Festival República Blues realiza 8ª edição dias 16 e 17 de julho. Programação Completa!

O Festival República Blues desembarca na capital federal para sua 8ª edição nos dias 16 e 17 de julho. Realizado no coração de Brasília, o maior evento de blues, jazz e música instrumental do Centro-Oeste tem entrada franca e acontecerá no gramado do Eixo Cultural Ibero-Americano (antiga Funarte), apresentando 21 atrações locais, nacionais e internacionais.


Para abrir os trabalhos do festival, uma edição especial do evento Bebendo Blues, Comendo Jazz, está programada para o dia 8 de julho, às 20h, no SESC Guará, marcando o lançamento do festival. Por lá rolam apresentações das do quinteto Her Jazz, do projeto Jam Session Blues Dellas e da cantora Taryn Szpilman, além da participação da Capivara Brass Band em apresentação nas imediações do SESC Guará, e do lançamento da exposição Estrelas do Blues - telas em Batik, do artista plástico baiano Ronaldo Ferreira. A entrada é franca, mediante doação de 1kg de alimento não-perecível para o programa SESC Mesa Brasil. 


Com identidade visual que celebra um século da Semana de Arte Moderna brasileira, a programação da edição 2022 traz a diversidade como eixo central, com atrações que vão do blues clássico dos guitarristas americanos Vino Louden e Lil Jimmy Reed, passando por canções brasileiras com influência blueseira do Paraibano Seu Pereira. 


Também marcam presença,  o tango-jazz da banda argentina Escalandrum, liderada por Daniel “Pipi” Piazzolla, baterista e compositor multi premiado e neto do grande Astor Piazzola, pelo groove dos paulistanos do Funk Como Le Gusta abrilhantado pela participação especial da garota sangue bom, Fernanda Abreu, pelo dedilhado impecável de Manassés de Sousa, além de grandes nomes do blues nacional, como Blues Etílicos, Nuno Mindelis,Celso Salim e Artur Menezes, estes dois últimos, radicados nos Estados Unidos. 


Outros grandes destaques do Festival são as apresentações da brasiliense Ellen Oléria e da paulistana Tulipa Ruiz, que traz seu premiado pop/rock contemporâneo, incrementando a diversidade sonora do evento. O festival também conta com uma espécie de matinê, no domingo à tarde, com o espetáculo “Blues na Floresta”, com canções voltadas para temáticas infantis. As atrações locais, ponto de honra do festival, serão representadas por nomes como a Brazilian Blues Band (que convida o multi-instrumentista Dillo), Blues de Bolso, Marlene Souza Lima e Mandalla, entre outros.


Além dos artistas que deixaram seu legado, a 8ª edição do festival irá celebrar os 20 anos de atuação do Clube do Blues de Brasília (entidade que realizou as sete edições anteriores). O República Blues é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal. 


História

O Festival República Blues fomenta os gêneros Jazz, Blues e Música Instrumental em Brasília desde 2001, com atividades em diversas localidades de Brasília como bares, teatros, casas de show e arenas montadas para eventos. Os primeiro festivais, em 2004 e 2005, nominados BsB Blues Festival, ocorreram na antiga casa de shows Café Cancun, e tiveram como destaques, o gaitista americano Peter Mad Cat Ruth e o pianista, também americano Deacon Jones, além de nomes nacionais como Nuno Mindelis e Blues Etílicos. Além disso, os artistas locais Brazilian Blues Band e Oficina Blues, trouxeram à casa públicos significativos, motivo pelo qual se planejou um festival mais amplo.


Já com o nome República Blues, foram realizadas, em espaços como o Complexo Cultural da República e o Gramado da antiga Funarte, as edições de 2009, 2010, 2011,2013 e 2018, que receberam, em média, um público de 10 mil pessoas. Todas com a característica da franquia do ingresso ao público, do incentivo à produção autoral local, à inserção de atividades formativas gratuitas trouxeram nomes como TM Stevens, Delmar Brown, Cindy Blackman, Stanley Jordan, Armandinho Macedo, Nuno MIndelis, Blues Etílicos, André Christovam, Hermeto Paschoal, entre outros.


Em algumas edições, o República Blues homenageou símbolos e artistas da cidade em sua identidade visual, com as referências à Ponte JK, na edição de 2009, aos traços de Lúcio Costa, no projeto de Brasília, em 2010, e à obra de Athos Bulcão, em 2011. Em julho, o projeto faz referência aos 100 anos da Semana de Arte Moderna de 1922, um marco social, cultural e político na história brasileira.


Programação

SEXTA - 8 DE JULHO - AÇÃO DE LANÇAMENTO DO FESTIVAL

A PARTIR DAS 20H 

SESC GUARÁ 

HER JAZZ (DF)

BLUES DELLAS (DF)

CAPIVARA BRASS BAND (DF)

TARYN SZPILMAN (RJ)

EXPOSIÇÃO ESTRELAS DO BLUES - TELAS EM BATIK, DE RONALDO FERREIRA


SÁBADO - 16 DE JULHO

A PARTIR DAS 16H30

GRAMADO DO EIXO CULTURAL IBERO-AMERICANO

JAZZ NA CARTA (DF)

ARCABLUES (DF)

MARCIUS CABRAL (DF)

FACE QUARTETO (DF)

MANDALLA (DF)

BRAZILIAN BLUES BAND (DF)

SEU PEREIRA E COLETIVO 401 (PB)

ARTUR MENEZES (CE/USA)

CELSO SALIM (DF/USA)

FUNK COMO LE GUSTA(SP) E FERNANDA ABREU (RJ)

LIL JIMMY REED (USA)

BLUES ETÍLICOS (RJ)


DOMINGO - 17 DE JULHO

A PARTIR DAS 16H30

GRAMADO DO EIXO CULTURAL IBERO-AMERICANO

BLUES NA FLORESTA (DF)

MARLENE SOUZA LIMA (DF)

BLUES DE BOLSO (DF)

ESCALANDRUM (ARG)

ELLEN OLÉRIA (DF)

NUNO MINDELIS (ANGOLA/BRASIL)

VINO LOUDEN (USA)

TULIPA RUIZ (SP)


 

SERVIÇO:

 

Bebendo Blues, Comendo Jazz

Data: sexta, 8 de julho de 2022

Horário: a partir das 20h

Local: SESC Guará (QE 04, Área Especial, Guará I – DF)

Entrada franca mediante doação de 1kg de alimento não perecível para o programa SESC Mesa Brasil.


8ª Edição do Festival República Blues

Datas: sábado, 16 de julho, e domingo, 17 de julho de 2022. 

Horários: a partir das 16h30 todos os dias

Local:  Gramado do Eixo Cultural Ibero-Americano, antiga Funarte

Entrada franca

Informações: (61) 9 9554-3984 Luiz Kaffa.

Assessoria de Imprensa: Um Nome - contato (61) 98207-6458 Rafaela Martins.




Saiba mais sobre as atrações do evento de lançamento Bebendo Blues, Comendo Jazz dia 8 de julho

Her Jazz
O quarteto feminino sobe aos palcos para o lançamento da 8ª Edição do Festival República Blues, com objetivo de reunir artistas e musicistas de excelência do universo jazzístico Brasiliense. Composto por Mirian Marques (cantora, arranjadora, trombonista e compositora), Paula Zimbres (contrabaixista, compositora e cantora), Luciana de Oliveira (percussionista, baterista e arranjadora) e Marlene Souza Lima (guitarrista, violonista, compositora e arranjadora), o grupo apresentará canções do gênero Bossa Nova e do Jazz.

Blues Dellas
A Jam Session Blues Dellas, que está em sua terceira edição, é um projeto idealizado por Thaise Mandalla e Mel di Souza para dar visibilidade às cantoras e compositoras de Blues, nacionais e internacionais, por meio de espetáculos musicais protagonizados por representantes do segmento em Brasília. A quarta edição está prevista para acontecer no palco do SESC Guará, dia 8 de Julho, no show produzido por Jussara Menezes. Para esta noite integrarão o elenco as cantoras: Thaise Mandalla, Mariana Coelho, Mel di Souza, Nina Molina, Márcia Campus, Paula Tortorelli e Mariana Camelo. Os músicos são: André Lourenço, Tex, Fernando Palau e Marco Guedes.

Taryn Szpilman
A principal atração da noite, a cantora carioca Taryn Szpilman, além de ter um destaque na cena do blues/jazz nacional, a artista também ficou conhecida como a voz que dubla a personagem Elsa, da animação Frozen. No início dos anos 2000, Taryn atuou como vocalista da Rio Jazz Orchestra — fundada por seu pai, o maestro e saxofonista Marcos Szpilman —  e participou, com Marcio Lomiranda e Paulo Rafael, da banda Eletro Fluminas. 

Capivara Brass Band
Genuinamente brasiliense e criada em 2017, a banda já se apresentou em diversos festivais e casas de shows. Constituída por integrantes que se dedicam aos instrumentos de sopro, a Capivara Brass Band conta com: trombone (Bruno Portella), sax alto (Pedro Castro), sax tenor (João Gabriel Joshua), trompete (Higor Vinícius), tuba (Fernando Junio) e uma bateria para compor a seção de percussão (Victor Venarusso). 

Exposição Estrelas do Blues - artista plástico baiano Ronaldo Ferreira
Ronaldo Ferreira é um artista plástico baiano, que teve o começo de carreira em Salvador, capital do Estado. Atualmente, o também professor de história, mora em São Sebastião (DF), e participa de diversos eventos locais. Utilizando a técnica do Batik — estamparia em tecido —  originária da ilha de Java e bastante divulgada na Índia e no continente africano, o artista adota como temática os símbolos, os signos e os deuses das religiões de matrizes africanas. 


Conheça as atrações da 8ª edição do República Blues


Jazz na Carta (DF)

O quarteto Jazz na Carta mistura o swing dos clássicos do Jazz, até o gosto refinado da Bossa Nova e da música Brasileira. A banda é formada pelos candangos Sebastian Silva (baixo acústico), Son Andrade (bateria), Gabriel Martins (guitarra) e Haniel Tenorio (trompete), que se conheceram na Escola de Música de Brasília, e oferecem ao público uma carta/cardápio contendo 40 clássicos. Entre eles ''Garota de Ipanema'', "Manhã de Carnaval'' e ''Samba de Verão'' são músicas que prometem balançar o público. Além disso, durante os shows, a banda promove uma interação única de pedidos e escolhas. 


Marcius Cabral (DF)

O paraense Marcius Cabral está próximo de completar três décadas como músico profissional, sempre dedicado ao blues. Com uma carreira consolidada, o violonista e cantor  já se apresentou em casas de blues e jazz em Nova Iorque, Paris, Londres e por todo o Brasil. Atualmente, Marcius circula por vários espaços de cultura com a palestra "O Blues" e o "Trem da história". No repertório do show, o artista mescla os clássicos de Muddy Waters, B B King, Robert Johnson, com composições autorais e arranjos novos para Beatles, Rolling Stones e os standards de jazz e música brasileira. 


ARCABLUES (DF)

Criada em 2014, a banda ARCABLUES apresenta os clássicos do gênero com pegada própria, carregada da experiência e influência de seus componentes em estilos como, rock clássico, jazz, folk, pop rock nacional, hard rock, samba rock e MPB. Formada por Paulo Chapa (gaita), Mel Di Solza (voz), Pedro Duarte (guitarra) e Leonardo Jaques (contrabaixo), a banda promete levar os brasilienses a uma viagem no tempo.


Mandalla (DF)

Originalmente conhecida por Mandalla's Band, atualmente a banda responde somente por Mandalla. Formada por um power trio de Blues, Jazz e Folk composto por Thaise Mandalla (voz/cigar box/guitarra), André Lourenço (contrabaixo/samples) e Marco Guedes (bateria/samples), a banda foi criada em 2017 pela vocalista e  também compositora Thaise. Desde então, o trio passou por diversas formações que circularam pelos principais palcos e festivais de Brasília.  Em 2018, a Mandalla, lançou seu primeiro material audiovisual, um EP de quatro faixas, mais uma faixa-bônus gravado ao vivo no Clube do Choro.


Brazilian Blues Band (DF)
Nascida há 26 anos, a banda Brazilian Blues Band já lançou três álbuns, realizou duas turnês pela Europa, e fez apresentações nas principais casas e festivais no país. Radicalizado em Brasília,  o quinteto é formado por Luiz Kaffa (vocalista), Leonardo Vilela (guitarrista), Marssal Leones (tecladista), Diego Morosino (baixista) e Vinicius Correa (baterista). O grupo também participou de algumas coletâneas, como a do Prêmio Renato Russo, Pra Pirá Brasília, “A Máfia da Mortadela” e “Brazilian Blues Volume II” e Blues na GP, da Revista Guitar Player Brasil.


Seu pereira e Coletivo 401 (PB)

O grupo paraibano surgiu em 2009 por meio da união de amigos que tinham um transporte coletivo em comum, o 401, que cruzava a capital paraibana até o bairro Altiplano. O ônibus foi tema para o quadrinista Mike Deodato Jr, que desenvolveu a capa do primeiro disco, lançado em 2013. Seu Pereira e Coletivo 401 é composto por Jonathas Pereira Falcão (vocal e guitarra), Chico Correa (guitarra), Thiago Sombra (baixo) e Victor Rama (bateria) na formação original. Nos shows, o trompetista e o trombonista Daniel Lima agregam a banda.


Manassés de Sousa (CE)

Manassés é multi-instrumentista, compositor, produtor musical e arranjador. O cearense vem do município de Maranguape, e é um nordestino que representa a cultura e a música do Brasil mundo afora. Tendo mais de 10 discos autorais, sua música mistura clássicos e resgata raízes do violão e da viola por meio da fusão de gêneros e técnicas. Manassés já trabalhou com renomados artistas como Yamandu Costa, Hamilton de Holanda, Toninho Horta, Dominguinhos, Raimundo Fagner, Elba ramalho, Chico Buarque, Nara Leão, Gal Costa, Simone, Zé Ramalho, Roberto Carlos, entre outras personalidades  da música, do cinema, da dança e do teatro.


Blues na Floresta (SP) 

O grupo Blues na Floresta é uma das atrações para o público infantil no Festival República. Após 30 anos de estrada, o guitarrista Duca Belintani realiza um antigo desejo: criar um show e um disco para formar  novos admiradores do gênero musical: as crianças. Mantendo a imagem mística e lendária do ritmo afro americano, as letras da banda exploram a magia dos personagens do folclore brasileiro.Para o espetáculo, os músicos prepararam figurinos especiais e se caracterizam como ajudantes dos personagens do folclore, prontos para defender florestas, animais e rios brasileiros.


Marlene Souza Lima (DF)

Em Brasília, a artista lecionou música e nos anos de 2004 a 2009 montou seu curso, o Usina de Sons Curso de Música. Em 2011, Marlene Souza Lima lançou seu primeiro álbum, intitulado “My Way” e com ele se apresentou por Brasília, Goiás e São Paulo. Anos mais tarde, Marlene gravou o primeiro DVD ao vivo, e em 2017/2018 participou da banda do musical L.O Musical em temporada pelo CCBB de Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Atualmente, a artista segue gravando em estúdio, compondo e atuando como professora. 


Blues de Bolso (DF)

O Blues de Bolso é um duo composto por experientes músicos da capital federal. Haroldinho Mattos é um guitarrista e compositor com passagem por bandas como Mel da Terra, Akneton, Oficina Blues, HM Blues, e o artista Bemol é violonista, baixista, compositor, cantor e membro fundador do Grupo Oficina Blues. Os amigos decidiram juntar-se no ano de 2000, munidos apenas de violão, para tocar aquilo que mais amam: Blues e Rock and Roll.


Face Quarteto (DF)

Face Quarteto é um grupo de música instrumental brasileira formado pelos brasilienses Victor Angeleas (bandolim de dez cordas), Márcio Marinho (cavaquinho de seis cordas) e Larissa Umaytá (pandeiro) e pelo goiano Bruno Rejan (baixo elétrico). Há 4 anos na estrada, a apresentação que marcou o início do quarteto foi no renomado festival Chorando Sem Parar na cidade de São Carlos-SP, lá em 2017. Desde então se apresentaram em diversos festivais nacionais e internacionais pelo Brasil, como o Rio Montreux Jazz Festival em 2019.



Lil Jimmy Reed (USA)

Nascido no final da década de 1930, Leon Atkins, mais conhecido como Lil' Jimmy Reed desembarca na capital federal no mês de julho. O artista cresceu perto de um clube onde conseguiu absorver, todas as noites, o choro do blues do outro lado da rua. Aos seis anos ele tinha o próprio violão, feito de uma caixa de charutos, e na adolescência já era habilidoso no violão e na gaita. O músico iniciou sua carreira tocando em clubes locais ao redor de Baton Rouge, cidade localizada no Estado de Luisiana. 


Vino Louden (USA)

Vino Louden é um dos grandes guitarristas e cantores do Chicago Blues atualmente. Nascido no Haiti, Missouri, o artista passou uma parte de sua infância saltando da cidade que nasceu para St Louis e Chicago. Desembarcando pela terceira vez no Brasil, Vino traz o seu próprio show para os palcos do Festival República Blues. Em julho de 2018 Vino tocou nos festivais de Blues de Poços de Caldas e Ilha Comprida. Já em Dezembro de 2019, ele subiu ao palco do Instituto Ling em Porto Alegre e no Paralelo Festival em São Francisco de Paula. 


Escalandrum (ARG)

Daniel Piazzolla criou o grupo ESCALANDRUM em 1999. O nome surge da mistura de "Escalandrún" (uma espécie de tubarão) e "drum (tradução de "tambor" em inglês). Com mais de 20 anos de carreira, o grupo, composto por seis integrantes, tem 11 álbuns de música original. "Bar los amigos" (2000), "Estados Alterados" (2002), "Sexteto en movimiento" (2004), "Misterioso" (2006), "Visiones" (2008), "Piazzolla plays Piazzolla" (2011), "Vertigo" (2013) e "Las Cuatro Estaciones Porteñas (Proyecto Eléctrico)" (2014), SESIONES ION - Obras de Mozart e Ginastera (2017) e 3001 PROVECTO PIAZZOLLA (2017). A banda já passou por mais de 40 países. 


Blues Etílicos  (RJ)

A banda carioca Blues Etílicos foi criada no Rio de Janeiro em 1985 pelo gaitista Flávio Guimarães, o baixista Cláudio Bedran e o guitarrista Otávio Rocha. Alguns meses depois de sua estreia, incorporou o cantor e guitarrista Greg Wilson e o baterista Gil Eduardo.  Em 1987, lançou seu primeiro LP, o independente Blues Etílicos. Em 89, o grupo foi contratado pela Gravadora Eldorado, lançando Água Mineral no mesmo ano, San Ho Zay em 1990 e IV em 91. San Ho Zay atinge a marca de 35.000 cópias vendidas , sendo o álbum mais vendido de uma banda de blues brasileira de todos os tempos. 


Nuno Mindelis (SP) 

Guitarrista, Nuno Mindelis chega ao Distrito Federal com um vasto repertório. Nos anos 90, o músico teve o primeiro reconhecimento internacional pela "Guitar Player Magazine / EUA", a Bíblia mundial da Guitarra, que o comparou ao lendário Jimmy Page, guitarrista do Led Zeppelin. Anos depois, o paulista foi eleito o melhor guitarrista independente de Blues, ao ganhar o concurso 30th Anniversary Guitar Player Competition.


Celso Salim (BRA) & Darryl Carrieri (USA)

O guitarrista brasileiro Celso Salim e o harmonista californiano Darryl Carriere fazem música juntos há mais de duas décadas, e agora trabalham no seu primeiro disco como duo. Com todas as composições originais, o álbum está previsto para ser lançado este ano. Conhecidos por terem uma grande química musical, Celso & Darryl oferecem um poderoso espectáculo que cativa o público. Alternando em vocais principais e por vezes cantando em harmonia, o duo apresenta performances inspiradas com uma mistura de sons de guitarra e sons harmônicos. 


Artur Menezes (USA)

Artur Menezes não só toca guitarra como canta, compõe e interpreta de uma forma que impressiona. Com 5 discos lançados: "Early to marry", "#2" , "Drive Me" ,  "Keep Pushing" e “Fading Away” (2020), o músico continua no caminho de mesclar suas influências com o blues, definindo um estilo mais moderno e verdadeiro. Como educador, Artur Menezes leciona guitarra no Musicians Institute, em Hollywood. 


Tulipa Ruiz (SP)

Vencedora do Grammy Latino, Tulipa Ruiz é cantora e ilustradora. Nascida em Santos e criada em São Lourenço (MG), a artista tem músicas incluídas em filmes, novelas e games, e costuma se apresentar em teatros e festivais do mundo todo, como Rock in Rio e Montreux Jazz Festival. Uma de suas primeiras músicas, “Efêmera”, foi trilha sonora do game FIFA e uma das mais recentes, “Banho”, foi gravada por Elza Soares. Atualmente, a artista está em turnê com a banda Pipoco das Galáxias e com o pianista João Donato. Tulipa prepara a gravação de seu quinto álbum.


Ellen Oléria (DF)

Preta, cantora, compositora e produtora, Ellen Oléria chega aos palcos do Festival República Blues com um repertório bem brasileiro. A cantora que ficou conhecida nacionalmente após ganhar o programa The Voice, em 2012, adora misturar elementos de jazz, samba, pop e hip hop com manifestações do regionalismo brasileiro, como o congado e o carimbo. Há quase duas décadas na estrada, Ellen já lançou cinco discos e realizou turnês nacionais e internacionais.


Funk Como Le Gusta e Fernanda Abreu (RJ)

A FUNK COMO LE GUSTA tem uma história que se confunde com a trajetória da Música Preta Brasileira feita para dançar. O grupo tem em sua biografia a marca de promover e participar dos tradicionais bailes blacks, e a participação de artistas da "Black Music" que emplacaram Brasil afora, nos mais de 20 anos de banda. Desde o final dos anos 90, o FCLG marca sua trajetória por tocar funks clássicos de trilhas de filmes e promover animadas jam sessions nas quais seus integrantes misturam funk, samba, soul, ritmos latinos, música eletrônica e jazz. 


Já Fernanda Abreu, grande artista brasileira, dispensa apresentações. Nascida em 8 de setembro de 1961, no Rio de Janeiro, a cantora emplacou grandes sucessos com a banda BLITZ nos anos 80. Mais tarde, com o fim da banda, Fernanda lançou o primeiro disco solo chamado SLA Radical Dance Disco Club, e permanece na estrada musical até hoje.

 

==> Foto: Face Oficial

0 comentários:

Postar um comentário