Benjaminianas: Cultura capitalista e fetichismo contemporâneo

Fortemente influenciado pelo romantismo alemão, pela religião judaica e pelo marxismo, suas reflexões abrangiam o papel da crítica na literatura, nas artes e na sociedade. Seus textos foram bem acolhidos pela Escola de Frankfurt, sendo Theodor Adorno um de seus grandes amigos e parceiros intelectuais.  

Um dos principais objetivos na obra de Benjamin foi o de radicalizar a oposição entre a análise marxista e as filosofias burguesas da história, já que ele considerava essas filosofias responsáveis pelo historicismo identificado com as classes dominantes, em detrimento do ponto de vista dos vencidos. Além disso, era contra a concepção de evolução automática e contínua da civilização. 

Para homenagear as contribuições do pensador, a Editora Unesp destaca, entre os títulos de seu catálogo, livros que abordam a produção de Walter Benjamin. 


O mundo moderno, que acredita ferozmente no progresso e esquece o humano e sua aura, tem em Walter Benjamin um de seus críticos mais lúcidos e brilhantes, uma referência para os estudos da cultura e da comunicação. Dentro do vasto campo de trabalho que sua obra inspira, a professora Olgária Matos se detém na concepção benjaminiana da modernidade. Analisando suas obras desde a Origem do drama barroco alemão às Passagens, associa o fenômeno do fetichismo à vida política e ao estado de exceção. 
Autora: Olgária Chain Féres Matos | Páginas: 304 | R$ 59,00

Autora: Caroline Mitrovitch | Páginas: 184 | R$ 44,00
Neste livro, Caroline Mitrovich realiza a análise de três ensaios fundamentais de Walter Benjamin: "Experiência e pobreza", "Sobre alguns temas em Baudelaire", "Sobre o conceito de história". O propósito por trás dessa avaliação reside em sua tentativa de desvelar as contribuições do filósofo alemão para o campo da Educação. Essas obras de Benjamin contempladas aqui estão centradas nos conceitos de formação cultural e experiência, formulados pelo filósofo como alternativas à ideia de formação pautada na rigidez do saber científico. A autora reflete sobre como essas concepções contribuem para uma visão que se opõe à hegemonia do pensamento cartesiano e lógico, abrindo mais possibilidades para o processo de formação do indivíduo. Neste estudo denso, o livro busca na filosofia benjaminiana os conceitos para avaliar a Educação. 

==> Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário