Dal Zotto renova Seleção Brasileira de vôlei masculino para disputar Olimpíadas de Tóquio

As Olimpíadas de Tóquio serão um marco na Seleção Brasileira de vôlei masculino. Após quatro edições com Bernardinho no comando, e dois títulos conquistados, o time terá como líder o treinador Renan Dal Zotto. A pressão por um resultado positivo já existe, porém o bom trabalho realizado até aqui parece dar sinais positivos para essa tarefa tão complicada. A medalha de prata conquistada no Pan-Americano do Peru foi motivo de comemoração para o antigo jogador e hoje técnico do Brasil.

Mesmo com uma equipe mais jovem, e sem os principais jogadores, a Seleção conseguiu mostrar uma força incrível no Pan. A vitória por 3 sets a 2 contra os Estados Unidos, ainda no Grupo B, mostraram o potencial do time para o ano que vem. No entanto, não foi o suficiente para conquistar a medalha de ouro. O Brasil acabou sendo eliminado por Cuba, nas semifinais, por 3 sets a 0. A despedida veio na disputa pelo 3º lugar, com vitória em sets diretos contra o Chile.


Não foi o primeiro torneio que o Brasil alcançou bons resultados. Na Liga das Nações, disputada entre maio e julho deste ano, a equipe acabou na quarta colocação. A Seleção foi eliminada nas semifinais pelos Estados Unidos, por 3 sets a 2, após partida equilibrada e com muitas emoções. Na disputa pelo 3º lugar, Renan Dal Zotto não conseguiu motivar os jogadores e acabou dominado pela Polônia, em derrota por sets diretos.

A classificação para as Olimpíadas de 2020 já foi confirmada no início de agosto, após a primeira etapa do Pré-Olímpico. Jogando no Grupo A, o Brasil conseguiu vencer Porto Rico, Egito e Bulgária na disputa por uma vaga. A classificação veio em vitória contra essa última seleção, após virada espetacular, com direito a um placar de 32 a 30 no terceiro set. O resultado já deixa Dal Zotto pensando na próxima temporada.


Missão: Tóquio
O objetivo nas Olimpíadas de Tóquio não deve ser apenas o título, já que o processo de renovação está apenas começando. A Seleção Brasileira sempre terá um certo favoritismo, principalmente por ser a atual campeã e por todo o histórico. Porém, os principais sites de apostas já colocam Argentina e Cuba como grandes potenciais. Além disso, os Estados Unidos também sempre estão entre os melhores nos torneios.

A Betfair possui as projeções das equipes para a temporada: https://apostas.betfair.com/

Entre os principais destaques no Brasil está o ponteiro Leal, que ainda é pouco conhecido dos torcedores, mas tem um grande talento. Na partida que a Seleção conseguiu a vaga para Tóquio em 2020, o jogador fez 22 pontos e acabou como grande estrela da partida. Yoandy Leal Hidalgo tem 30 anos e, na verdade, é cubano. Ele atuou por cinco temporadas no Sada Cruzeiro e só deixou a equipe pela boa oferta do vôlei italiano. Porém, a história por aqui foi suficiente para ganhar uma chance na Seleção Brasileira.

Leal conquistou mais de 25 títulos em Minas Gerais: http://www.sadacruzeiro.com.br/?p=7873

O Brasil possui diferentes atletas, e uma equipe ainda em renovação. Por isso, é normal que a torcida fique um pouco sem entender os altos e baixos do time durante os torneios até aqui. As Olimpíadas de Tóquio vão ser apenas um primeiro teste mais sério do trabalho de Renan Dal Zotto. Assim como Bernardinho teve a paciência para conquistar os títulos, o novo treinador também precisa do apoio para essa reformulação que o vôlei masculino está passando.

==> Foto: Divulgação / FIVB

0 comentários:

Postar um comentário