Banda brasiliense Stoyca critica sociedade com letras poéticas

Dia 30 de maio, a banda Stoyca, apresenta em Brasília o seu primeiro disco “Ninguém Estava Aqui”. O show será a partir das 20h, no Feitiço Mineiro (306 Norte). O couvert custa R$ 15. Não recomendado para menores de 18 anos.

“Ninguém Estava Aqui” foi lançado no final de 2016, mas as músicas trazem dilemas que permeiam a sociedade há anos e por isso, ganham um tom atemporal. Violência em geral e em especial a violência contra a mulher, a força do entretenimento utilizado pelos meios de comunicação, o engarrafamento diário das vias e a velocidade em que as coisas se modificam são alguns dos temas abordados nas letras de Jorge Verlindo, o bandleader da banda.

Cheias de poesias, as dez músicas que estão no álbum, podem pegar desprevenidos os ouvintes mais desavisados, que podem não perceber o quão profundas são as canções. Em “Bruxa Cega”, segunda música do disco, Jorge canta: “Se fosse um ou dois apenas/quebrando suas pernas em vários pedaços na televisão/e achando bom/se fosse uma ou duas penas/mas não a vida inteira fatiado/como peixe de supermercado/só achando bom”.

“Sinto em todo o álbum tem uma violência contida que o permeia. Ele é um estudo sobre as deformações que a gente sofre diariamente e algumas delas vêm da violência. ‘Bruxa Cega’ é sobre um transe que nos faz engolir o que os meios transmitem sem nos questionarmos, e essa violência é apenas parte disso. Ela é acima de tudo a própria forma como tudo pode virar um show e de repente esquecermos o que importa”, explica Jorge.

A crítica à sociedade também fez com que a banda criasse um site interativo, onde a pessoa ouve as canções do álbum após responder uma pergunta que tem duas opções de resposta. A cada questão respondida, as pessoas são levadas para a música seguinte e todo processo vai de acordo com o humor da pessoa. Para testar acesse: ninguemestavaaqui.com.br.

Em meio a discussão feminista e da violência contra a mulher, Jorge abre os olhos para a causa com a música “Voltinteira”.

“Eu acho que quase todo mundo no Brasil se preocupa de alguma forma com segurança hoje. Uma coisa que eu sinto é que a gente anda meio desautorizado a falar de coisas críticas no dia-a-dia, e isso escoa um pouco na música. A rede social construiu uma carapaça de felicidade e satisfação que eu sinto meio questionáveis. Acho que temos sorte de viver numa época em que as violências são sistematicamente confrontadas, e que a mulher se posiciona como protagonista nesse processo. Mas me assombra o volume de violência e de opressão que ainda acontece. Acho que todo mundo que ama alguém sente uma angústia na distância, no risco, e essa música é meio que um anseio de reencontro”, conta Jorge.

Com influências de artistas como Paulinho da Viola, Lenine, Portishead, Massive Attack e Radiohead, a Stoyca lança um olhar moderno à música nacional com uma atmosfera densa, mas traz suavidade em suas músicas, com bases eletrônicas; e um pé na MPB e no indie rock internacional. Este é um dos contrapontos que fazem sua obra tão interessante.

Stoyca é Jorge Verlindo (guitarra e voz), Walter Cruz (teclado), Arthur Lôbo (baixo) e Kelton Gomes (guitarra) e Caio Fonseca (Bateria), com a participação especial do baterista Thiago Cunha da banda Passo Largo, que eventualmente também participa dos shows.

“Ninguém Estava Aqui” teve produção da banda Soca e de Felipe Vieira, mixagem de Kelton Gomes, edição de Valério Xavier.

Escute “Ninguém Estava Aqui” nas principais plataformas de streaming: Spotify, Deezer, Apple Music, Soundcloud. Ou adquira o formato físico no site oficial da banda.

Mais sobre Stoyca
Com três anos de existência, a banda lançou um EP homônimo em 2015 e o álbum “Ninguém Estava Aqui” em 2016. Vindas de um contraponto, as canções trazem as inquietações e fantasmas que atormentam a cabeça de Jorge Verlindo, que lidera a banda e é responsável por todas as composições.



Serviço:

Stoyca no Feitiço Mineiro
Data: 30/05/2017
Horário: a partir das 20h (show às 21h30)
Local: Feitiço Mineiro (SCLN 306 Bloco B lojas 45/51 - Asa Norte, Brasília - DF, 70745-520)
Couvert: R$ 15
Não recomendado para menores de 18 anos
Mais informações: (61) 3272-3032

==> Foto: Breno Galtier

0 comentários:

Postar um comentário