Teatro do Absurdo com a peça "Oração" na Mostra Dulcina

A obra "Oração", escrita em 1957 por Fernando Arrabal, coloca os personagens Fídio e Lilbé numa busca pela felicidade e por um sentido para suas vidas. Após matarem uma criança, decidem se tornar bons e puros. Para isso, leem o Velho e o Novo Testamento, mas a descoberta da história de Jesus os desconcerta.

A descoberta dos escritos religiosos os lança num terreno que desconheciam. Seus atos, antes inocentes aos seus olhos, passam a carregar o peso de uma moral rígida e clara. Diante dela, deverão abdicar de muitas práticas que os ajudaram, até então, a driblar o insuportável vazio da existência. Conseguirão, através dos Livros Sagrados, alcançar a tão esperada felicidade?

O espetáculo dirigido por Rafael Soul integra a programação da 24ª Mostra Dulcina, importante evento da Faculdade de Artes Dulcina de Moraes que propõe um ponto de discussão conceitual e estética sobre os ofícios em cena e que incentiva a produção de diferentes linguagens artísticas produzidas em Brasília. A proposta da peça é levar à cena a estética do teatro do absurdo.

 O público poderá conferir a performance dos atores Antonio Chaves, Daniel Obregon e Tainá Palitot nos três dias de apresentação. Diferente de outros espetáculos da Mostra Dulcina, "Oração" chega como obra convidada, por não contar com estudantes da instituição no elenco.

O diretor Rafael Soul é também professor da Faculdade Dulcina e um dos coordenadores da Fábrica de Teatro, reconhecida companhia brasiliense que possui trabalhos em diferentes países da América Latina, além de já ter sido componente do antigo projeto Dulcina Parcerias Teatrais, uma incubadora cultural que acolheu a Fábrica no ano de seu lançamento, em 2009. Desde a fundação, a Cia. já levou ao Teatro Dulcina espetáculos como "Beijo no asfalto", com direção de Tássia Aguiar, "Dia de visita", com direção de Francis Wilker e Nei Cirqueira", "Tabus?" e "Resquícios", também dirigidos por Rafael Soul. Com as obras da Fábrica, seja em teatro, cinema, exposição fotográfica e televisão, a Faculdade Dulcina e a companhia já levaram ao CONIC uma estimativa de público de 5.000 pessoas.

É o teatro de Brasília mantendo diálogo e firmando parcerias entre diferentes organizações culturais da cidade.

Ficha Técnica
Texto Original: Fernando Arrabal
Direção: Rafael Soul
Elenco: Antonio Chaves, Daniel Obregon e Tainá Palitot
Iluminação: Marina Zoe
Assessoria de Imprensa: Cia Fábrica de Teatro 
Apoio Logístico de Produção: Josuel Junior e Tássia Aguiar
Fotos: Josuel Junior


SERVIÇO:

Oração
Sala Conchita de Moraes - Teatro Dulcina
09  e 10 de dezzembro - 21h
11 de dezembro - 20h
Entrada Franca

==> Foto: Josuel Junior

0 comentários:

Postar um comentário