Circo Imperial da China traz turnê a Brasília

Os brasilienses irão embarcar em uma viagem mágica com o Circo Imperial da China e sua nova produção, As aventuras dos guardiões dos unicórnios, nos dias 12 e 13 de agosto de 2017, com sessões às 16h e às 19h, no Ginásio Nilson Nelson. Criado exclusivamente para a turnê brasileira, que passa por outras nove cidades, além de Brasília, o show promete encantar o público com a beleza e a graça que só os autênticos artistas do circo chinês podem realizar.

Os ingressos, que variam de 50 reais (área superior) a 150 reais (cadeira pista VIP central) estão à venda em pontos como as lojas Sete Mares e os pontos físicos da Bilheteria Digital. Quem preferir, também poderá adquirir os convites pelo site www.bilheteriadigital.com.br. Os valores são referentes à meia-entrada e sujeitos a alterações sem aviso prévio.

A trupe comemora 25 anos de renome mundial, resultado de dois mil anos de história e artes do circo chinês. Formado por habilidosos acrobatas, dançarinos e contorcionistas, o elenco do Circo Imperial da China prometem emocionar aos fãs com coreografias que desafiam as leis da gravidade. Tudo ambientado no mundo encantado dos unicórnios.

Os artistas do Circo Imperial da China dedicam suas vidas ao desempenho. Todos os shows são uma combinação de habilidades autênticas e o melhor de todas as modalidades acrobáticas. Suas habilidades são ainda mais únicas porque seus corpos interagem excelentes adereços e fantasias coloridas. As aventuras dos guardiões dos unicórnios será uma experiência única. Não há truques e nada é falso. Os artistas realizam todas as rotinas, enquanto o público olha para eles com espanto.

O circo chinês é a forma de arte favorita entre as pessoas asiáticas. Tem uma longa história com um estilo nacional distinto, que evolui da vida cotidiana e da experiência de trabalho dos povos chineses. E esta edição conta com muitos superstars da China. Antes de realizar uma apresentação completa e profissional, todos os artistas do grupo passam por 10 anos de treinamento do Ministério da Cultura.

Circo Imperial da China
A tradição do circo chinês teve início há mais de dois mil anos no Período dos Estados Combatentes. Artistas chineses, acrobatas e contorcionistas são claramente reconhecidos em artefatos antigos já nas dinastias Qin e Han (221 aC - 220 aD). Os registros históricos, as relíquias antigas, as esculturas em relevo em túmulos, pedra e tijolos, murais em templos e grutas e padrões decorativos em utensílios mostram que durante séculos o público ficou fascinado com as performances deslumbrantes de artistas chineses, acrobacias e circo.

Embora muitos tipos de números acrobáticos existiram durante a Dinastia Ch'in (255-207 aC), foi a Dinastia Han que viu a forma de arte alcançar novos níveis e se tornar uma forma popular de entretenimento. A maioria dos grupos foram formados ao longo de linhas familiares desenvolveram habilidades e rotinas que, com algumas alterações, são realizadas até hoje. Conhecido como o "Pai Hsi" ou os "Cem Atos", durante este período o circo evoluiu para um longo show com grande variedade de números de trampolim, malabarismo e mágica.

Zh`ang Heng, um grande homem de letras na Dinastia Han Oriental, registrou em um de seus escritos, "The Western Capital Fu", muitas rotinas acrobáticas emocionantes e truques de mágica. O circo chinês moderno, por mais sofisticado que possa parecer, foi criado e realizado pelos antigos acrobatas chineses.

Esses acrobatas foram os favoritos da corte ao longo do Período Wei do Norte (386 - 534), na Dinastia Sung (960 - 1279), como registrado em livros e pinturas da época. Durante a Dinastia Sung, a arte da acrobacia foi praticada por metafísicos taoístas em um esforço para aperfeiçoar suas habilidades físicas e concentração mental.

Com o passar do tempo, o público do circo chinês mudou e, além dos nobres, os artistas foram bem recebidos também pelas pessoas comuns. Os artistas do circo se juntaram a marionetes, contadores de histórias, magos, dançarinos e outros artistas, que já se apresentavam para camponeses. O governo chinês começou a acompanhar de perto o movimento de grupos e artistas individuais. Como resultado, ao longo dos séculos XIX e XX, o circo chinês existiu em um formato menos estruturado. Viajando sozinhos ao invés de em grupos, os artistas ficaram desmoralizados e desacreditados perante o público.

Em 1949, a República Popular da China começou a financiar grupos e o circo chinês ressurgiu como uma forma de arte popular. Foi criado um grande número de novos programas com acompanhamento musical, figurinos, adereços, iluminação e o circo chinês tornou-se uma forma abrangente de arte de palco, tão magnificamente representada pelos artistas do CIRCO IMPERIAL DA CHINA.

O Circo Imperial da China é considerado um dos melhores circos do mundo e tem desempenhado um papel importante no intercâmbio cultural entre muitas nações. Grupos de circo chineses e europeus visitaram muitas regiões e países em todo o mundo. Suas excelentes performances foram calorosamente recebidas e muito apreciadas pelo público em todo o mundo.


SERVIÇO
Dia: 12 e 13 de agosto de 2017.
Horário: sábado e domingo, às 16h e às 19h.
Local: Ginásio Nilson Nelson (Eixo Monumental).
Informações: (61) 3342-2232.
Classificação indicativa: livre.

Ingressos
Área superior: 50 reais.
Cadeira lateral: 80 reais.
Cadeira pista lateral: 100 reais.
Cadeira pista central: 120 reais.
Cadeira pista VIP lateral: 120 reais.
Cadeira pista VIP central: 150 reais.
*VALORES REFERENTES À MEIA-ENTRADA E SUJEITOS A ALTERAÇÕES SEM AVISO PRÉVIO.
*DOADORES DE 1 KG DE ALIMENTO NÃO PERECÍVEL, TAMBÉM PAGAM MEIA.

Pontos de Venda
Lojas Setemares – Conjunto Nacional, Taguatinga Shopping, Alameda Shopping, Sobradinho Shopping, Taguatinga Centro, JK Shopping e Conic.
Bilheteria Digital – Pátio Brasil, Liberty Mall, Brasília Shopping, Alameda Shopping e Boulevard Shopping.
Vendas on-line – www.bilheteriadigital.com.br

==> Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário