuela Carneiro da Cunha é antropóloga. Doutorou-se e ensinou na Universidade Estadual de Campinas (1973-1984), foi professora titular na Universidade de São Paulo (1984-1994) e na Universidade de Chicago (1994-2009). É membro da Academia Brasileira de Ciências. Foi titular da cátedra “Savoirs contre pauvreté” no Collège de France (2011-2012). Recebeu vários prêmios, entre os quais a Ordem do Mérito Científico na Classe Grã Cruz, a Légion d’Honneur da França, a medalha Roquette-Pinto da Associação Brasileira de Antropologia e a medalha da Francofonia da Academia Francesa. Sua atuação distribui-se pela etnologia, história e direitos dos índios, escravidão negra, etnicidade, conhecimentos tradicionais e teoria antropológica.

Pedro de Niemeyer Cesarino é graduado em Filosofia pela Universidade de São Paulo, mestre e doutor em Antropologia Social pelo Museu Nacional/ UFRJ, tendo realizado seu pós-doutorado no Departamento de Letras da Universidade de São Paulo (2008-2010). Foi professor do Departamento de História da Arte da Unifesp e, atualmente, leciona no Departamento de Antropologia da USP. É autor de Oniska – poética do xamanismo na Amazônia (Perspectiva, 2011), terceiro lugar do Prêmio Jabuti de Ciências Humanas, e Quando a Terra deixou de falar – cantos da mitologia marubo (Editora 34, 2013).

TítuloPolíticas culturais e povos indígenas
Organizadores: Manuela Carneiro da Cunha e Pedro de Niemeyer Cesarino
Número de páginas: 517
Formato: 16 x 23 cm
Preço: R$ 69,00
ISBN: 978-85-3930617-6

==> Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário