Em Rosa Luxemburgo, Isabel Loureiro resgata o conceito de emancipação

A fundadora do Partido Comunista Alemão Rosa Luxemburgo, em 1915, resumiu os dilemas da civilização na sentença “socialismo ou barbárie”. Hoje, ao olhar para sentimentos como nacionalismo, xenofobia e racismo, pertencentes àquela época, mas que parecem assombrar o século XXI, Isabel Loureiro oferece na 3ª edição revista de Rosa Luxemburgo: os dilemas da ação revolucionária, uma perspectiva para se discutir as ideias e as ações dessa polonesa radicada na Alemanha.

Distante tanto do socialismo autoritário quanto da social-democracia, Rosa Luxemburgo (1871-1919) representa o esforço em pensar o marxismo como política da emancipação. O livro analisa detalhadamente os principais conceitos da autora, tais como a comunidade primitiva e sua perspectiva de “retorno” histórico, enfatizando, ainda, a criatividade histórica, um elemento de unificação da teoria e da prática.

“Foi minha intenção mostrar ao longo deste livro que o ‘dogmatismo’ teórico identificado por alguns em Rosa Luxemburgo é matizado por uma defesa apaixonada da ação espontânea das massas populares, a única que pode construir coletivamente um espaço de não sujeição ao capital”, escreve Loureiro.

Ao longo de quatro capítulos, a autora caminha pelo pensamento de Luxemburgo, tomando sempre como norte a crença de que a superação do capitalismo, que ela identificava com socialismo, representava a única opção para que a humanidade não sucumbisse à barbárie. Essa ideia ela nunca abandonou, frisa Loureiro. 

"A qualidade excepcional do livro de Isabel Loureiro resulta não só de seu conhecimento profundo da obra e da vida de Rosa Luxemburgo, da vasta literatura secundária, mas também e sobretudo de sua capacidade de repensar criticamente a relação entre teoria marxista e prática revolucionária”, anota o pensador Michael Löwy, que assina as orelhas. “O que ela nos oferece não é outra biografa de Rosa Luxemburgo – já existem suficientes obras nesse terreno –, mas um livro filosófico sobre o pensamento daquela que Franz Mehring considerava o melhor discípulo de Marx.” 

Sobre a autora - Isabel Maria Loureiro nasceu em Santiago do Cacém, Portugal. Fez o mestrado sobre a Vanguarda Socialista (1945-1948), jornal editado no Rio de Janeiro por Mário Pedrosa, e o doutorado sobre as ideias políticas de Rosa Luxemburgo, ambos no Departamento de Filosofa da USP. Foi professora do Departamento de Filosofa da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp, câmpus de Marília, de 1981 a 2003.
Autora: Isabel Loureiro
Número de páginas: 317
Formato: 14 x 21 cm
Preço: R$ 62,00
ISBN: 978-85-393-0782-1

==> Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário