Puxando pela memória! O que as estrelas do Dakar têm a dizer sobre o Brasil

É curioso – e um tanto cruel para os fãs – que o Brasil nunca tenha recebido uma especial do Rally Dakar. O evento passou a ser disputado na América do Sul em 2009 e já esteve em cinco países: Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Peru. 

Mas nada de vir para o lado de cá da fronteira. 

Tem um pouco de tudo nessa história: o timing ruim, já que o País se preparava para receber Copa do Mundo e Olimpíada nos últimos anos; a popularidade reduzida do esporte por aqui (em comparação ao que se vê na Argentina, por exemplo); e mesmo a logística do evento, que por enquanto se concentra longe do território brasileiro. 

Os dirigentes, no entanto, não descartam vir ao Brasil em um futuro próximo. Especialmente agora que o cargo de diretor esportivo do Rally Dakar é ocupado pelo espanhol Marc Coma, um profundo conhecedor das trilhas brasileiras. 
Coma venceu duas vezes o Rally dos Sertões, em 2010 e 2014. 

Verdade seja dita, nos últimos dez anos o Rally dos Sertões atraiu grandes nomes do rali mundial, como Cyril Despres, Carlos Sainz e Stéphane Peterhansel. Esses três – que hoje são as estrelas da Peugeot no Rally Dakar – também disputaram e venceram a prova brasileira. 

“O Rally dos Sertões é especial. Tem uma atmosfera única no parque de apoio, é uma festa em todas as cidades. As paisagens são espetaculares e eu guardo ótimas memórias”, conta Despres. “Talvez a melhor delas seja minha disputa com Felipe Zanol em 2011. Foi uma briga dura, limpa, que durou o rali inteiro e qualquer um de nós poderia ter vencido”. 

Nessa edição específica citada por Despres, ele ainda corria de moto e conseguiu superar Zanol para ganhar o Rally dos Sertões pela segunda vez na carreira (a outra havia sido logo na primeira visita dele, em 2006). Outro bicampeão do Sertões é o francês Stéphane Peterhansel, maior vencedor da história do Dakar. 

“Não dá pra comparar as duas provas, mas com certeza o Rally dos Sertões é um bom teste pensando no Dakar, especialmente para os carros”, comenta Peterhansel. 

“Para os pilotos é uma competição diferente, em termos de traçado, de terreno. É outra abordagem. Mas para mim foi um prazer enorme ter participado. É um rali que também tem uma variedade enorme de paisagens e a hospitalidade do povo brasileiro é algo maravilhoso”, conclui o piloto francês. 

Já o espanhol Carlos Sainz – verdadeira lenda do rali de velocidade – venceu a edição de 2009 do Rally dos Sertões. 

“É uma prova muito dura, mas também uma das melhores do mundo”, lembra Sainz. “Tivemos de tudo, de pisos com pedra, areia, vias estreitas e largas, pontos alagados, muitos saltos… Tivemos uma briga pela vitória dentro da nossa equipe, mas sinceramente chegar ao final não foi nada fácil”, elogia o piloto espanhol. 

Sim, porque quando se trata de rali, essa descrição é o maior elogio que se pode ter. E um atestado de que estamos prontos pra quando o Dakar quiser vir pra cá.

==> Foto: Red Bull Content Pool

0 comentários:

Postar um comentário