Festival Dança em Trânsito

O Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília recebe, de 5 a 7 de setembro, o Dança em Trânsito 2019, XVII Festival Internacional de Dança Contemporânea, que reúne espetáculos e artistas do Brasil,  além de companhias da Espanha e França. 

O festival itinerante, produzido pelo Espaço Tápias e que circula pelo RJ, GO, SC, RS, DF e finaliza em Paris (França), não se limita a espaços convencionais como teatros, e promove uma ocupação da arte também em paisagens urbanas, levando o fazer artístico para além dos limites de espaços comumente reservados à dança.  

Assume um formato que une espetáculos e plateia em um casamento orgânico, transporta o artista para “onde o povo está”, intervindo na pulsação dos ritmos citadinos e na rota dos transeuntes.  No Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), o festival  ocupa o teatro I e a área externa, espaços de convivência aberta intensamente frequentados pelo público.  

Na abertura, dia 5, o espetáculo Água, do espanhol Chey Jurado, Bailarino/performance multidisciplinário, mescla estilos de dança urbana,  ocupando o espaço externo. Na sequência, o Ateliê do Gesto, de Goiânia, apresenta Dança Boba, no Teatro do CCBB.  O espetáculo traz a construção de danças a partir de jogos de improviso nos corpos de dois intérpretes. Embalados por um universo sonoro recheado de texturas, uma linha dramatúrgica e poética tece camadas que potencializam e revelam a gestualidade construída a partir de uma gestação de afetos. 

Na sexta, 6, O azul do céu me determina, da companhia carioca Referência em Arte,  será encenado na área externa do centro cultural, às 19h. A profunda intimidade de Manoel com as coisas da terra, com os cheiros e hálitos que marcaram sua infância, se traduz com imensa simplicidade nos poemas do livro, são base para as descobertas coreográficas que Flávia Tápias transforma, por meio do corpo de Renata, numa narrativa que ondula como um rio entre pedras, lodo, bichos, plantas e lembranças, até entrar em estado de árvore.   E a programação da noite continua no Teatro,às 20h,  com duo da companhia francesa  CIA “À FLEUR DE PEAU”, com a montagem Un Ange passe-passe ou Entre Les Lignes Il Y a um Mode. O mote traz questões sobre a comunicação. “Se consideramos o silêncio como a estaca zero da comunicação, é interessante nos questionarmos sobre a importância de uma comunicação além das palavras. Como se fazer entender neste mundo onde a comunicação é praticamente onipresente, mas se resume quase sempre num diálogo de surdos?”.

E para encerrar a passagem do Dança em Trânsito por Brasília, no dia 7,  às 15h30, o Grupo Tápias, do Rio de Janeiro, apresenta o infantil Creme do Céu. No enredo, a queda acidental de uma estrela na Terra é o ponto de partida para o espetáculo.  Criado originalmente em 2017, na França, pelo Grupo Tápias, a apresentação reúne dança, teatro e videoarte e ganha uma nova versão brasileira, em 2019. E às 16h30, no espaço aberto, o solo Bolero de 4, de João Neto (Salvador/BA).  O espetáculo faz um diálogo entre os princípios da dança contemporânea e as técnicas esportivas de bicicleta BMX. Esta mistura estética desloca o esporte para o ambiente artístico e vice-versa.

E logo após,  o público poderá apreciar o resultado da residência da Cia “À fleur de Peau” / Brasil e França, De Corpo a Corpo – A Transmissão, realizada no Rio de Janeiro neste edição do festival .                          

Em 2019, DANÇA EM TRÂNSITO abraça também o Festival Tápias, que foi um dos maiores festivais do gênero em nossa cidade, integrando o calendário de eventos culturais do Rio de Janeiro. Há 10 anos interrompido, o Festival Tápias volta como uma das veias do DANÇA EM TRÂNSITO, evento anual, também idealizado e realizado pelo Espaço Tápias. Passa a identificar-se como Festival de Dança do Rio – Tápias, e passa a apresentar, também, o Festival de Esquetes de Teatro – Tápias .


Programação Brasília

05 de setembro – 5ª feira

CHEY JURADO        Barcelona, Espanha
 Água                                                                                     14 min
19h      Centro Cultural Banco do Brasil / Área Externa – gratuito

ATELIÊ DO GESTO     Goiânia/GO, Brasil
Dança boba                                                                          50 min
20h          Centro Cultural Banco do Brasil / Teatro I


06 de setembro – 6ª feira
REFERÊNCIA EM ARTE       Rio de Janeiro/RJ, Brasil                   
O azul do céu me indetermina                                            17 min
19h     Centro Cultural Banco do Brasil / Área Externa - gratuito

CIA “À FLEUR DE PEAU”        Paris, França               
Un ange passe-passe ou entre les lignes il y a un monde        75 min
20h         Centro Cultural Banco do Brasil / Teatro I


07 de setembro – Sábado
GRUPO TÁPIAS     Rio de Janeiro/RJ, Brasil                                   
Creme do céu                                                             50min
15h30        Centro Cultural Banco do Brasil / Teatro I

JOÃO NETO      Salvador/BA, Brasil                                                   
Bolero de 4                                                                              16 min
Resultado da residência da Cia “À fleur de Peau” -Brasil e França   -                                                                                             15 min
16h30        Centro Cultural Banco do Brasil / Área Externa - gratuito


SOBRE OS ESPETÁCULOS

CHEY JURADO – Barcelona, Espanha
ÁGUA ( 14min)

Água, o elemento que supera as adversidades, elemento puro, necessário, moldável, elemento liquido, rígido, volátil, decisivo em dar vida ou tirá-la.... imprevisível peça que envolve o intérprete em uma regressão a esses múltiplos estados e sensações.
Classificação: LIVRE

Créditos: Criado e interpretado por Chey Jurado

Chey Jurado é um bailarino/performance multidisciplinário, desde o início a mescla de estilos de dança urbana o caracterizam e o tem formado como artista, atualmente, segue pesquisando novas maneiras de entender o movimento como a dança contemporanea e criando suas proprias obras.



ATELIÊ DO GESTO – Goiania/GO, Brasil
DANÇA BOBA (50 MIN)

Dança Boba é um espetáculo que se funda na construção de danças a partir de jogos de improviso nos corpos de dois intérpretes. Embalados por um universo sonoro recheado de texturas, uma linha dramatúrgica e poética tece camadas que potencializam e revelam a gestualidade construída a partir de uma gestação de afetos. As danças construídas ganham potência a partir da simplicidade, transitando desde memórias, nostalgias, leveza, dramaticidade, ludicidade. Aqui a Dança se faz Boba numa gentil efemeridade do tempo, na construção real de mundos possíveis pois tudo é teatro, metáforas sobre uma possível estória que “talvez” vamos contar pra você.

O GRUPO: 
Ateliê do Gesto nasceu da busca por novas percepções e diálogos com outras linguagens artísticas no corpo em movimento. Através de identificações estéticas e o desejo de trabalharem num projeto autoral, João Paulo Gross e Daniel Calvet (artistas com carreiras consolidadas e passagens por importantes cias de dança no Brasil), se juntaram para pesquisar o corpo, tendo como ponto de partida o movimento e sua construção dramatúrgica na cena em colaboração com outras áreas do fazer artístico. Um espaço de pensamento para que possamos contribuir para a identificação do que nos torna mais humanos, através da cultura brasileira.

Classificação: LIVRE

Créditos:
Direção Geral: Daniel Calvet
Criação e Interpretação: Gleysson Moreira e Daniel Calvet
Figurino: Solár = Jader Magalhães
Iluminação | Cenografia | Projeção: Daniel Calvet
Assistente de ensaios: João Paulo Gross
Produção: Ateliê do Gesto

REFERÊNCIA EM ARTE | Renata Versiani  –  Rio de Janeiro/RJ, Brasil
O AZUL DO CÉU ME INDETERMINA  (17 min)

A profunda intimidade de Manoel com as coisas da terra, com os cheiros e hálitos que marcaram sua infância, e que se traduz com imensa simplicidade nos poemas do livro, são base para as descobertas coreográficas que Flávia Tápias transforma, por meio do corpo de Renata, numa narrativa que ondula como um rio entre pedras, lodo, bichos, plantas e lembranças, até entrar em estado de árvore.  Em”O azul do céu me indetermina", a narrativa coreográfica é propositalmente imprecisa, fluida, aparentemente solta; o movimento conta histórias em seu percurso, ao mesmo tempo em que suscita reações do público. 
Classificação: LIVRE
Créditos:
Nome dos integrantes Renata Loes Versiani,

Produtora artística criada pelas bailarinas e diretoras de movimento Fernanda Cavalcanti e Renata Versiani. Funciona como um polo de ideias no campo da dança e das artes. Depois de trabalharem juntas em diversas companhias de dança cariocas e de participarem de projetos como coreógrafas assistentes e diretoras de movimento, Fernanda e Renata decidiram, em 2016, dar destino a um desejo antigo. Surge então o Referência em Artes, um núcleo criativo que tem como objetivo promover a arte e suas reflexões em um constante diálogo entre artistas e público através de oficinas, performances, espaço de dança, workshops e intervenções artísticas.



CIE « À FLEUR DE PEAU »  –  Paris, França
« UN ANGE PASSE-PASSE OU ENTRE LES LIGNES IL Y A UN MONDE » (75 min)

Neste primeiro duo depois de quase doze anos em grupo, os dois coreógrafos nos livram a quinta-essência do seu ‘savoir-faire’. Um verdadeiro hino ao silêncio que une, através de uma cascata de milhares de gestos precisos e sutis, o humor à emoção e a generosidade ao domínio perfeito de um estilo inimitável. Se consideramos o silêncio como a estaca zero da comunicação, é interessante nos questionarmos sobre a importância de uma comunicação além das palavras. Como se fazer entender neste mundo onde a comunicação é praticamente onipresente, mas se resume quase sempre num diálogo de surdos?

Instalados em Paris, Denise Namura e Michael Bugdahn fundaram a cie. « à fleur de peau » em 1989; no seu repertório contam com mais de quarenta coreografias. Criaram também peças para companhias como o Balé da Cidade de São Paulo, Cia. Cisne Negro, Cia. de Danças de Diadema, Bernballett, Rotterdamse Dansacademie, Cirka Teater e para a Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo. A companhia participou de diversos eventos internacionais de renome e apresentou seus espetáculos em aproximadamente quinze países; obtiveram vários prêmios. Teve como principais parcerias a Cie. Maguy Marin/CCN de Rillieux-la-Pape, a Maison de la Danse de Lyon, a Fondation BNP Paribas, l’ADAMI, l’ONDA e o Centre National de la Danse, Pantin.

Classificação: LIVRE

Créditos:
Concepção, coreografia, interpretação & cenografia : Michael Bugdahn, Denise Namura
Música : Paolo Conte, Gregor Strnisa (All Capone), Les Yeux Noirs, Wolfgang Amadeus Mozart, René Aubry, Philip Glass, Goran Bregovic, Georges Delerue, Ludwig van Beethoven, Tom Tykwer/Reinhold Heil/Johnny Klimek
Luzes, texto & realização trilha sonora : Michael Bugdahn
Figurino: Jean-Jacques Delmotte
Adereços : Maria Adélia
Cenografia : Florent Avrillon, Vincent Masquelier, Françoise Brouté
Co-produção: Compagnie « à fleur de peau » & Théâtre de l'Enfumeraie
Apoio : Ville d'Allonnes, D.S.U. d'Allonnes/Préfecture de la Sarthe, Conseil Général de la Sarthe, Conseil Régional des Pays de la Loire, Association Journées Danse-Dense, Arcadia, Avidia, Emmaüs, Val'Rhonne (Moncé en Belin), L'Arc-en-Ciel. 


GRUPO TÁPIAS – Paris, França
CREME DO CÉU (  50 min)

A queda acidental de uma estrela na Terra é o ponto de partida de Creme do Céu. Criado originalmente em 2017, na França, pelo Grupo Tápias, o espetáculo infantil reúne dança, teatro e vIdeoarte e teve uma nova versão brasileira, em 2019.

O texto, escrito originalmente por Rosane Alves, conta as aventuras de uma estrela curiosa que cai no planeta Terra e precisa encontrar uma forma de voltar ao céu. Para isso, conta com a ajuda de um adolescente, uma astrônoma e sua aprendiz. Enquanto buscam alternativas para o retorno da estrela, os quatro explicam o que é o Sistema Solar e as características de seus planetas de forma lúdica e divertida.

Classificação: LIVRE

Créditos:
Direção artística: Giselle Tápias e Flávia Tápias
Texto original: Rosane Alves
Adaptação de texto: Flávia Tápias, Giselle Tápias e Letícia Kaminski
Coreografias: Flávia Tápias e Giselle Tápias
Colaboração Artística e Direção de Ator: Letícia Kaminski
Elenco:
Flávia Tápias (Estrela)
Guilherme Gomes (Menino)
Paula Braun (Astrônoma)
Renata Versiani (Aprendiz)
Direção de Produção: Espaço Tápias
Produção Executiva: Sonia Reinstein
Criação de Vídeos: Eva Clouard
Criação e edição do vídeo de abertura: Márcio Schwartz
Criação de luz: Paulo César Medeiros
Criação dos Figurinos e Adereços: Espetacular Produções e Arte - Ney Madeira e Dani Vidal
Costura: Mara Mello
Adereços: Cláudia Taylor
Visagismo: Carolina Campanha
Programação Visual: Leticia Andrade
Realização: Espaço Tápias / Grupo Tápias
Coprodução: Les Bords de Scenes (Athis-Mons, Juvisy-sur-orge, Morangis) l DRAC – Paris
Dança em Trânsito - Brasil
Apoio:
Les Recollet /França
Rencontre Essonne Dans/França
Referência em Artes/ Brasil
Chez Bombom/ Brasil

O Grupo Tápias é uma companhia de dança contemporânea com atuação no Brasil e no exterior, que conta com parcerias para a coprodução de alguns dos seus espetáculos, tanto no Brasil como na França. Como a coreógrafa Flávia Tápias foi artista residente no Les Bords de Scènes no ano de 2017, Creme do Céu é uma coprodução do Les Bords de Scènes com apoio do DRAC Paris e do Centro Les Récollets, que fez sua estreia nos dias 04 e 05 de março de 2017, na França, dentro da programação do Rencontres Essonne Danse.


JOÃO NETO – Salvador/ BA, Brasil
BOLERO DE 4 (16 min)
O espetáculo faz um diálogo entre os princípios da dança contemporânea e as técnicas esportivas de bicicleta BMX. Esta mistura estética desloca o esporte para o ambiente artístico e vice-versa, criando assim, outros significados particulares e próprios onde o dançarino - performer poderá expressar sentimentos, construir discursos e enfim criar uma linguagem própria. Desenvolve uma nova possibilidade e aplicação cênica para a bicicleta BMX que através dos movimentos realizados durante a coreografia, expondo outras abordagens artísticas com a BMX que não fossem meramente acrobáticas, tirando do âmbito esportivo para um ambiente artístico sugerindo um novo olhar onde se quebra e reconstrói a imagem e a relação do ciclista e sua bicicleta para o publico. É uma dança circular e crescente assim como a música utilizada, o bolero de Ravel, e retrata de forma poética a história, o relacionamento e a cumplicidade entre o dançarino e sua parceira de cena.

Classificação: LIVRE

Créditos:
Concepção, Criação e Direção: Luiz de Abreu
Interprete criador: João Rafael
Produção: Lazúli Cultura - Jacqueline de Castro
Assistente de Produção: Laura de Castro (Rio de Janeiro)
Trilha Sonora: Bolero de Ravel de Maurice Ravel



DE CORPO A CORPO - A TRANSMISSÃO
DEMONSTRAÇÃO FINAL DOS MÓDULOS TRABALHADOS DURANTE A OFICINA COM PROFISSIONAIS DA DANÇA NO RIO DE JANEIRO
Com: denise namura & michael bugdahn

O objetivo da oficina é a pesquisa sobre a teatralização do movimento dançado. Terá como eixo principal a transmissão de trechos do repertório da companhia « à fleur de peau ». 

As sessões serão compostas de diversos exercícios que tratarão dos seguintes elementos : qualidades, dinâmicas e musicalidade do movimento, independência das articulações, olhar e presença, sub-texto do movimento dançado, noção de espaço, disponibilidade, e finalmente criação de seqüências visuais e coreográficas.

Cada dia o aquecimento terá um aspecto diferente para poder aprofundar e desenvolver o potencial de cada intérprete. Em seguida, a preparação necessária ao gestual próprio à cie. «à fleur de peau» e a transmissão de trechos do repertório.

No final da oficina, uma demonstração com extratos dançados do nosso repertório e módulos construídos durante a oficina. Colocando em evidência a transmissão desta técnica e dessa linguagem  tão específica para o corpo de outros bailarinos.

Transmitindo nossa técnica e nosso ‘savoir-faire’, nossa pedagogia é cada vez mais orientada para uma análise da criação cênica como verdadeiros laboratórios que colocam num primeiro plano a individualidade e a criatividade de cada um dos participantes. Nosso trabalho pedagógico é intimamente ligado à nossa pesquisa e nossa linguagem.


Ficha Técnica DANÇA EM TRÂNSITO 2019

Direção artística e curadoria – Giselle Tápias e Flávia Tápias
Direção de produção – Espaço Tápias
Gestão – Espaço Tápias
Produção executiva – Miçairi Guimarães e Sonia Reinstein
Asistente de produção Marina Paiva
Produção em Brasília Jamburana Produções
Logística –  Sonia Reisntein e Letícia Nascimento
Coordenação técnica – Juan Andrade e Louis Radavelle
Técnico de som – Gabriel Gomes
Técnico de Luz Welton Parreiras
Assessoria de Imprensa – Tato Comunicação (Brasília)
Programação Visual – TRUQUE www.truque.co
Web design – TRUQUE
Revisão e Edição de Textos –  Rosane Alves
Tradução de Textos – José Santoro
Fotografia e Vídeo – Fernanda Vallois
Equipe de apoio: Spectaculu Escola de Arte e Tecnologia



DANÇA BOBA / ATELIÊ DO GESTO


BOLERO
teaser do espetáculo: https://vimeo.com/254205209

Seguem os links de várias atraçòes: 


Chey Jurado – Agua
https://www.youtube.com/watch?v=Tlit4Vno9L0 (com som e mais movimentação a partir de 9’08)




À fleur de peau - Un ange passe-passe ou entre les lignes il y a un monde 



João Rafael Neto – Bolero de 4


SERVIÇO:

Dança em Trânsito 2019
Local: Teatro e área externa do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)
Datas: 5, 6 e 7 de setembro de 2019

Ingressos* para espetáculos no Teatro: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia entrada e clientes BB com Ourocard)
Vendas na bilheteria do CCBB e também no site www.eventim.com.br
*Os espetáculos na área externa têm acesso livre
Endereço: SCES Trecho 2 – Brasília/DF  Tel.: 61 3108-7600
Ci - LIVRE
Confira mais informações no site: bb.com.br/cultura

==> Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário