Marcelo Melo é tricampeão no Masters 1000 de Xangai, seu 32º título na carreira

Dois títulos, oito vitórias e a vaga no ATP Finals, jogando muito bem e com muita confiança. A dupla Marcelo Melo e Lukasz Kubot encerrou a sequência em quadra rápida na China, neste mês de outubro, com muito para comemorar. Na madrugada deste domingo (14), Melo e Kubot - cabeças de chave número 3 - conquistaram o Masters 1000 de Xangai. Pela terceira vez, o mineiro Marcelo foi campeão no torneio e, agora, soma 32 títulos de ATP na carreira, sendo nove Masters 1000, dos quais quatro ao lado de Kubot. Juntos chegam ao 12º título como parceiros e o quarto na temporada 2018 - segundo na China, onde venceram na semana passada o ATP 500 de Beijing. Agora, a partir do dia 22, estarão na Áustria, para o ATP 500 de Viena.

Vice-campeões no ano passado, Melo e Kubot voltaram à final em Xangai, neste ano, para conquistar o título. Em 1h04min, derrotaram o também mineiro Bruno Soares e o britânico Jamie Murray - cabeças 6 - por 2 sets a 0, parciais de 6/4 e 6/2. Com o resultado, Marcelo passa a ser o tenista que mais vezes chegou à decisão de duplas do Masters 1000, na China, e recordista em número de títulos. Dos nove Masters 1000 em sua carreira, três foram em Xangai - 2013 (com o croata Ivan Dodig), 2015 (com o sul-africano Raven Klaasen) e, agora, com Kubot.

"Estamos muito felizes com esse título. Jogamos muito bem todo o torneio. Hoje (domingo) o jogo foi muito bom, ficamos muito contentes com a maneira como jogamos, de novo. Conseguimos colocar o mais alto nível da nossa parceria em mais uma partida. Muito feliz com o resultado. Mais um título em Xangai, o terceiro. Eu me sinto muito bem aqui mesmo. Valeu mais uma vez pela torcida, por todas as mensagens de apoio", comemorou Marcelo, que tem o patrocínio de Centauro, BMG e Itambé, com o apoio da Volvo e Confederação Brasileira de Tênis.

Com muita confiança, sacando muito bem, Melo e Kubot não deram chances a Soares e Murray, dominando toda a partida. No primeiro set, quebraram no terceiro game e administraram a vantagem para marcar 6/4 e sair na frente no jogo. No segundo, foram dois breaks, no terceiro e quinto games e a vitória por 6/2.

Foi a quinta final do ano da dupla, comemorando quatro títulos: no ATP 250 de Sidney, no ATP 500 de Halle, no ATP 500 de Beijing e no Masters 1000 de Xangai. Ficaram, ainda, com o vice-campeonato do US Open, último Grand Slam do ano, disputado em Nova Iorque (EUA).

Ao chegar à decisão de Xangai, na madrugada de sábado (13), Melo e Kubot se tornaram a quarta dupla a garantir classificação para o ATP Finals, em Londres, Inglaterra, entre os dias 11 e 18 de novembro. Agora, a sequência de torneios que encerra a temporada terá o ATP 500 de Viena, o Masters 1000 de Paris, na França, no dia 29, e o Finals.

Subindo no ranking - Na atualização desta segunda-feira da ATP, Melo e Kubot aparecerão em terceiro lugar no ranking que define as oito melhores parcerias para a disputa do ATP Finals, com 5.070 pontos. No ranking mundial individual de duplas, sobem uma posição e passam a dividir o quarto lugar, com 6.600 pontos.

54 partidas, 37 vitórias e  quatro títulos na temporada  – O brasileiro Marcelo Melo, 35 anos, e o polonês Lukasz Kubot, 36 anos, estão jogando juntos desde o início da temporada 2017. Antes, formaram parceria em torneios como o ATP de Viena, onde foram campeões em 2015 e 2016.

Em 2018, foram quatro títulos até agora, com a disputa de 54 jogos e 37 vitórias - quatro em Sidney, campeões do ATP 250, três no Australian Open, em Melbourne, ambos na Austrália, uma no ATP 500 de Roterdã, na Holanda, uma no Rio Open, no Rio de Janeiro, uma no ATP 500 de Barcelona, na Espanha, duas no ATP 250 de Munique, na Alemanha, uma no Masters 1000 de Madri, na Espanha, uma no Masters 1000 de Roma, na Itália, duas em Roland Garros, duas no ATP 250 de S-Hertogenbosch, com Marcelo atingindo 450 vitórias na carreira, na estreia na Holanda, quatro no ATP 500 de Halle, com a conquista do bi na Alemanha, uma na estreia em Wimbledon, uma no Masters 1000 de Cincinnati, cinco no US Open, com o vice-campeonato, quatro no ATP 500 de Beijing, com o título, e quatro no Masters 1000 de Xangai, também com o título.

Recordes em 2018 e o 32º título na carreira - Neste ano, Melo passou a ser o tenista brasileiro com maior número de semanas no topo do ranking - 56 - e, também, o recordista brasileiro em número de títulos da ATP, com 32 agora, após a conquista em Xangai. Desde 2017, quando encerrou a temporada como número 1, ficou 30 semanas – 25 consecutivas - como líder (13 no ano passado e 17 em 2018). Antes, ele ocupou a liderança pela primeira vez em 2015, por 22 semanas, também virando o ano na frente, e voltou ao primeiro lugar por mais quatro semanas a partir de maio de 2016. Em março foi eleito atleta do ano pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil).

Principais conquistas na carreira - Entre os 32 títulos de Melo na carreira, todos em duplas, dois são Grand Slam – Roland Garros, na França (2015) e Wimbledon, em Londres (2017) e nove Masters 1000, além de sete ATP 500 e 14 ATP 250. Pelo 12º ano consecutivo comemora ao menos um título por temporada.

O primeiro título em torneios ATP foi em 2007, no Estoril, em Portugal. Tem dois Grand Slam - Roland Garros 2015 e Wimbledon 2017 -, além de um vice em Londres (2013) e um vice (2018) e duas semifinais no US Open. Marcelo também lidera no número de títulos em Masters 1000. Em Xangai 2018 chegou ao nono, depois de ganhar Shangai (2013 e 2015), Paris (2015 e 2017), Toronto (2016), Cincinnati (2016), Miami (2017) e Madri (2017).

Temporada 2018

Títulos:
ATP 250 –
 Sidney (Austrália), rápida
ATP 500 - Halle (Alemanha), grama
ATP 500 - Beijing (China), rápida
Masters 1000 - Xangai (China), rápida

Vice-campeonato:
Grand Slam - US Open
 - Nova Iorque (EUA)

Semifinais:
ATP 250 -
 Munique (Alemanha)
ATP 250 - S-Hertogenbosch (Holanda)

Quartas de final:
Grand Slam -
 Australian Open (Austrália)
Masters 1000 - Madri (Espanha) e Roma (Itália)
ATP 500 - Barcelona (Espanha), Rio Open (Rio) e Roterdã (Holanda)

==> Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário