CENA CONTEMPORÂNEA 2017 - últimos dias!!

O CENA CONTEMPORÂNEA – FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE BRASÍLIA está chegando à maioridade. Até o dia 03 de setembro, o festival que é um dos cinco maiores do Brasil, chega à 18ª edição, esbanjando maturidade. A programação de 2017 vem falar de tolerância, liberdade, respeito às diferenças e de muita invenção. Espetáculos de quatro países – Espanha, França, Colômbia e África do Sul – se unem a montagens de diversos estados brasileiros e do Distrito Federal para propor uma grande reflexão sobre a nossa contemporaneidade. O festival estreia na terça-feira, dia 22, com a encenação de Black Off, no Teatro da Caixa, espetáculo sul-africano que aborda o pensamento racista como construção histórica. O CENA CONTEMPORÂNEA tem coordenação geral de Michele Milani e direção de produção e curadoria de Alaôr Rosa. O festival conta com o copatrocínio do SESC e patrocínio da Caixa, FAC – Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Cultura do Governo do Distrito Federal e Petrobras.

Em 2017, o CENA CONTEMPORÂNEA traz 22 espetáculos que prometem falar de liberdade. Liberdade racial, de gênero, política. Com sua grande vocação de ser uma antena das principais inquietações humanas, o teatro reflete sobre ética, violência, poder. E também coloca sua inventividade a serviço da ficção.

O CENA vai ocupar os principais palcos do Distrito Federal. A programação se estenderá do Teatro Funarte Plínio Marcos à rede de teatros do SESC (no Plano Piloto, em Ceilândia, Taguatinga e Gama), ao Teatro da Caixa, Museu Nacional, além de chegar a espaços alternativos, como Imaginário Cultural (Samambaia), Teatro Lieta de Ló (Planaltina), Parque Olhos D’Água, Praça do Conjunto Nacional e Praça da Bíblia na Estrutural.

Em 2017, o festival reafirma ainda a parceira com o Festival Primeiro Olhar – Festival Internacional de Teatro para a Primeira Infância, realizado pela companhia brasileira-espanhola La Casa Incierta, uma das pioneiras no Brasil na abordagem de espetáculos voltados para este público específico. A programação do Festival Primeiro Olhar acontecerá sempre aos sábados e domingos, no Auditório I do Museu Nacional da República.

GRANDES TEMAS

Cinco espetáculos internacionais, oito produzidos em diferentes estados brasileiros e oito encenações brasilienses estão na programação do 18º CENA CONTEMPORÂNEA. São trabalhos de jovens e já celebrados encenadores como a sul-africana Ntando Cele e o espanhol Rodrigo Cuesta e também de diretores consagrados e experientes, como os brasileiros Aderbal Freire-Filho, Grace Passô e Georgette Fadel. Em comum, o fato de tocarem em questões que afligem a humanidade.

O preconceito racial está no cerne dos espetáculos Black Off, da África do Sul, e Vaga Carne, de Minas Gerais. No primeiro, a atriz e diretora Ntando Cele utiliza o humor ácido para falar dos estereótipos ligados à população negra, com grande potência cênica. Vaga Carne traz o talento da atriz e diretora mineira Grace Passô em dose dupla, como idealizadora e protagonista. No solo, a artista se divide entre dois personagens: um corpo e uma voz que toma conta desse corpo e passa a vasculhar sua identidade. Surgem assuntos como o sentimento de pertencimento e o preconceito racial. O espetáculo é o primeiro do projeto ‘Grãos da Imagem’, que reúne trabalhos que falam sobre a identidade.

Intolerância de gênero é outra questão que inspira dois trabalhos, Barro Rojo, da Espanha, e O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu, de São Paulo. O primeiro recupera a história real de um personagem que foi encarcerado num campo de concentração e posteriormente numa prisão apenas por ser homossexual. A montagem acaba por construir um painel histórico, que vai da Alemanha de Hitler à Espanha de Franco. Já O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu é texto da britânica Jo Clifford que tem provocado polêmica por onde passa. Na peça, Jesus volta à Terra na pele de uma transexual, assumindo a identidade de alguém mais uma vez renegado e crucificado.

Ecos da ditadura militar brasileira são revistos na encenação de As Guerrilheiras ou Para a Terra Não Há Desaparecidos, com direção de Georgette Fadell, e Duas Gotas de Lágrimas num Frasco de Perfume, escrito e dirigido por Sérgio Maggio. Em As Guerrilheiras estão histórias de 12 mulheres que foram assassinadas durante a Guerrilha do Araguaia e cujos corpos nunca foram encontrados. Duas Gotas de Lágrimas apresenta o relato de mães, filhas, esposas de desaparecidos políticos. Georgette Fadel é ainda protagonista de Afinação I, que, citando Brecht, Hegel e Marx, recupera para a atualidade a figura e o pensamento libertário da filósofa e mística francesa Simone Weil.

Realidade fantástica e humor negro também vão tomar a cena durante o 18º CENA CONTEMPORÂNEA, em espetáculos como o colombiano Maratona de Nova York. A companhia El Hormiguero Teatro, da Colômbia, provoca o diálogo entre realidade e ficção, usando elementos cômicos para construir uma história quase metafísica em Maratona de Nova York.

E há ainda o diálogo entre música e movimento no espetáculo francês-brasileiro Dança e Percussão; a linguagem infantil com o belo e premiado Simbad, o Navegante, do paulista Rodrigo Matheus, fundador da companhia Circo Mínimo; a crítica à violência e ao desejo de poder de A Paz Perpétua, traduzido e dirigido por Aderbal Freire-Filho; o contato com as culturas latino-americanas em Há Mais Futuro que Passado, um verdadeiro teatro-documentário baseado em depoimentos reais sobre a alienação da população brasileira com relação a seus irmãos de continente; o teatro abstrato e quase ritual de Tremor and More, da França, e o trabalho da Cia Casa Preta, da Bahia, com Dissidente, que oferece um verdadeiro retrato do cotidiano de muitas famílias brasileiras.

PROGRAMAÇÃO (remanescente)

SÁBADO, 26.08
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
17h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Simbad, o Navegante – SP
17h – Teatro Lieta de Ló Planaltina – Sementes - DF
20h - Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – Black Off – África do Sul
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Dança e Percussão - França
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi - Barro Rojo – Espanha
20h30, 21h30 e 22h30 – Parque Olhos D’Água – O Inominável – DF
21h – CAIXA Cultural – Teto e Paz - DF

DOMINGO, 27.08
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
17h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Simbad, o Navegante – SP
17h – Espaço Imaginário Cultural Samambaia – Sementes - DF
20h – Teatro SESC Garagem – Maratona em Nova York – Colômbia
20h – CAIXA Cultural – Teto e Paz - DF

20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi - Barro Rojo – Espanha

SEGUNDA, 28.08
16h – Asa Norte – Carnaval de Kitinete - DF
19h – Teatro SESC Garagem – Maratona em Nova York – Colômbia
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Tsunami - DF
21h – CAIXA CULTURAL – O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
21h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Duas gotas de lágrimas – DF
22h – Asa Norte – Carnaval de Kitinete - DF

TERÇA, 29.08
16h – Asa Norte – Carnaval de Kitinete - DF
19h e 21h – Teatro SESC Garagem – Afinação I – SP
20h – Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – Teto e Paz - DF
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – Duas Gotas de Lágrimas - DF
22h – Asa Norte – Carnaval de Kitinete - DF

QUARTA, 30.08
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos - As Guerrilheiras - SP
20h – Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – Teto e Paz - DF
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Afinação I – SP
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
21h – CAIXA Cultural – Há mais futuro que passado – SP

QUINTA, 31.08
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos - As Guerrilheiras - SP
20h – Teatro SESC Gama Paulo Gracindo – O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu - SP
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – Afinação I – SP
21h – CAIXA Cultural – Há mais futuro que passado – SP

SEXTA, 01.09
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos – Velejando Desertos Remotos - DF
20h – Teatro SESC Taguatinga Paulo Autran – Vaga Carne – MG
21h – Teatro SESC Garagem – Dissidente - BA

SÁBADO, 02.09
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
19h – Teatro Funarte Plínio Marcos – A Paz Perpétua - RJ
20h – Teatro SESC Ceilândia Newton Rossi – Vaga Carne – MG
21h – Teatro SESC Garagem – Dissidente - BA
21h – CAIXA Cultural – A Moscou – Um Palimpsesto - DF

DOMINGO, 03.09
11h e 16h – Auditório 1 do Museu Nacional da República – Festival Primeiro Olhar
19h e 21h – Teatro SESC Garagem – Vaga Carne - MG
20h – Teatro Funarte Plínio Marcos – A Paz Perpétua - RJ
20h – CAIXA Cultural – A Moscou – Um Palimpsesto - DF


SINOPSES

ESPETÁCULOS INTERNACIONAIS


BARRO ROJO - ESPANHA
Texto e interpretação: Javier Liñera Peñas
Direção: Daniela Molina e Linda Wise
Uma viagem pela história do protagonista e de seu tio, que foi encarcerado num campo de concentração e depois numa prisão somente por ser gay. Voltando à Alemanha nazista e à Espanha de Franco, a intenção é refletir sobre o presente. Mostrar a realidade que viveram pessoas no passado para que agora se possa ter a liberdade e os direitos do presente. Como inspiração para a montagem estão as palavras do escritor Miguel Ángel Sosa: “O tempo e o esquecimento são as grandes vantagens do verdugo. E ele conta com isso. Por isso, é necessário que mantenhamos intacta a memória contra a barbárie”.
Javier Liñera – Ator e diretor teatral, com formação acadêmica e cursos posteriores com Odin Theatre (Dinamarca) e Pantheatre (França), dentre outros. Foi membro do Simulacro Teatro, de 1998 a 2013, com o qual atuou em teatro de palco e de rua, em diversos festivais na Espanha, outros países da Europa e Américas. Atuou também ao lado de outras companhias e tem carreira reconhecida no cinema e na televisão.
Linda Wise nasceu no Quênia, mas desenvolveu seu trabalho profissional pelo mundo. Começou na Escócia, na prestigiada escola de Roy Hart e passou pela Noruega, Austrália, Argentina, Dinamarca, França.
Daniela Molina é chilena, atriz formada pela Universidade do Chile e cofundadora da companhia chilena lafamiliateatro. Desde 2011, vive em Paris e integra a companhia Pantheatre.
DURAÇÃO: 70min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 18 anos


BLACK OFF – ÁFRICA DO SUL
Texto: Ntando Cele e Raphael Urweider
Direção e atuação: Ntando Cele
Montagem em tons ácidos, em que a primeira personagem, Bianca White, reproduz sucessivos clichês ligados ao preconceito racial. O pensamento racista vai se revelando como essencialmente uma construção histórica que limita a visão do outro como parte da experiência social. O espetáculo ativa reflexões e afetos sobre a nossa humanidade, com grande potência cênica.
Companhia Manaka Empowerment Productions – Fundada em 2014 pela atriz e criadora Ntando Cele, pelo compositor e músico Simon Ho e pelo Escritor, músico e consultor de dramaturgia Raphael Urweider. Sediada em Berna, na Suíça, a companhia conjuga performance, música, texto e vídeo.
Ntando Cele é atriz, cantora e performer formada pela Escola Estudos de Drama, da Universidade de Durban, África do Sul, com mestrado em teatro na Dasarts-Amsterdã.
DURAÇÃO: 100min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 16 anos


DANÇA E PERCUSSÃO - FRANÇA
Com Gicia Amorim e Sophie Jégou
Percussão: Thierry Miroglio e Joaquim Abreu
Obras de: Luiz Carlos Cseko, Bruno Mantovani, Paulo C. Chagas
Espetáculo experimental que celebra 27 anos de intercâmbios artísticos entre a França e o Brasil. O projeto reúne dois percussionistas e duas bailarinas, de ambos as nacionalidades. Na base de tudo, a pesquisa que envolve a interdependência entre a interpretação musical e a concepção coreográfica: a primeira conduz a segunda ou o movimento, a pausa, a respiração podem também conduzir o som? O trabalho é dividido em três atos. ‘Noite do Catete’ traz a peça de Luiz Carlos Cseko, apontada por alguns como um “borrão sonoro distendido”, com timbres e sonoridades que se despedaçam. ‘Mutações’ apresenta o diálogo entre os percussionistas e sons eletrônicos. E ‘O grande jogo’ mescla o universo eletroacústico a músicas de tons populares.
Thierry Miroglio é conhecido por sua brilhante carreira como solista, motivo pelo qual foi convidado a se apresentar em recitais e concertos em mais de 40, em salas e festivais prestigiados em Salzbourg, Nova York, Viena, Bucareste, Amsterdam, Madri e Tóquio. É um dos raros percussionistas no mundo a exercer tamanha atividade como solista, possuindo um repertório de mais de 350 obras.
Gícia Amorim tem formação em balé, psicologia, dança moderna e dança contemporânea, e certificação em Reeducação do Movimento. Atua como coreógrafa, bailarina e professora de dança. Em 2002, foi premiada pela Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA e, um ano depois, foi contemplada no Rumos Dança Itaú Cultural 2003/2004.
Sophie Jegou é graduada em Filosofia pela Universidade de Lyon e movida pela vontade de ultrapassar os limites tradicionais da dança contemporânea, desenvolve há anos um trabalho como solista, dedicando-se ao domínio da criação, associando a dança a outras formas artísticas (poesia, música, artes visuais e teatro). Dentre suas apresentações recentes, destacam-se a Bienal da Dança de Lyon, Teatro Montensier Versailles (Festival international Orphée), Ópera de Saint Etienne (Espetáculo Danse et Poésie) e Festival Frasq Paris (Parades et Changes)
DURAÇÃO: 75min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: Livre


MARATONA EM NY – COLÔMBIA – EL HORMIGUERO TEATRO
Direção: Gianluca Barbadori
Com Giancarlo Mendoza e Andrés Cabellero
Dois amigos, Mário e Esteban, treinam para participar da Maratona de Nova York. É de noite. Mas é uma noite estranha. Entre o cansaço do treino, a cumplicidade, a amizade dos dois, suas brincadeiras, discussões, reflexões, lembranças, perguntas sobre a vida e morte, eles vão, pouco a pouco, sendo levados, imperceptivelmente, a uma dimensão menos cotidiana e sempre mais suspensa. Espetáculo no qual se cruzam realidade, elementos cômicos, realismo e metafísica.
El Hormiguero Teatro – Companhia criada em 2012, por atores e bailarinos colombianos, com experiência profissional e formação na Colômbia e no exterior, com o objetivo de investigar diferentes linguagens artísticas.
Gianluca Barbarodi é ator profissional desde 1988, pedagogo com atuação desde 1994 em comunidades sociais e vulneráveis e diretor teatral. Ministrou oficinas, seminários e encenou espetáculos na Itália, Argentina, Brasil, Colômbia, Grécia e Irã, dentre outros países.
Giancarlo Mendoza tem larga carreira como ator no teatro, no cinema e na televisão na Colômbia.
Andrés Cabellero é ator, diretor, professor e produtor teatral com especialização em treinamento corporal e interpretação.
DURAÇÃO: 55min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos


TREMOR AND MORE – HERMAN DIEPHUIS - FRANÇA
Concepção e coreografia: Herman Diephuis
Em colaboração e com interpretação de Jorge Ferreira
Uma abstração teatral. Em outubro de 2016, Herman Diephuis conheceu o jovem dançarino brasileiro Jorge Ferreira, durante um workshop em Brasília. Decidiu criar este solo curto especialmente para explorar a imensa capacidade de transformação do intérprete. O trabalho parte do tremor como movimento inicial, princípio, repetição e intervalo de tempo como condição para chegar a momentos de grande vigor físico, marcado por intervalos de quietude. Uma energia de dança ritual.
Produção: Associação ONNO
Coprodução: Rencontres  chorégraphiques  internationales  de  Seine-Saint-Denis
Com apoio do CND - Centre national de la danse, accueil en résidence, do Instituto Francês no Brasil e Fondation d'entreprise Hermès
DURAÇÃO: 25/30min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA:


ESPETÁCULOS NACIONAIS


A PAZ PERPÉTUA – ADERBAL FREIRE-FILHO - RJ
Texto: Juan Mayorga
Tradução e Direção: Aderbal Freire-Filho
Elenco: Alex Nader, Gillray Coutinho, João Velho, José Loreto, Kadu Garcia e Manoel Madeira (stand in)
Mais um desdobramento do projeto “Internacionalização da Dramaturgia Espanhola”, capitaneado pelo Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília e pelo TEMPO_FESTIVAL, do Rio de Janeiro, em 2015. Uma fábula adulta sobre três cachorros que participam de um teste seletivo para ingressar na elite canina antiterrorismo. O oportunista cão Odin, o intelectual Emanuel e o forte e irracional John-John querem muito ganhar a prestigiada “coleira branca”, mas terão que passar por muitas provas de habilidades, conduzidas por um quarto cachorro, antigo portador da coleira, um mito canino chamado Cassius, e acompanhadas pelo Humano. O texto faz parte de um conjunto de obras do autor, centradas em animais. A partir da fábula, Juan Mayorga aborda temas como ética, justiça, democracia, autoridade e violência.
Juan Mayorga é filósofo, matemático e dramaturgo espanhol. Ampliou seus estudos na Alemanha e na França. É autor de mais de 50 obras e detentor de alguns dos principais prêmios do teatro espanhol.
Aderbal Freire-Filho é um dos mais importantes diretores da cena teatral brasileira. Diretor, ator, autor, nasceu em Fortaleza e é radicado no Rio de Janeiro. Tem marcado a história do teatro no Brasil com experiências como o Grêmio Dramático Brasileiro (que ele fundou em 1973) e o Centro de Demolição e Construção do Espetáculo (fundado em 1989). Seu trabalho prioriza o ator como agente principal da linguagem cênica.
DURAÇÃO: 100min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos


AFINAÇÃO I – GEORGETTE FADEL - SP
Direção, dramaturgia e atuação: Georgette Fadel
Sobre textos de: Bertold Brecht, Hegel, Marx e Simone Weil
Em cena, a atriz e diretora Georgette Fadel interpreta a escritora, filósofa, pacifista, militante e mística francesa Simone Weil (1909-1943) para fazer uma verdadeira ode à razão. O texto, que inclui trechos dos escritos de Brecht, Hegel, da própria Simone Weil e algumas citações de Karl Marx, aborda as relações entre a opressão e o sofrimento no mundo, o incrível boicote ao pensamento racional e a urgência da liberdade.
Georgette Fadel é atriz formada pela Escola de Arte Dramática da USP e diretora com formação pelo Departamento de Artes Cênicas da ECA, USP. Professora de interpretação na Escola Livre de Teatro e no Estúdio Nova Dança. Recebeu o Prêmio Shell em 2007 como melhor atriz por Gota d’água, um breviário.
DURAÇÃO: 75min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos


AS GUERRILHEIRAS OU PARA A TERRA NÃO HÁ DESAPARECIDOS – GEORGETTE FADEL - SP
Idealização: Gabriela Carneiro da Cunha
Texto: Grace Passô
Direção: Georgette Fadel
Com Carolina Virgüez, Sara Antunes, Daniela Carmona, Mafalda Pequenino, Fernanda Haucke, Gabriela Carneiro da Cunha
Direção audiovisual: Eryk Rocha
Homenagem que busca recuperar a trajetória de 12 mulheres mortas na Guerrilha do Araguaia, entre abril de 1972 e janeiro de 1975. Violento embate envolvendo 5 mil soldados do Exército e 69 guerrilheiros, a Guerrilha do Araguaia foi uma das mais expressivas reações armadas contra a ditadura militar no Brasil. Os corpos das mulheres assassinadas nunca foram encontrados. O espetáculo busca dar voz a essas mulheres, como forma de refletir sobre a violência contra a mulher nos dias atuais, falar de desigualdade e lutar contra o esquecimento. Uma curiosidade: a figurinista Desirée Bastos escolheu cerca de 50 peças de roupa que tinham sido enterradas às margens do Rio Araguaia, que foram desenterradas, lavas e compõem o figurino da peça.
Georgette Fadel é atriz formada pela Escola de Arte Dramática da USP e diretora com formação pelo Departamento de Artes Cênicas da ECA, USP. Professora de interpretação na Escola Livre de Teatro e no Estúdio Nova Dança. Recebeu o Prêmio Shell em 2007 como melhor atriz por Gota d’água, um breviário.
DURAÇÃO: 80min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos


DISSIDENTE – CIA TEATRO DA CASA - BA
Texto: Michel Vinaver
Tradução: Catarina Sant´Anna
Direção: Gordo Neto
Elenco: Vivianne Laert e Tato Sanches
Felipe, um jovem de 17 anos, mora com sua mãe Helena e parece não estar muito motivado a encontrar trabalho.  Já Helena, separada do marido - um ex-socialista que conheceu durante a luta política - trabalha numa empresa fazendo estatísticas de mercado. A falta de interesse do filho pelo trabalho, pela vida “normal”, suas relações de amizade com um grupo de jovens suspeitos e sua visível degradação física apontam para um fim inevitável: a separação de mãe e filho por causa do seu envolvimento com drogas e crimes.
Michel Vinaver – Considerado um expoente do teatro contemporâneo, é escritor e dramaturgo. Em suas obras aborda tanto acontecimentos marcantes para a história da humanidade (como as guerras da Coréia, Argélia, Indochina, os ataques terroristas de 11 de Setembro, os efeitos da globalização) até assuntos mais cotidianos, com as relações entre pais e filhos, homem e mulher.
Gordo Neto é ator, diretor, autor e produtor teatral desde 1990. É integrante-fundador do grupo Vilavox  e  trabalhou durante dez anos no Teatro Vila Velha. Atuou em mais de vinte espetáculos e dirigiu outros dez. Foi premiado (Premio Braskem de Teatro) como “Melhor Diretor” por “Dissidente”.
Cia. Teatro da Casa – Formada pelos atores Vivianne Laert, Tato Sanches e Rui Manthur, foi criada a partir da montagem de Dissidente, com o objetivo de trabalhar especialmente a interpretação e manter o foco no ator.
DURAÇÃO: 80min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos


HÁ MAIS FUTURO QUE PASSADO – COMPLEXO DUPLO - RJ
Dramaturgia: Clarisse Zarvos, Daniele Avila Small e Mariana Barcelos
Direção: Daniele Avila Small
Elenco: Clarisse Zarvos, Cris Larin e Tainah Longras
Qual é o lugar da mulher latino-americana na história da arte? Esta pergunta inspirou o espetáculo, cujo subtítulo é ‘Um documentário de ficção’. A obra procura jogar luz sobre a vida e obra de importantes artistas latino-americanas cujo legado não chegou ao grande público, a partir de uma pesquisa histórica de fatos reais, obras e experiências de artistas latino-americanas dos anos 1960, 70 e 80. A peça faz uma crítica à história oficial, ao poder que as narrativas da "verdade" têm sobre a visão que temos do mundo e sobre os lugares que nele ocupamos.
DANIELE AVILA SMALL - é doutoranda em Artes Cênicas pela UNIRIO, Mestra em História Social da Cultura pela PUC-Rio e Bacharel em Teoria do Teatro pela UNIRIO. Autora do livro O crítico ignorante – uma negociação teórica meio complicada (2015) e da peça Garras curvas e um canto sedutor (2015). Foi diretora artística do Teatro Gláucio Gill em 2011 e 2012 com Felipe Vidal na Ocupação Complexo Duplo, indicada aos Prêmios Shell e APTR na categoria especial. É idealizadora e editora da Questão de Crítica – revista eletrônica de críticas e estudos teatrais (www.questaodecritica.com.br), integra o coletivo Complexo Duplo e a DocumentaCena – Plataforma de Crítica.
A Cia Complexo Duplo foi criada em 2010, por Daniele Avila Smal e Felipe Vidal e desde então já produziu oito espetáculos.
DURAÇÃO: 75min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 16 anos


O EVANGELHO SEGUNDO JESUS, RAINHA DO CÉU - SP
Texto: Jo Clifflord
Tradução, adaptação e direção: Natalia Mallo
Com Renata Carvalho
Parceria entre Queen Jesus Plays Brasil e Escócia.
Um relato comovente e poético de Jesus transexual. O espetáculo é uma mistura de monólogo e contação de histórias em um ritual que traz Jesus ao tempo presente, na pele de uma travesti. Histórias bíblicas conhecidas são recontadas em uma perspectiva contemporânea, propondo uma reflexão sobre a opressão e a intolerância sofridas por transgêneros e minorias em geral. Ao mesmo tempo em que expõe estes problemas, o espetáculo procura emitir uma mensagem de amor, perdão e aceitação. A identidade travesti é elemento chave do espetáculo, que busca a transformação do olhar diante de identidades marcadas pelo estigma e pela marginalização.
Jo Clifford, 66 anos, é trans e cristã e escreveu a peça como forma de lidar com sua religião. Um discurso sobre a aceitação, essencial num país como o Brasil, campeão mundial no assassinato de travestis e transexuais.
DURAÇÃO: 60min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 18 anos


SIMBAD, O NAVEGANTE – CIRCO MÍNIMO - SP
Com Ronaldo Aguiar e Rodrigo Matheus
Direção Carla Candiotto
Texto Alexandre Roit, Rodrigo Matheus e Carla Candiotto a partir de “As Mil e Uma Noites”
Escolhido pelo jornal O Estado de São Paulo como o Melhor Espetáculo Infantil de 2015 e vencedor de quatro categorias do Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem (antigo FEMSA): Melhor Espetáculo Infantil, Melhor Ator, Melhor Iluminação e Melhor Direção. ‘Simbad, o Navegante’ é uma adaptação da história clássica de ‘As Mil e uma noites’, contada com um cenário todo formado por bambus. Dois atores criam mundos, ilhas, barcos, baleias, pássaros gigantescos, tempestades e perigos, manipulando estruturas de bambus que dão suporte para as acrobacias. No original, dois Simbads de diferentes profissões representam a dualidade do ser humano. No espetáculo, quem conta a história são dois palhaços que se confrontam o tempo todo, na clássica situação de dois artistas mambembes que vão de cidade em cidade contando suas histórias e brigando para ver quem será o herói.
O CIRCO MÍNIMO foi criado por Rodrigo Matheus, em 1988, com o espetáculo de mesmo
nome. Desde então, tem acumulado vários prêmios para espetáculos como “Prometeu” (1993), eleito Melhor Espetáculo do Festival de Curitiba de 1996; e “Deadly” (1997), vencedor do Total Theatre Awards - People's Choice, melhor espetáculo de Teatro Físico, na opinião do público do Fringe Festival de Edimburgo, Escócia. Em 2003, a companhia montou seu primeiro espetáculo infantil, “João e o Pé de Feijão”, dirigido por Carla Candiotto. Simbad é a quarta encenação da companhia especialmente criada para crianças.
DURAÇÃO: 60min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 5 anos


VAGA CARNE – GRACE PASSÔ - MG
Concepção, atuação e dramaturgia: Grace Passô
Equipe de criação: Kenia Dias, Nadja Naira, Nina Bittencourt e Ricardo Alves Jr.
Solo de Grace Passô, a peça é um campo de jogo entre palavra e movimento, onde um corpo de mulher vive a urgência de discurso, à procura de suas identidades e de pertencimento. Em sua narrativa, uma voz errante, capaz de invadir qualquer matéria sólida, líquida ou gasosa, resolve, pela primeira vez, invadir um corpo de mulher e, a partir dessa experiência, narra o que sente, o que finge sentir, o que é insondável em si, o que sua imagem é para o outro, o que significa um corpo enquanto construção social. O espetáculo inaugura o Projeto Grãos da Imagem, que reúne peças em torno de temas identitários. A peça estreou no Festival de Curitiba de 2016. Dentre os prêmios e indicações que o trabalho recebeu, estão APTR, Prêmio Shell RJ e Prêmio Cesgranrio.
Grace Passô é diretora, dramaturga e atriz e trabalha em parceria com artistas e companhias teatrais brasileiras. Dentre seus últimos trabalhos, estão a direção de “Contrações” (Grupo 3 de Teatro, SP), “Carne Moída” (em parceria com Kenia Dias), “SARABANDA” (em parceria com Ricardo Alves Jr) e “Mamá” (Zula Cia, BH). Atuou durante dez anos em espetáculos do repertório do Espanca!, grupo mineiro que fundou e no qual permaneceu como dramaturga e diretora. Dentre os diversos prêmios recebidos estão Prêmio Shell SP, APCA, SESC SATED MG, Usiminas Simparc MG, Prêmio APTR, Cesgranrio e Prêmio Shell RJ.
DURAÇÃO: 50min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos

ESPETÁCULOS DO DF

A MOSCOU! UM PALIMPSESTO
Concepção e direção: Ada Luana
Dramaturgia: Ada Luana e Gabriel F.
Com Ada Luana, Ana Paula Braga, Camila Meskell, Filipe Togawa, Kalley Seraine e Taís Felippe
Iluminação e fotografia: Diego Bresani
Direção musical: Felipe Togawa
Cenografia e figurinos: Roustang Carrilho
Livre adaptação de ‘As Três Irmãs’, de Anton Tchekhov, a peça estabelece diálogos entre o clássico e o contemporâneo, o ator e o personagem, o teatro e a música, a ficção e a realidade, para tratar do tema da degradação do tempo e a erosão dos sonhos. Quatro irmãos que sonham em voltar para Moscou sem nunca conseguir.
DURAÇÃO: 90min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos


CARNAVAL DE KITINETE
Direção/curadoria: Tatiana Bittar
Performance/curadoria: Leonar Shamah
Produção/curadoria: Kamala Ramers
Trilha sonora: Tomás Severin
Experimento cênico, realizado dentro do espaço de uma kitinete, tem a pesquisa focada na performatização do cotidiano, com o ator agindo como objeto plástico que ressignifica o ambiente doméstico numa galeria de arte. A pesquisa foi realizada ao longo de 2014 e contemplada com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz. Atravessa temas como identidade, individualidade, tédio da existência e os valores subjetivos do mercado de arte.
DURAÇÃO: 6 horas
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 16 anos


DUAS GOTAS DE LÁGRIMAS NUM FRASCO DE PERFUMECRIATURAS ALARANJADAS CIA DE TEATRO
Direção e dramaturgia: Sérgio Maggio
Diretor assistente: Gilson Cezzar
Coordenação artística, concepção de cenário e figurinos: Jones de Abreu
Artistas-criadores Gabriela Correa, Gelly Saigg, Silvia Paes, Tainá Baldez e Tiago Ianuck
Iluminação: Vinicius Ferreira
Num diálogo com o clássico ‘Esperando Godot’, de Samuel Beckett, a história mergulha no relato de famílias de desaparecidos políticos da ditadura militar. A narrativa é contada sob o ponto de vista de mães, filhas e companheiras, que têm em comum a dor de nem saber o destino que foi dado a seus entes queridos. Inspirado no drama de Rosa Monteiro Guimarães, mãe de Honestino Guimarães, que morreu sem realizar o sonho de enterrar o filho.
DURAÇÃO: 70min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 12 anos


INOMINÁVEL – CIA DOIS TEMPOS DE TEATRO
Direção: Similião Aurélio e Jordana Mascarenhas
Com Elisa Carneiro, Brendo Sousa, Gregório Benevides, Helena Miranda, João Quinto, Jordana Mascarenhas, Karinne Ribeiro, Luísa Duprat, Pedro Mazepas, Victor Caballar, Similião Aurélio e Wily Oliveira
Espetáculo para um número limitado de espectadores (17 pessoas) tem dramaturgia construída em conjunto pelos atores em interação com o público. A base temática está dividida em três categorias: memória (relacionada ao campo mítico), vivência (campo poético) e experiência (ética). As três se interligam, interagem e redimensionam o processo criativo do ator, que leva para a cena seus próprios afetos, lembranças e emoções.
DURAÇÃO: 120min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 12 anos


POÉTICAS URBANAS – ANDAIME CIA DE TEATRO
Direção: Roustang Carrilho
Com Ana Luiza Bellacosta, Kamala Ramers, Larissa Mauro, Leonardo Shamah, Patrícia Del Rey e Tatiana Bittar
Participação especial dos músicos Lucas Ferrari e Júlia Ferrari
Vencedor de Melhor Espetáculo de Rua no Prêmio SESC de 2016, o trabalho é inspirado no livro ‘Entreaberta’, de Patrícia Del Rey, para falar de amor nos tempos virtuais, da amplitude das cidades, do cotidiano urbano. O projeto é composto de poesias vertidas em pequenas cenas numa linguagem que mistura teatro e performance.
DURAÇÃO: 60min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 16 anos


SEMENTES: QUANDO O SONHADÁRIO GERMINA
Direção: Ana Flávia Garcia
Com Caísa Tibúrcio
Dramaturgia e figurinos: Caísa Tibúrcio e Ana Flávia Garcia
Direção musical: Lucas Tibúrcio
Músicas originais: Caísa Tibúrcio, Milena Tibúrcio, Lucas Tibúrcio
Iluminação: Zizi Antnes
A peça explora a metáfora de plantar e cuidar de uma semente para tocar em temas como a relação com a natureza e a criação. Em um pedaço de terra seco no interior do mundo, uma mulher está sozinha. Carrega em sua bagagem a simplicidade, o sonho e alguns objetos encantatórios. De repente, coisas mágicas começam a acontecer. Será que ela está mesmo sozinha?
DURAÇÃO: 45min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: crianças a partir de 4 anos de idade


TETO E PAZ – CIA LA CASA INCIERTA
Direção e dramaturgia: Carlos Laredo
Com Clarice Cardell, Herbert Lins, Jeferson Alves, Iara dos Anjos, Joaquim Ricald, João Vitor, Lívia Fernandes, Lucimara Ferreira e Patrício.
Participação especial de GOG
Trilha: Leo LP e GOG
Figurino: Val Barreto
Iluminação: Carlos Laredo e Zizi Antunes
Mais uma etapa do importante trabalho desenvolvido pelo grupo junto a jovens abrigados nas Unidades de Acolhimento de Brasília, que já rendeu o espetáculo ‘Meninos da Guerra’. Cinco destes jovens, que já tiveram passagens pela rua, dividem a cena com atores profissionais.
DURAÇÃO: 90min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 12 anos


TSUNAMI
Direção e dramaturgia: Jonathan Andrade
Atriz criadora: Ana Flávia Garcia
Cenografia, figurinos e adereços: Jonathan Andrade
Sonoplastia: Tomás Severin
Iluminação: Diego Bresani
Vídeo mapping: Fernando Gutierrrez
O espetáculo tece a narrativa através de gestos, ações, imagens poéticas não-verbais, convidando o espectador a se abrir para os outros sentidos e refletir sobre o mundo contemporâneo. Um mergulho em temas como amor, solidão, utopia, compaixão, esperança, fé ou nada disso. O convite feito pela ausência da palavra é para a reflexão sobre o contexto mundial contemporâneo, marcado pela dificuldade de entendimento.
DURAÇÃO: 70min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 14 anos


VELEJANDO DESERTOS REMOTOS
Direção e coreografias: Marcos Buaiti
Dançarinos: Iago Gabriel Melo e Marcos Buaiti
Iluminação: Marcelo Augusto
Figurinos: Nina Maria
Espetáculo de dança inspirado no livro ‘As Cidades Invisíveis’, de Ítalo Calvino, no qual o autor investiga o conceito de cidade como estratégia poética para falar da existência humana e as diferentes formas que o ser humano encontra para se relacionar com o mundo.
DURAÇÃO: 50min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 12 anos



18º CENA CONTEMPORÂNEA
Copatrocínio: SESC
Patrocínio: Caixa, FAC – Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Cultura do Distrito Federal, Petrobras
Realização: Cena Promoções
Coordenação geral: Michele Milani
Curadoria e Direção de produção: Alaôr Rosa
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

==> Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário