ORQUESTRA DE VIOLÕES NO CLUBE DO CHORO

Certo dia um violonista e professor da Escola de Música de Brasília decidiu reunir seus alunos para experimentar e pesquisar as possibilidades do violão. O ano era 1991. A idéia de Jaime Ernest Dias teve, logo de início, apoio de outro mestre das cordas, Paulo André Tavares. Sob a batuta dos dois, um único instrumento se multiplicou em inúmeras vozes, encontrou as harmonias tantas da mistura de ritmos e estilos e fez surgir uma nova linguagem. A disciplina música de câmara/formação de conjuntos da EMB foi o berço da Orquestra de Violões de Brasília.

O Grupo cresceu, rompeu os limites da sala de aula, da escola e se consagrou como parte da história musical da cidade. Em doze anos de estrada, a Orquestra aprendeu bem mais que o Samba de uma Nota Só, revisitando Tom Jobim, Pixinguinha, Beatles, Piazzolla e também Telemann, Ravel, Villa-Lobos e vários outros.

Das influências renascentistas ao encontro com o contemporâneo, a Orquestra está sempre renovando o repertório, compondo peças próprias e buscando outros sons. O Grupo já teve várias formações, mas sempre preservando a estrutura de quatro naipes, e agora conta com o talento de 18 violonistas. Um time afinado com as várias tendências do universo instrumental e que faz da paixão pela música o alicerce de um trabalho que já rendeu bons frutos.


O PRIMEIRO DISCO

Em agosto de 1997, o Auditório do Memorial Juscelino Kubitschek foi palco de um esforço de três madrugadas intensas de trabalho: nascia o álbum “Contrastes”, resultado de seis anos de pesquisas e andanças pelos palcos, não só brasilienses.O CD independente, lançado em setembro de 1998, revela a versatilidade de várias impressões musicais fundidas na mais completa harmonia vinda de dezesseis violões.

No encontro do erudito com o popular, de tempos tão distantes e tão próximos, “Contrastes” vai das danças Renascentistas de Michael Praetorius ao choro irreverente de Pixinguinha. Traz ainda composições próprias e até o recado caboclo de um José Melo, músico-poeta da Orquestra, que dá nova roupagem ao clássico sertanejo “Tristeza do Jeca”.

São dezoito faixas com arranjos muito bem cuidados. Talento reconhecido pelo público e pela crítica especializada. Na edição de junho de 2001, a revista “Guitar Player” (Brasil) analisa o trabalho da Orquestra:

“... Em "Contrastes", da Orquestra de Violões de Brasília, ouve-se música elaborada com competência...”.

A apresentação acontece dia 25 de Junho de 2016 – sábado a partir das 21:00 horas. Ingressos: R$ 15,00 (meia) e R$30,00 (inteira)

Informações: Tel.: 3224.0599. Ingressos: Clube do Choro de Brasília – SDC BLOCO “G” - Funcionamento da bilheteria: 2ª a 6ª feira: 10:00 às 22:00 horas. Sábado a partir de 19:00 as 21:30 horas, ou através do site: www.clubedochoro.com.br

O Clube do Choro de Brasília fica entre a Torre de TV, o Centro de Convenções e o Planetário.
Não recomendado para menores de 14 anos

==> Foto: José Varella

0 comentários:

Postar um comentário