Giramundo: Exposição, palestra, oficina e apresentação de espetáculos

Os amantes do teatro de bonecos têm muito o que comemorar: o grupo mineiro Giramundo estará em Brasília até o dia 27 de novembro para grande mostra na Caixa Cultural Brasília. Na Mostra Mundo Giramundo, o grupo que é conhecido como um dos mais estáveis do teatro brasileiro promete exposição sobre processo criativo, apresentação dos espetáculos “Alice no País das Maravilhas” (7 a 9/10), “Pedro e o Lobo” (4 a 6/10) e oficina de manipulação de bonecos (24/11).

A saga na Capital começa com a exposição que recria os 50 anos de trajetória do grupo. Em uma instalação cenográfica, o público entra em contato com croquis, desenhos, estudos, projetos, anatomia de bonecos e exemplares de títeres e marionetes que contam a história dos 34 espetáculos do Giramundo.

Com entrada franca, a exposição segue em cartaz até dia 27 de novembro, com visitação de terça a domingo, das 9h às 21hm, na Galeria Principal da Caixa Cultural. Peças de acervo do Museu Giramundo, aberto em 2001 no bairro Floresta, em Belo Horizonte, compõem a mostra, que tem curadoria do grupo.

Nos dias 4, 5 e 6 de outubro, a companhia apresenta a peça “Pedro e o Lobo”. “É dever do compositor servir seus companheiros, embelezar a vida humana, e apontar o caminho para um futuro radiante”. Com esta afirmação cheia do otimismo pós revolucionário, Sergei Prokofiev anunciava em 1933, ao voltar do ocidente para a Rússia, sua terra natal, a função social de sua música: contribuir para a construção de um mundo melhor. Neste momento, Prokofiev, recebendo sugestão de Natalie Satz (diretora do Teatro Infantil de Moscou), concebe a história de um valente menino e de um lobo, para ensinar às crianças as diferenças entre os instrumentos de uma orquestra. Após duas semanas a música estava pronta. O sucesso da peça musical foi imediato. Prokofiev ganha enorme reputação como “compositor infantil”, a ponto do Comissário de Suprimentos do Governo Soviético, Anastas Mikoyan, convidá-lo para conduzir um programa de popularização de canções, poemas e contos infantis tradicionais.

A versão para bonecos de Pedro e o Lobo reforça com imagens a ideia inicial da versão musical: compartilhar com as crianças a estrutura elementar de uma orquestra, seus principais timbres e grupos de instrumentos. O Giramundo optou pelo marionete a fio por sua ampla gama de movimentos que proporcionam grande possibilidade de expressão. A figura e o texto do narrador, previstos na partitura de Prokofiev, foram substituídos pelos marionetistas que reduziram as intervenções explicativas dentro da parte musical e reforçaram as informações sobre os instrumentos musicais. A ideia teatral do espetáculo é sintética e comunicativa. Os cenários foram substituídos por um desenho em um quadro negro, as vozes dos personagens surgem ao vivo e o plano do palco passa a ser o do chão. Ao mesmo nível dos pequenos espectadores. O resultado é uma grande brincadeira onde as crianças se divertem e aprendem.

“Pedro e o Lobo” teve estreia em um shopping de Belo Horizonte e sua montagem foi uma das menos pretensiosas do grupo. O ano era 1993 e a oficina em que os artistas trabalhavam passava por uma reforma. O espetáculo, no entanto, é até hoje a maior bilheteria do Giramundo. Ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

Entre 7 e 9 de outubro, o Teatro da Caixa recebe a apresentação do espetáculo “Alice no País das Maravilhas”, montagem de 2013 que sintetizou, à época, os 40 anos de trabalho do grupo, com um retrospecto da experiência acumulada por seus membros e os novos rumos tomados pela companhia a partir dos anos 2000. Vídeo animações e teatro de bonecos são a base para “Alice”. Na peça, o grupo investiga as possibilidades de convivência entre linguagens tradicionais e novas tecnologias. Cria-se aqui um “teatro virtual”, com o uso de bonecos digitais e projeção mapeada capazes de oferecer ao espectador uma experiência multissensorial, ampliando as possibilidades cênicas.

A sincronia entre atores, bonecos, vídeos e som gera uma organização que não pode ser caracterizada como ópera ou musical. Uma sobreposição de camadas de elementos cênicos que provoca a profusão de estímulos e amplia a recepção de sentidos e a sensação hipnótica e onírica na qual o espectador imerge, a exemplo do texto original de Lewis Carroll. A montagem é baseada na trilogia formada por Pinocchio, Vinte Mil Léguas Submarinas e Alice no País das Maravilhas, e não somente no texto que dá título ao espetáculo. Sessões às 19h no dia 7 de outubro, e às 16h nos dias 8 e 9 de outubro, com ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

Com direção geral e roteiro adaptado de Marcos Malafaia, além da assistência de direção de Beatriz Apocalypse, a montagem ganha a animação de Ulisses Tavares, Marcos Malafaia, Guilherme Amarante, Vinícius Ladeira e Lucas Cancela. A música original, gravada para o espetáculo, tem assinatura de Fernanda Takai, ao lado de John Ulhoa (direção musical) e Lulu Camargo, membros do Pato Fu. “Alice” conta, ainda, com vozes de Takai, Beto Militani e Arnaldo Baptista.

Para complementar a estada do grupo na capital, uma oficina gratuita ministrada por Beatriz Apocalypse ainda é oferecida. Em “Treinamento de Manipulação para Marionetistas” a diretora da companhia repassa os princípios da manipulação profissional de bonecos, especialmente das técnicas de vara, fio e balcão. Cenas do repertório do grupo e bonecos de acervo serão utilizados na oficina, que busca proporcionar uma vivência concreta da arte do teatro de bonecos através de suas possibilidades expressivas.

Realizada dentro do Teatro da Caixa, com iluminação e palco profissionais, a oficina é uma novidade na história do grupo, já que utiliza os bonecos e cenas originais do Giramundo como base do trabalho. A oficina tem carga-horária de seis horas, de 09h às 12h e 14h às 18h e conta com 18 vagas a serem preenchidas por pessoas acima dos 16 anos. Inscrições por meio do site http://www.giramundo.org/.


SOBRE O GIRAMUNDO
O Giramundo foi criado em 1970, pelos artistas plásticos Álvaro Apocalypse, Tereza Veloso e Madu. O grupo conta com 34 espetáculos teatrais criados, sendo que 19 destes ainda estão em repertório, além de acervo próximo dos 1500 bonecos e objetos de cena. Suas montagens experimentaram o boneco em múltiplas formas, criando um variado panorama técnico e expressivo do teatro de bonecos.

Nos anos 1970 e 80, a formação acadêmica e artística de seus fundadores imprimiu no grupo o rigor metodológico e atenção estética no planejamento de seus bonecos e espetáculos. Estas características, unidas ao interesse pela cultura brasileira, trouxeram reconhecimento nacional ao Giramundo, garantindo seu lugar na história do Teatro Brasileiro.

Durante os anos 2000, o Giramundo conquistou sua sede própria, base para seu Museu, Escola e Estúdio de Animação. Neste período o grupo concentrou sua atenção na produção de animações e conteúdo digital. Mais recentemente, iniciou a produção e comercialização de livros, vídeos e brinquedos, incorporando o pensamento industrial ao seu modelo de sustentabilidade institucional.

Atualmente, o Giramundo tem encarado seu papel no teatro brasileiro como núcleo multimídia, experimentador de uma cena de animação, onde convivem bonecos reais e suas versões digitais. Essa mistura do teatro de bonecos – vídeo, animação, música, dança e artes plásticas – parece ser o território do grupo no século XXI.


FICHA TÉCNICA DE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS
Texto Original: Lewis Carroll
Direção Geral e Roteiro Adaptado: Marcos Malafaia
Direção Musical: John Ulhoa
Assistência de Direção: Beatriz Apocalypse
Supervisão de Animação: Ulisses Tavares
Preparação de Ator: Eduardo Moreira
Animação: Ulisses Tavares, Marcos Malafaia, Guilherme Amarante, Vinícius Ladeira e Lucas Cancela
Música Original: John Ulhoa, Fernanda Takai e Lulu Camargo
Supervisão de Vídeo Projeções - Ulisses Tavares
Alice Voz: Fernanda Takai
Carroll: Beto Militani
Chapeleiro Louco Voz: Arnaldo Baptista
Design de Bonecos - Sandra Bianchi, Beatriz Apocalypse, Marcos Malafaia
Supervisão Construção Bonecos: Madu, Beatriz Apocalypse, Eduardo Felix
Marionetistas: Beatriz Apocalypse, Deinha Baruque, Endira Drumond, Fabíola Rosa, Mario Apocalypse, Kdu Dos Anjos e Barbara Andalécio 
Iluminação e Montagem de Palco: Ricardo Da Mata
Figurino: Beatriz Apocalypse e Endira Drumond
Cenografia: Daniel Bowie

FICHA TÉCNICA - PEDRO E O LOBO
Música: Sergey Prokofiev
Adaptação e Direção: Álvaro Apocalypse
Bonecos e Cenografia: Álvaro Apocalypse
Marionetistas: Beatriz Apocalypse, Ulisses Tavares e Beto Militani
Construtores: Ulisses Tavares, Beatriz Apocalypse e Gustavo Noronha
Iluminação: Ricardo Da Mata

FICHA TÉCNICA EXPOSIÇÃO/CATÁLOGO
Concepção de Projeto: Marcos Malafaia
Curadoria: Beatriz Apocalypse, Ulisses Tavares, Marcos Malafaia
Produção Executiva: Tamira Abreu
Produção Brasília: Giral Projetos
Produção: Jorge Luiz
Asssistência de Produção: Rafael Talarico
Projeto Expográfico: Ulisses Tavares e Marcos Malafaia
Coordenação de Montagem: Beatriz Apocalypse
Logística: Tito Fernandes
Lettering e Programação Visual Estandes: Beatriz Apocalypse
Projeto Gráfico: Marcos Malafaia, Mathews Felipe e Coletivo Touché
Construção Cenográfica: Oficina Giramundo - Ulisses Tavares, Daniel Bowie, Barbara Andalécio, Israel Silva, Maíra Pimenta
Preparação de Acervo: Ricardo da Mata, Barbara Andalécio, Iara Drumond
Montagem da Exposição: Beatriz Apocalypse, Ricardo da Mata e Ulisses Tavares
Fotografia de Projetos:  Lucas Veríssimo, Pamela Malta
Tratamento de Imagens projetos Técnico: Ulisses Tavares
Fotografia e filmagens: Ulisses Tavares
Textos: Marcos Malafaia
Revisão dos Textos: Eliana Sabino
Tradução dos Textos: Eliana Sabino, Cláudia Figueiredo e Érika Essinger
Assessoria de Comunicação: Um Nome Comunicação


SERVIÇO – MOSTRA MUNDO GIRAMUNDO

EXPOSIÇÃO MUNDO GIRAMUNDO
Visitação: até 27 de novembro, de terça a domingo, das 9h às 21h
Local: Galeria Principal da Caixa Cultural Brasília
Entrada franca
Classificação indicativa:
Livre

Informações: (61) 3206-9448

ESPETÁCULO – PEDRO E O LOBO (1993)
Datas e horários: 4, 5 e 6 de outubro, às 19h.
Local: Teatro da Caixa Cultural (SBS Quadra 4 Lotes 3 e 4 - Edifício anexo à matriz da Caixa)
Ingressos: R$10 (inteira) e R$5 (meia entrada). Estudantes, professores, funcionários e clientes CAIXA, pessoas acima de 60 anos, doadores de item solicitado no mês e assinantes do Correio Braziliense.
Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: Livre
Lotação: 406 lugares
Informações: (61) 3206-9448

ESPETÁCULO – ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS (2013)
Datas e horários: 7 de outubro, às 19h; 8 e 9 de outubro, às 16h
Local: Teatro da Caixa Cultural (SBS Quadra 4 Lotes 3 e 4 - Edifício anexo à matriz da Caixa)
Ingressos: R$10 (inteira) e R$5 (meia entrada). Estudantes, professores, funcionários e clientes CAIXA, pessoas acima de 60 anos, doadores de item solicitado no mês e assinantes do Correio Braziliense.
Duração: 76 minutos
Classificação indicativa: Livre
Lotação: 406 lugares
Informações: (61) 3206-9448

OFICINA - TREINAMENTO DE MANIPULAÇÃO PARA MARIONETISTAS
Data e horário:
24 de novembro, das 09h às 12h e das 14h às 18h
Local: Teatro da Caixa Cultural
Carga-horária: 6h
Classificação indicativa: a partir dos 16 anos
Público-alvo: marionetistas, estudantes de artes, de teatro, e curiosos sobre o teatro de bonecos em geral.
Vagas: 18
Entrada franca
Informações sobre inscrições: (61) 3206-9448

==> Foto: Marcello Nicolato

0 comentários:

Postar um comentário