Madrugada dourada nos Jogos Olímpicos 2020! Confira o resumo de algumas competições

Bruno Fratus conquista o bronze olímpico e coroa regularidade de mais de dez anos
Bruno Fratus é medalhista olímpico. O nadador brasileiro mais regular dos últimos anos conquistou o bronze olímpico nos 50m livre, nesta manhã de domingo (1º), em Tóquio, noite de sábado (1º), no Brasil. O bronze veio com o tempo de 21s57. Esta foi a 16ª medalha olímpica da Natação brasileira.

Natural de Macaé, no Rio de Janeiro, Fratus se consolidou nos últimos dez anos como um dos grandes nomes da história da Natação brasileira. Foram dez temporadas terminando entre os mais rápidos nadadores do mundo.

Durante este período, Fratus somou sete medalhas nos principais eventos do mundo. Ele subiu ao pódio nas últimas três edições de Campeonatos Mundiais: bronze em Kazan, prata em Budapeste e prata em Gwangju. Além disso, foi ouro no Pan-Pacifico e tem duas pratas e um ouro em Jogos Pan-Americanos

Quarto lugar nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, sexto na Rio 2016, ele conquista, em Tóquio, a medalha que sempre sonhou.

Com a conquista de Fratus, a Natação brasileira agora soma 15 medalhas olímpicas (uma de ouro, três de prata e 11 de bronze). Os esportes aquáticos do Brasil ainda possuem mais uma medalha com Poliana Okimoto, bronze na Maratona Aquática, na Rio 2016.

Ana Patrícia e Rebecca batem chinesas e avançam para as quartas de final em Tóquio
O torneio olímpico de vôlei de praia entrou na fase decisiva, uma derrota significa adeus ao sonho de medalha. Na noite deste sábado (31.07) teve início a rodada de oitavas de final, e a primeira dupla brasileira em ação foi Ana Patrícia e Rebecca. Com volume de jogo consistente e o bloqueio bastante eficiente (nove pontos neste fundamento) as brasileiras levaram a melhor sobre Wang/X. Y. Xia (CHN) por 2 sets a 0 (21/14 e 23/21), na arena montada no parque Shiokaze, em Tóquio (JAP).

Ana e Rebecca se classificaram para as oitavas de final com a melhor campanha entre as terceiras colocadas. No confronto decisivo deste sábado as chinesas chegaram invictas, com três vitórias em três jogos e a primeira colocação do grupo C. Mas em quadra o retrospecto da competição não teve relevância para influenciar o placar. Ana e Rebecca tiveram paciência para administrar os erros e impor o próprio ritmo sobre as adversárias. Após o jogo, a bloqueadora Ana Patrícia comentou sobre o desempenho da dupla.
 
Brasil tem grande atuação e vence a França no último jogo da fase de grupos
Em mais uma grande atuação, assim como na partida anterior, diante dos Estados Unidos, a seleção brasileira masculina de vôlei bateu a França na madrugada deste domingo (01.08), no Horário de Brasília, por 3 sets a 2 (25/22, 37/39, 25/17, 21/25 e 20/18). O último jogo da fase classificatória dos Jogos Olímpicos de Tóquio, na Ariake Arena, pelo Grupo B, foi de altíssimo nível.

Em Tóquio, o Brasil venceu a Tunísia na estreia e a Argentina na segunda rodada. Depois, acabou superado pelo Comitê Olímpico da Rússia e voltou a conquistar o resultado positivo diante dos Estados Unidos. Mais uma vitória, nesta noite, encerrou a participação do time verde e amarelo na fase.

O Brasil busca sua quinta final olímpica consecutiva. Em Atenas-04, o Brasil foi ouro, em Pequim-08 e Londres-12, a seleção masculina ficou com a medalha de prata, e no Rio-2016, o grupo brasileiro subiu ao degrau mais alto do pódio.

Ágatha e Duda são superadas por dupla alemã
Em um jogo muito equilibrado, definido no tie break, Ágatha e Duda acabaram superadas pela dupla de praia Alemã, Ludwig e Kozuch, e estão fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Neste domingo (01.08), a dupla brasileira enfrentou dificuldades no primeiro set, se recuperou no segundo e o terceiro foi definido nos detalhes. No final, vitória alemã por 2 sets a 1 (21/19, 19/21 e 16/14).

A outra dupla brasileira, formada por Ana Patrícia e Rebecca, já estão nas quartas de final. Os times do masculino, Evandro/Bruno Schmidt e Alison/Álvaro Filho, entram em quadra na segunda-feira (02.08) em busca dessa classificação.

Rebeca Andrade salta para a história e é ouro nas Olimpíadas de Tóquio
Terceira a se apresentar, pulou para a liderança àquela altura e sentou. Uma a uma, à beira da pista, viu suas rivais ficarem com notas abaixo que as suas. Aos poucos, o sorriso aumentou até a certeza de que faria história. Com média de 15,083 pontos, garantiu o ouro no salto das Olimpíadas de Tóquio. Depois da prata no individual geral, Rebeca volta a subir ao pódio e conquista sua segunda medalha nos Jogos. A primeira da ginástica feminina do Brasil na história.

Rebeca foi a única a conseguir uma média acima de 15,000 no salto. A prata ficou com a americana Mykayla Skinner, com 14,916. A sul-coreana Seojeong Yeo fechou o pódio, em terceiro lugar, com 14,733.

==> Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

0 comentários:

Postar um comentário